Dessencialização do conceito de cultura no microcosmo das torcidas organizadas: complexidades e construções representativas na torcida organizada Raça Rubro-Negra (1977-1985)

Autores

  • Juliana Nascimento da Silva Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2022v27n46.60196

Palavras-chave:

História Cultural, Torcidas organizadas, Raça Rubro-Negra

Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar e identificar as contribuições da História Cultural para a pesquisa em torcidas organizadas. Tendo como suporte teórico os conceitos de representação e prática, o artigo busca analisar o processo de construção dos elementos representativos da torcida organizada Raça Rubro-Negra, fundada em 1977 sob o pressuposto de renovar o formato de torcer. A análise das complexidades e dos distintos parâmetros de sociabilidades no microcosmo torcedor foi amparada pela pesquisa em periódicos e nos discursos de componentes da agremiação sobre seus signos, que foram escolhidos a partir de uma lógica distintiva. Desse modo, a construção da forma-representação do referido agrupamento torcedor está em diálogo não apenas com os componentes internos, mas com lógicas de distinção nos relacionamentos próprios do microcosmo. A dilatação do conceito de cultura, dessa forma, evidencia as distintas práticas de agentes sociais e as complexidades na relação dinâmica entre representação e recepção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Nascimento da Silva, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Mestre e doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Pesquisa torcidas organizadas e suas relações com o Brasil Contemporâneo.

Referências

Fontes

LEVI, Giovanni. O pequeno, o grande e o pequeno: Entrevista com Giovanni Levi. Rev. Bras. Hist., São Paulo, v. 37, n. 74, p. 157-182, jan. 2017. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882017000100157&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 22 de maio 2020.

TOLEDO, Luiz Henrique de. “Short Cuts”: histórias de jovens, futebol e condutas de risco. Revista Brasileira de Educação (ANPED). Rio de Janeiro, nº 6/7, Dossiê Juventude, 1997, p. 209-221.

TOLEDO, Luiz Henrique de. Lógicas no futebol. São Paulo, 2000. 322p, Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

TOLEDO, Luiz Henrique de. Torcidas Organizadas de Futebol. Campinas: Autores Associados/ANPOCS, 1996.

REVEL, Jacques. Micro-história, macro-história: o que as variações de escala ajudam a pensar em um mundo globalizado. Revista Brasileira de Educação (ANPEd), vol. 15, n. 45, 2010, p. 434-444.

Referências

BARROS, José D’Assunção. História cultural e a contribuição de Roger Chartier. Diálogos, v. 9, n. 1, p. 125-141, 2005.

BARTH, Fredrik; LASK, Tomke. O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, 2000.

BURKE, Peter. História e teoria social. São Paulo: Editora da Unesp, 2012.

CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Editora Vozes, 2009.

CHARTIER, Roger. A História Cultural ⎯ entre práticas e representações. Lisboa: DIFEL, 1990.

CHARTIER, Roger. O mundo como representação. Estudos Avançados, vol. 5, n. 11, p. 173-191, 1991.

DA CÂMARA TEIXEIRA, Rosana. Os perigos da paixão: visitando jovens torcidas cariocas. São Paulo: Annablume, 2003.

DAMATTA, Roberto. Esporte na sociedade: um ensaio sobre o futebol brasileiro. In: Universo do futebol: esporte e sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1982, p. 19-42.

DAMO, Arlei. Do dom à profissão: uma etnografia do futebol de espetáculo a partir da formação de jogadores no Brasil e na França. Porto Alegre, 2005. 435p. Tese de doutorado. UFRGS/PPGAS.

ELIAS, Norbert. A sociedade da corte. Lisboa: Estampa, 1995.

GINZBURG, Carlo. Raízes de um paradigma indiciário: mito, emblemas, sinais. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

HELAL, Ronaldo. O que é sociologia do esporte. São Paulo: Editora Brasiliense, 1990.

HOLLANDA, Bernardo Borges Buarque de. A festa competitiva: formação e crise das torcidas organizadas entre 1950 e 1980. In: HOLLANDA, Bernardo Buarque de; MALAIA, João Manuel Casquinha, TOLEDO, Luiz Henrique de, MELO, Victor Andrade (org.). A torcida brasileira. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2012, p. 86-121.

HOLLANDA, Bernardo Borges Buarque de. O clube como vontade e representação: o jornalismo esportivo e a formação das torcidas organizadas de futebol do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2010.

MONTEIRO, Rodrigo. Torcer, lutar, ao inimigo massacrar, Raça Rubro-Negra!: uma etnografia sobre futebol, masculinidade e violência. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2003.

THOMPSON, Edward. P. A formação da classe operária. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

SILVA, J. N. da. Dessencialização do conceito de cultura no microcosmo das torcidas organizadas: complexidades e construções representativas na torcida organizada Raça Rubro-Negra (1977-1985). Sæculum – Revista de História, [S. l.], v. 27, n. 46, p. 178–194, 2022. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2022v27n46.60196. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/srh/article/view/60196. Acesso em: 2 out. 2022.