Putas, ou quase... violência de gênero em filmes de ficção da Argentina e Brasil no século XXI

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2022v27n46.60378

Palavras-chave:

Gênero, Cinema, Violência contra mulheres, Prostituição, HTP

Resumo

Nas últimas décadas, muitos filmes procuram abordar o tema da violência de gênero. As representações cinematográficas, sobretudo as brasileiras, revelam que a maioria das vítimas de violência masculina fora das relações conjugais são mulheres em situação de prostituição, seja voluntária ou forçada, ou aquelas que, por alguma razão, são associadas a prostitutas. Essas violências são, essencialmente, de caráter sexual e estão marcadas por hierarquias de poder. A compreensão de que vivemos numa sociedade construída por e para homens, a qual reforça um determinado tipo de masculinidade em detrimento de outros e reverbera nas relações de gênero, atravessa as leituras fílmicas. Neste trabalho abordo narrativas de violências de gênero em filmes de ficção da Argentina e do Brasil produzidos nas primeiras décadas deste século. Procuro refletir, a partir da perspectiva da História do Tempo Presente, acerca dessas representações como frutos de processos históricos de longa e média duração, observando como tais processos incidem na constituição de um imaginário de caráter misógino, perceptíveis nessas representações, que ainda parece dividir as mulheres entre “santas” e “putas, ou quase...”, impondo a estas últimas “castigos” na forma de violência sexual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joelma Ferreira dos Santos, Universidade do Estado de Santa Catarina

Professora assistente da UNEB/Campus IV/Jacobina, na área de América. Graduada em História pela UNEB/Campus IV. Mestre em Estudos Latino-americanos pela UAM-Madri. Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em História –PPGH/UDESC/Florianópolis, sob a orientação da Profa. Dra. Gláucia de Oliveira Assis com pesquisa em sobre violência de gênero nos cinemas argentino e brasileiro no século XXI. Integra o NECC/UNEB, o LABGEF/UDESC e o RICiLa.

Referências

ALVES, José Eustáquio D. Desafios da equidade de gênero no século XXI. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, vol. 24, n. 2, p. 629-638, 2016.

ANJOS do sol. Direção: Rudi Lagemann. Roteiro: Rudi Lagemann. Produção: Luiz Leitão; Juarez Precioso; Rudi Lagemann. Brasil: Downtown Filmes; Globo Filmes, 2006. (90 min.), Cor, 35 mm.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Educação & Realidade, vol. 20, n. 2, p. 133-184, 1995.

CONNELL, Raewyn. Masculinidades. México DF: UNAM/PUEG, 2015.

DUTRA, Marco. O silêncio do céu. Entrevistamos o diretor e o elenco do drama. [Entrevista oral concedida a] Marina Capretti, Site Pipoca de Pimenta, 26 set. 2016. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=YDXl4mBegeg) Acesso em: 16 jul. 2021.

FONSECA, Rodrigo. Filme argentino sobre estupro estreia no Brasil com uma discussão política sobre a condição feminina. Site Omelete, 13 jun. 2016. Disponível em: https://www.omelete.com.br/filmes/paulina-filme-argentino-sobre-estupro-estreia-no-brasil-com-uma-discussao-politica-sobre-a-condicao-feminina. Acesso em: 16 jul. 2021.

GHERARDI, Natalia. La violencia de género: desafíos de políticas públicas. In: FAUR, Eleonor (Comp.). Mujeres y varones en la Argentina de hoy: género en movimiento. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Siglo XXI Editores; Fundación OSDE, 2017.

GREMELS, Andrea. ¿Surrealismo mexicano? Violencia e infancia en Los olvidados, de Luis Buñuel (1950). In: GREMELS, Andrea; SOSENSKI (eds.). Violencia e infancias en el cine latinoamericano. Berlin: Peter Lang, 2019, p. 19-44.

GONZÁLEZ, Rocío. La mosca en la ceniza. Crítica de Rocío González publicada em Leedor.com em 26.03.2010. Disponível em: https://www.todaslascriticas.com.ar/pelicula/la-mosca-en-la-ceniza/critica/rocio-gonzalez. Acesso em: 07 nov. 2021.

KIMMEL, Michael S. Masculinidade como homofobia: medo, vergonha e silêncio na construção de identidade de gênero. Equatorial: Revista de Antropologia, vol. 3, n. 4, p. 97-124, 2016.

KIMMEL, Michael S. A produção simultânea de masculinidades hegemônicas e subalternas. Horizontes Antropológicos, ano 4, n. 9, p. 103-117, 1998.

KOURY, Mauro G. P. Volverse hombre. Ambigüedad y ambivalencia en la construcción del género masculino. Estudios Sociológicos, El Colegio de México, vol. 28, n. 82, p. 135-168, 2010.

KOSELLECK, Reinhart. Estratos do tempo: estudos sobre história. Rio de Janeiro: Contraponto: PUC-Rio, 2014.

LA MOSCA en la ceniza. Direção: Gabriela David. Roteiro: Gabriela David. Produção: Gabriela David, Pablo Bossi, Juan Pablo Buscarini. Argentina: SP Films, 2009. (98 min.), Color, 35 mm.

LA PATOTA. Direção: Santiago Mitre. Roteiro: Mariano Llinás; Santiago Mitre. Produção: Agustina Llambi Campbell, Fernando Brom, Santiago Mitre, Lita Stantic, Didar Domehri, Laurent Baudens, Gael Nouaille, Walter Salles, Ignacio Viale. Argentina (coprod. Brasil, França): Energía Entusiasta, 2015. (103 min.), Dolby Digital, Color.

LAURETIS, Teresa de. A tecnologia de gênero. In: HOLLANDA, Heloísa B. de (org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 2019, p. 121-155.

LAURETIS, Teresa de. La creación de imágenes. In: LAURETIS, Teresa de. Alicia ya no: feminismo, semiótica, cine. Madrid: Ediciones Cátedra S.A., 1992, p. 63-113.

MONTENEGRO, Fernanda; GÓES, Marta (Colaboradora). Prólogo, ato, epílogo: memórias. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

OLIVEIRA, Pedro Paulo de. A Construção Social da Masculinidade. Belo Horizonte: UFMG; Rio de Janeiro: IUPERJ, 2004.

O SILÊNCIO do céu. Direção: Marco Dutra. Roteiro: Caetano Gotardo; Lucía Puezo; Sergio Bizzio. Produção: Rodrigo Teixeira. Brasil (coprod. Uruguai): Vitrine Filmes; Floday, 2016. (101min.55seg.), DCP, Cor.

ROUSSO, Henry. Sobre a História do Tempo Presente. [Entrevista concedida a] AREND, Silvia Maria Fávero; MACEDO, Fábio. Revista Tempo e Argumento, v. 1, n. 1, 2009, p. 201-216.

SARDENBERG, Cecilia. Políticas de enfrentamento da violência contra mulheres no Brasil: construção e desmonte. Revista de Estudios de Políticas Públicas. Santiago (Chile), vol. 4, n. 2, p. 77-98, 2018.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, vol. 20(2), p. 71-99, 1995.

VOLNOVICH, Juan Carlos. Viejas y nuevas masculinidades. In: FAUR, Eleonor (comp.). Mujeres y varones en la Argentina de hoy: género en movimiento. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Siglo XXI Editores; Fundación OSDE, 2017, p. 133-154.

WELZER-LANG, Daniel. A construção do masculino: dominação das mulheres e homofobia. Revista de Estudos Feministas, vol. 9, n. 2, p. 460-482, 2001.

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

SANTOS, J. F. dos. Putas, ou quase... violência de gênero em filmes de ficção da Argentina e Brasil no século XXI. Sæculum – Revista de História, [S. l.], v. 27, n. 46, p. 195–211, 2022. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2022v27n46.60378. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/srh/article/view/60378. Acesso em: 2 out. 2022.