DIRETRIZES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES

análise comparativa entre os documentos de 2015 e 2019

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v17i1.67317

Palavras-chave:

Licenciatura, Reformulação, Currículo

Resumo

No contexto das recentes reformas educacionais foi promulgada a resolução CNE/CP 02/2019, que define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores, substituindo as antigas Diretrizes (Resolução CNE/CP 02/2015), demandando das Instituições de Ensino Superior a reformulação dos projetos pedagógicos dos cursos de licenciatura. O presente artigo busca traçar uma análise comparativa entre as duas diretrizes, entendendo os contextos sociais, econômicos e políticos de sua implementação, expondo suas similaridades e diferenças, além de possíveis consequências da modificação no perfil formativo dos novos professores. O estudo aqui realizado aponta que, de modo geral, as diretrizes atuais são mais prescritivas e padronizantes em relação às suas antecessoras, além de não trazer elementos acerca da formação continuada e pouco dizer sobre a questão da valorização profissional docente. Considerando tais características e o contexto pouco democrático de sua implementação, a resolução atual pode ser encarada como um retrocesso no seio das políticas públicas educacionais brasileiras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Luiz Gustavo Ferreira, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Brasil.

Licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho e Professor da Rede Municipal de Educação de Bauru.

Beatriz Salemme Correa Cortela, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Brasil.

Doutora em Educação para Ciência pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho e  Professora da mema instituição.

Referências

ALBRECHT, Evonir; BASTOS, Antonio Sergio Abrahão Monteiro. Extensão e sociedade: diálogos necessários. Em Extensão, Uberlândia, v. 19, n. 1, p. 54-71, jan./jun. 2020. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revextensao/article/view/53428. Acesso em: 19 abr. 2023. DOI: https://doi.org/10.14393/REE-v19n12020-53428

BRASIL Lei n.º13.005/2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2014. Publicada DOU, Brasília, 25/06/2014.

BRASIL, MEC. Resolução CNE/CP 02/2015. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Publicada DOU, Brasília. 02/07/2015.

BRASIL. MEC. Base Nacional Comum Curricular: Educação é a base. Brasília. 2018.

BRASIL, MEC. Resolução CNE/CP 02/2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Publicada DOU, Brasília, 20/12/2019.

CALIXTO, Vivian dos Santos; OLIVEIRA, Adriana Marques de. Entre o presente e o futuro: adaptações da matriz curricular do curso de licenciatura em química da UFGD frente aos (novos?) documentos normativos. Revista Debates em Ensino de Química, v. 8, n. 2, p. 158-175, 2022. Disponível em: https://journals.ufrpe.br/index.php/REDEQUIM/article/view/4817/482484660. Acesso em: 22 abr. 2023. DOI: https://doi.org/10.53003/redequim.v8i2.4817

CARVALHO, Christina Vargas Miranda; SILVEIRA, Hélder Eterno da. Diretrizes Curriculares Nacionais para formação docente: em foco as alterações de 2015. Momento-Diálogos em Educação, v. 27, n. 2, p. 141-156, 2018. Disponível em: https://periodicos.furg.br/momento/article/view/8102/5346. Acesso em: 21 abr. 2023. DOI: https://doi.org/10.14295/momento.v27i2.8102

CELLARD, André. A análise documental. In: POUPART, Jean; DESLAURIERS, Jean-Pierre; GROULX, Lionel-H; LAPERRIÈRE, Anne; MAYER, Robert; PIRES, Álvaro. A pesquisa qualitativa. Enfoques epistemológicos e metodológicos. Tradução de: NASSER, Ana Cristina. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

DOURADO, Luiz Fernandes. Diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial e continuada dos profissionais do magistério da educação básica: concepções e desafios. Educação & Sociedade, Campinas, v. 36, nº. 131, p. 299-324, abr./jun., 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/hBsH9krxptsF3Fzc8vSLDzr/?format=pdf&lang=pt. Acesso em 21 abr. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/ES0101-73302015151909

FELIPE, Eliana da Silva. Novas Diretrizes para a Formação de Professores: continuidades, atualizações e confrontos de projetos, 2020. Disponível em: <https://www.anped.org.br/news/novas-diretrizes-para-formacao-de-professores-continuidades-atualizacoes-e-confrontos-de> Acesso em: 02 set. 2022.

FREITAS, Helena Costa Lopes de. PNE y formación de profesores-Contradicciones y desafíos. Retratos da Escola, Brasília, v. 8, n. 15, p. 427-446, jul./dez. 2014. Disponível em: https://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/download/511/625. Acesso em: 21 abr. 2023.

FREITAS, Suzana Cristina de; MOLINA, Adão Aparecido. Estado, políticas públicas educacionais e formação de professores: em discussão a nova resolução CNE/CP n. 2, de 20 de dezembro de 2019. Pedagogia em Foco, , Iturama, v. 15, n. 13, p. 62-81, jan./jun. 2020. Disponível em: https://www.academia.edu/download/77009123/423. Acesso em 21 abr. 2023.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 2. ed. Editora Atlas SA, 1989.

GONÇALVES, Suzane da Rocha Vieira; MOTA, Maria Renata Alonso; ANADON, Simone Barreto. A Resolução CNE/CP N. 2/2019 e os Retrocessos na Formação de Professores. Revista Formação em Movimento, v. 2, n. 4, p. 360-379, 2020. Disponível em: http://costalima.ufrrj.br/index.php/FORMOV/article/view/610/896. Acesso em: 19 abr. 2023. DOI: https://doi.org/10.38117/2675-181X.formov2020.v2i2n4.360-379

HOLANDA, Francisca Helena de Oliveira; FRERES, Helena de Araújo; GONÇALVES, Laurinete Paiva. A pedagogia das competências e a formação de professores: breves considerações críticas. Arma da Crítica, n.1, p. 122-135, 2009. Disponível em: https://repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/23045/1/2009_art_fhoholandahfreres. Acesso em: 21 abr. 2023.

KRASILCHIK, Myriam. Formação de professores e ensino de ciências: tendências nos anos 90. In: MENEZES, L. C. (Org.). Formação continuada de professores no contexto ibero-americano. São Paulo: NUPES, 1996.

KRASILCHIK, Myriam. Reformas e realidade: o caso do ensino das ciências. São Paulo em perspectiva, v. 14, p. 85-93, 2000. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0102-88392000000100010. Acesso em: 19 abr. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-88392000000100010

LIB NEO, José Carlos. O dualismo perverso da escola pública brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 13-28, 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ep/a/YkhJTPw545x8jwpGFsXT3Ct/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 21 abr. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-97022011005000001

MARQUES, Rosa; XIMENES, Salomão Barros; UGINO, Camila Kimie. Governos Lula e Dilma em matéria de seguridade social e acesso à educação superior. Revista de Economia Política, v. 38, p. 526-547, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rep/a/yTJLwCYQ89PVV77mJgRwGHq/?format=pdf&lang=pt. Acesso em 21 abr. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/0101-35172018-2784

MOREIRA, Laélia Portela; MAIA, Helenice. Formação de professores e articulação entre teoria e prática no PNE e na discussão brasileira recente. Revista Educação e Cultura Contemporânea, v. 13, n. 33, p. 181-198, 2016. Disponível em: http://revistaadmmade.estacio.br/index.php/reeduc/article/view/2512/1287. Acesso em: 21 abr. 2023. DOI: https://doi.org/10.5935/2238-1279.20160067

NARDI, Roberto; CORTELA, Beatriz Salemme Cortela. Formação inicial de professores de Física: novas diretrizes, antigas contradições. In: Formação inicial de professores de física em universidades públicas: estudos realizados a partir de reestruturações curriculares. São Paulo: Livraria da Física, 2015.

SILVA, Monica Ribeiro da. A BNCC da reforma do ensino médio: o resgate de um empoeirado discurso. Educação em revista, Belo Horizonte, v. 34, 2018. Disponível em: http://educa.fcc.org.br/pdf/edur/v34/1982-6621-edur-34-e214130. Acesso em: 21 abr. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-4698214130

SIMIONATO, Margareth Fadanelli; HOBOLD, Márcia de Souza. Diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial de professores: padronizar para controlar? Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v. 17, n. 46, p. 72-88, 2021. Disponível em: http://educa.fcc.org.br/pdf/apraxis/v17n46/2178-2679-apraxis-17-46-72. Acesso em: 19 abr. 2023. DOI: https://doi.org/10.22481/praxisedu.v17i46.8917

SIQUEIRA, Teresa Cristina Barbo; CARNEIRO, Maria Esperança Fernandes; AFONSO, Lúcia Helena Rincón; MESQUITA, Maria Cristina Dutra. A ANFOPE e a Base Comum Nacional: uma leitura da construção histórica articulada. Revista Educativa, Goiânia, v. 17, n. 2, p. 425-452, jul./dez. 2015. Disponível em: https://seer.pucgoias.edu.br/index.php/educativa/article/view/4557. Acesso em: 22 abr. 2023.

Downloads

Publicado

13-03-2024

Como Citar

FERREIRA, L. G.; CORTELA, B. S. C. DIRETRIZES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES: análise comparativa entre os documentos de 2015 e 2019. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 17, n. 1, p. e67317, 2024. DOI: 10.15687/rec.v17i1.67317. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/rec/article/view/67317. Acesso em: 22 maio. 2024.