Identidades e estereótipos femininos em “Nosotras que nos queremos tanto”, de Marcela Serrano

  • Ângela Paula Nunes Ferreira UFPB
  • Cristina Bongestab UFPB
Palavras-chave: Serrano, Romance, Chile, Resistência, Feminista

Resumo

A escritora chilena contemporânea Marcela Serrano possui uma vasta obra que apresenta como ponto comum o fato de apresentar protagonistas mulheres a partir de discursos feministas. Considerando a importância da sua obra no contexto latino-americano, neste artigo, nos propomos a realizar, à luz da Crítica Feminista e dos Estudos Culturais, uma leitura da narrativa Nosotras que nos queremos tanto, buscando examinar de que maneira esta obra se constitui em forma de resistência à desigualdade entre os gêneros em nosso continente. Para tanto, buscamos verificar como se manifesta a representação das mulheres e das relações de gênero na narrativa da escritora, destacando como, nesses espaços, discursos são usados para resistirem a uma cultura patriarcal e sexista que justifica e perpetua práticas intolerantes em relação às mulheres. A metodologia utilizada consiste na leitura analítico-discursiva da narrativa, o que requer uma revisão da teoria dos Estudos Culturais e da Crítica Feminista. Na obra, a autora apresenta quatro personagens mulheres, Ana, Sara, Isabel e Maria que são caracterizadas a partir de identidades e estereótipos ligados ao universo feminino, desconstruindo discursos machistas e estereotipados em relação às mulheres, que por muitos séculos se fizeram presentes no discurso tradicional literário. Assim, podemos afirmar que a narrativa se constitui a partir de discursos feministas e de resistência ao modelo androcêntrico que vigorou por séculos em nossa sociedade, estendendo-se ao campo literário, responsável por violência e opressão contra as mulheres.

Biografia do Autor

Ângela Paula Nunes Ferreira, UFPB
Doutoranda em Linguística pela Universidade Federal da Paraíba
Cristina Bongestab, UFPB
Doutora em Letras Neolatinas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professora efetiva de Língua Espanhola da Universidade Estadual da Paraíba

Referências

BADINTER, Elizabeth. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BAUMAN, Zigmunt. Identidade. Entrevista a Benedito Vecchi. Trad. Bras. Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Editor, 2008.

CHIMAMANDA, Adichie Ngozi. Sejamos todos feministas. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. Tomaz T. da Silva e Guacira L. Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas: Editora da Unicamp, 1994.

LOBO, Luiza. A literatura de autoria feminina na América Latina. In.: Revista Brasil de Literatura. Rio de Janeiro, Ano I, jul.-set. 1997.

MATTELART, Armand; NEVEU, Érik. Introdução aos estudos culturais. São Paulo: Parábola, 2004.

MOI, Toril. (Org.). Sexual/textual politics: feminist literary theory. New York: Routledge, 1988, P.117-132.

MOREIRA, Herivelto, CALEFFE, Luiz Gonzaga. Metodologia da pesquisa para o professor pesquisador. Rio de Janeiro: Lamparina, 2008.

SERRANO, Marcela. Escritoras.com: Literatura escrita por mujeres. Disponível em: http://escritoras.com/escritoras/Marcela-Serrano Acesso em: 20 abr. 2016.

______. Biografías y vidas. La enciclopédia biográfica en línea. Disponível em: http://www.biografiasyvidas.com/biografia/s/serrano_marcela.html Acesso em: 21 abr. 2016.

______. Nosotras que nos queremos tanto. Santiago de Chile: Los Andes, 1991.

______. Nós que nos amávamos tanto. Tradução Luis Carlos Cabral. Rio de Janeiro: Record, 2011.

VEYNE, Paul. Foucault, seu pensamento, sua pessoa. Tradução Marcelo Jacques de Morais. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

WOOLF, Virginia. Um teto todo seu. Trad.: Bia Nunes de Sousa. São Paulo: Tordesilhas, 2014.

_____. Profissão para mulheres e outros artigos feministas. Tradução Alexandra Lemesson. São Paulo: L&PM, 2016.

ZOLIN, Lúcia Osana. Crítica Feminista. In.: BONNICI, Thomas; ZOLIN, Lúcia Osana (Orgs.). Teoria da Literatura: abordagens históricas e tendências contemporâneas. Maringá: Eduem, 2009. p.217-242.

Publicado
2019-01-25
Como Citar
FERREIRA, ÂNGELA P. N.; BONGESTAB, C. Identidades e estereótipos femininos em “Nosotras que nos queremos tanto”, de Marcela Serrano. Revista Graphos, v. 20, n. 2, p. 59-82, 25 jan. 2019.
Seção
Artigos do Dossiê