A criatura, a criadora e a crítica: Frankenstein, de Mary Shelley, sob a ótica de Um teto todo seu, de Virginia Woolf

  • Silvia Maria Fernandes Alves da Silva Costa UFPB
  • Maria Aparecida Saraiva Magalhães de Sousa UFPB
  • Luciana Eleonora de Freitas Calado Deplagne UFPB
Palavras-chave: Mary Shelley, Frankenstein, Virginia Woolf, Autoria feminina, Um teto todo seu

Resumo

Este artigo visa apresentar a autora inglesa Mary Shelley (1797-1851) como iniciadora da ficção científica com a obra Frankenstein ou o Prometeu Moderno (1818), e esta como uma obra matricial de autoria feminina, para questionar a sua possível ausência no Museu Britânico e/ou os valores canônicos defendidos por Virginia Woolf (1882-1941), a partir de seus apontamentos sobre a mulher na ficção, no ensaio Um teto todo seu (1929). Para isso, observaram-se os pontos críticos assinalados por Woolf, contrapostos com a vida de Mary Shelley e a obra Frankenstein, para se buscar entender a não referência a Shelley diante dos diversos nomes de autores citados no ensaio. Woolf admite que a estrutura patriarcal barrou a mulher, no decorrer dos séculos, em uma vida sem condições materiais para pensar e contemplar no momento da criação. Contudo, Shelley, mesmo vivendo em uma sociedade vitoriana patriarcal do século XIX, na qual a mulher deveria ser submissa ao homem, teve condições adequadas à produção ficcional ativa, escrevendo obras como Frankenstein, que permanece presente 200 anos após sua publicação, desafiando a todos com um magnetismo que perpassa o campo das artes. Uma obra que deveria estar incandescente nas estantes do Museu Britânico.

Biografia do Autor

Silvia Maria Fernandes Alves da Silva Costa, UFPB
Doutoranda em Letras pela Universidade Federal da Paraíba. Professora de línguas estrangeiras (inglês e espanhol) do Instituto de Educação Antonino Freire, na Gerência de Formação de Professores da Educação Básica do Piauí
Maria Aparecida Saraiva Magalhães de Sousa, UFPB
Doutoranda em Letras pela Universidade Federal da Paraíba. Professora de português da Rede Estadual de Ensino da Paraíba.
Luciana Eleonora de Freitas Calado Deplagne, UFPB
Doutora em Letras pela Universidade Federal de Pernambuco. Professora Adjunto III do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da UFPB

Referências

BLOOM, Harold. O cânone ocidental: os livros e a escola do tempo. Trad. Marcos Santarrita. Rio de Janeiro: Objetiva, 1994.

BRITO, Márcia Xavier de. Introdução. In: Frankenstein ou o Prometeu moderno. Trad. Márcia Xavier de Brito; Carlos Primati. Rio de Janeiro: Darkside Books, 2017. p. 15-21

BURGESS, Anthony. A Literatura inglesa. Trad. Duda Machado. 2. ed. São Paulo: Ática, 2002.

COSTA, Sílvia M. F. A. da S. A dádiva: dar, receber e retribuir em Orgulho e Preconceito e Norte e Sul. In: ARANHA, Marize; ARAÚJO, Naiara; ALMEIDA, Sonia (Orgs.). Discursos linguísticos e literários: investigações em Letras. São Luís: EDUFMA, 2017. p. 173-192.

DIOGO, Rita de Cassia. Borges e Bloom frente ao cânone literário: um diálogo. In: Congresso Brasileiro de Professores de Espanhol, 7, 1999, Belo Horizonte. Panorama Hispânico. Belo Horizonte: APEMG, 1999. v. 1, p. 318-325.

ELLIOT, T. S. Ensaios. Trad. Ivan Junqueira. São Paulo: Art, 1989.

FELDMAN, Paula R. Introduction to a re-edition of The Keepsake for 1829. In: REYNOLDS, F. M. (Ed.). The Keepsake for 1829. [S.l.]: Broadview Press, 2006. p. 7-25.

GASKELL, Elizabeth. Norte e Sul – North and South. Trad. Doris Goettems. São Paulo: Landmark, 2011.

LOVECRAFT, H. P. O horror sobrenatural em literatura. Trad. Celso M. Paciornik. São Paulo: Iluminuras, 2012.

PAES, José P. Gregos e baianos. São Paulo: Brasiliense, 1985.

PRIMATI, Carlos. Introdução aos contos. ______.In: SHELLEY, Mary. Frankenstein ou o Prometeu moderno. Trad. Márcia Xavier de Brito; Carlos Primati. Rio de Janeiro: Darkside Books, 2017. p. 238-242.

REIS, Roberto. Cânon. In: JOBIM, José Luís (Orgs.). Palavras da crítica. Rio de Janeiro: Imago, 1992.

SANTOS, Naiara Sales A. Frankenstein e a arte de recriar. In: EUGÊNIO, João K.; TORRES, Wanderson L. (Orgs.). Cinema e mal-estar na civilização. São Paulo: Max Limonad, 2015. p. 451-461.

SHELLEY, Mary. Frankenstein ou o Prometeu moderno. Trad. Adriana Lisboa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011.

______. Frankenstein ou o Prometeu moderno. Trad. Márcia Xavier de Brito; Carlos Primati. Rio de Janeiro: Darkside Books, 2017.

SHELLEY, M.; BRAM, S.; STEVENSON, R. L. Frankenstein, Drácula e O médico e o monstro. Trad. Adriana Lisboa. Prefácio de Stephen King. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001.

SILVA, Alexander Meireles da. Literatura Inglesa para Brasileiros. 2. ed. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2006.

WOOLF, Virginia. Um teto todo seu. Trad. Vera Ribeiro. São Paulo: Círculo do Livro, 1985.

ZOLIN, Lúcia O. Crítica feminista. In: BONNICI, T.; ZOLIN, L. Osana (Orgs.). Teoria Literária: abordagens históricas e tendências contemporâneas. 3. ed. Maringá: Eduem, 2009. p. 217-242.

Publicado
2019-01-25
Como Citar
COSTA, S. M. F. A. DA S.; SOUSA, M. A. S. M. DE; DEPLAGNE, L. E. DE F. C. A criatura, a criadora e a crítica: Frankenstein, de Mary Shelley, sob a ótica de Um teto todo seu, de Virginia Woolf. Revista Graphos, v. 20, n. 2, p. 83-101, 25 jan. 2019.
Seção
Artigos do Dossiê