A influência dos elementos gráficos nos livros para crianças na contemporaneidade: análise de duas obras da coleção Universidade das Crianças

  • Hércules Tolêdo Corrêa UFOP
  • Cleide de Araújo Campos Unesp
Palavras-chave: Livros para crianças, Multimodalidade, Projeto gráfico

Resumo

Pode-se dizer que o livro para crianças é um objeto artístico-cultural constituído por vários modos de linguagens. Dessa forma, partimos dos pressupostos da semiótica cultural, mais especificamente das teorizações sobre a multimodalidade, e procuramos identificar os aspectos tanto discursivos quanto educacionais de obras destinadas ao público infantil publicadas na contemporaneidade. Valemo-nos também de estudos sobre ilustração e projeto gráfico de livros infantis, tais como van der Linden (2011), Ramos (2013) e Paiva (2018). Este artigo, especificamente, centra-se na análise de dois livros da coleção Universidade das Crianças, publicada pelo selo Estraladabão, da Editora UFMG, em 2018: O que existe? O que não existe? e O que é um livro? Os nomes dos profissionais envolvidos na produção das obras estão identificados ao longo deste artigo. Hoje em dia, podemos considerar o livro para crianças como um objeto com múltipla autoria (multi ou poliautoria): além do escritor e do ilustrador, os autores principais ou protagonistas, como denominamos neste texto, também estão envolvidos na produção da obra designers gráficos, editores e coordenadores editoriais especializados, leitores críticos, revisores de conteúdo e de linguagem, e muitas vezes também outros especialistas da área editorial e educacional, como publicitários, engenheiros do papel, tradutores, adaptadores, psicólogos, pedagogos e psicopedagogos, aos quais chamamos neste artigo de autoria secundária ou coadjuvante. Analisamos alguns elementos do projeto gráfico das obras selecionadas e da relação entre texto escrito, ilustração e design, seguindo a ordem: 1- Capa e quarta capa; 2- Formato do livro e outros elementos da materialidade; 3- Layout: forma como o texto escrito e o visual são apresentados na página, o que inclui uma série de elementos e de relações entre eles, como: tipo e tamanho de letra, espaço entre linhas e mancha gráfica (a área do impresso: texto escrito e ilustração). Destaca-se que a definição deste último elemento envolve a relação entre texto escrito e texto visual. Por fim, é importante dizer que este artigo faz parte de uma pesquisa coletiva desenvolvida no âmbito do Grupo MULTDIC – Multiletramentos e usos das tecnologias da informação e comunicação na Educação –, intitulada Literatura e visualidade: a importância do projeto gráfico em livros para crianças na contemporaneidade.

 

Biografia do Autor

Hércules Tolêdo Corrêa, UFOP
Doutor em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais. Professor da Universidade Federal de Ouro Preto.
Cleide de Araújo Campos, Unesp
Mestra em Educação pela Universidade Federal de Ouro Preto. Doutoranda em Educação pela UNESP-Presidente Prudente

Referências

ARISTÓTELES. Poética. 2. ed. São Paulo: ArsPoetica, 1993.

BARTHES, Roland. O prazer do texto. Tradução J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 1996 (1976).

CAMARGO, Luís. Ilustração do livro infantil. Belo Horizonte: Editora Lê, 1995.

COPE, B.; KALANTZIS, M. Changes the Role of Schools. In: COPE, B.; KALANTZIS, M. (Org.). Multiliteracies: Literacy Learning and the Design of Social Futures. New York: Routledge, 2000. p. 121-234.

COSCARELLI, Carla. O que existe? O que não existe? Belo Horizonte: Editora UFMG, Estraladabão, 2018. Série: Ficção.

GEORGE, Patrick. Formas. São Paulo: Carochinha, 2016.

HUNT, Peter. Crítica, Teoria e Literatura infantil. Tradução Cid Knipel. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

JAUSS, Hans Robert. O Prazer estético e as experiências fundamentais da poiésis, aisthésis e kathársis. In: LIMA, Luis Costa (Org.). A literatura e o leitor. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979. p. 63-132.

KRESS, G.; VAN LEEUWEN, T. Multimodal Discourse: The modes and media of contemporary communication. London: Arnold, 2001.

KRESS, Gunther. Multimodality. A social semiotic approach to contemporary communication. New York, Routledge, 2010.

LEMKE, Jay L. Letramento metamidiático: transformando significados e mídias. In: Trabalhos em Linguística Aplicada. Campinas, 49(2): 455-479, Jul./Dez. 2010

MENDES, André. O amor e o diabo em Ângela Lago: a complexidade do objeto artístico. Belo Horizonte: UFMG, 2007.

PAIVA, Ana Paula Mathias de. Anotações de seminário promovido pelo grupo de pesquisa

MULTDICS. 8 de agosto de 2018. (notas de palestra)

RIBEIRO, Ana Elisa. O que é um livro? Ana Elisa Ribeiro, texto; ilustração Ana Cunha- Belo Horizonte: Editora UFMG, Estraladabão, 2018. (Série: Papel)

ROSENTHAL, Amy Krouse; LICHTENHELD, Tom. Pato! Coelho! São Paulo: Cosac Naify, 2010.

SANTOS, Zaira Bomfante; PIMENTA, Sônia Maria de Oliveira. Da semiótica social à multimodalidade a orquestração de significados. In: CASA: Cadernos de Semiótica Aplicada, v.12, n.2, 2014. p. 295-324

SAINT-EXUPÉRY, Antoine de. O pequeno príncipe. Rio de Janeiro, Editora Agir, 2009. Aquarelas do autor. 48ª edição / 49ª reimpressão. Tradução Dom Marcos Barbosa.

SMITH, B. A.; TAN, S.; PODLASOV, A.; O’HALLORAN, K. L. Orchestration of Meaning in Multimodal Semiosis and Semiotics. Social Semiotics, 2009.

VAN DER LINDEN, Sophie. Para ler o livro ilustrado. Tradução Dorothée de Bruchard. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

YOYO BOOKS. Vrum clap-clap. São Paulo: Yoyo Books, 2016.

Publicado
2019-07-04
Como Citar
CORRÊA, H. T.; CAMPOS, C. DE A. A influência dos elementos gráficos nos livros para crianças na contemporaneidade: análise de duas obras da coleção Universidade das Crianças. Revista Graphos, v. 21, n. 1, p. 159-175, 4 jul. 2019.
Seção
Artigos do Dossiê