A vulgata da tríade poética (lírico, épico e dramático) no ensino de roteiro para cinema e audiovisual

Autores

  • Alfredo Suppia Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1516-1536.2021v23n1.57011

Palavras-chave:

Lírico, Épico, Dramático, Gêneros literários, Rotei

Resumo

Lírico. Épico. Dramático. O que são essas categorias? Por que são reiteradamente referidas, com frequência, no ensino de roteiro para cinema e audiovisual (AV)? E por que a autoria dessas mesmas categorias é, não raro, atribuída à obra Arte Poética (ou simplesmente Poética), de Aristóteles? Lírico, épico e dramático compõem a famosa tríade canônica, uma suposta matriz genérica da qual todos os gêneros literários emanam, ou da qual teriam se desenvolvido. Largamente aplicada ao estudo dos gêneros literários, a tríade canônica tem seu devido impacto nos estudos de cinema, notadamente na teoria e prática do roteiro contemporâneo. É sabido que, embora em constante renovação, o campo do cinema e AV conserva modelos e axiomas provenientes de trabalhos pioneiros muito antigos, como a Poética de Aristóteles ou A República de Platão, assim como de propostas e reflexões mais recentes, como as do formalismo russo. Este artigo pretende re-examinar a permanência dos “gêneros” lírico, épico e dramático no ensino do roteiro cinematográfico e AV, levando em conta parte da história dos gêneros literários e esforços predecessores de teorização, tanto no âmbito dos estudos literários, quanto no dos estudos de cinema e AV. Nesse sentido, pretendemos indagar sobre por que as categorias do lírico, do épico e do dramático são reiteradamente referidas no ensino de roteiro para cinema e AV, com sua “paternidade” frequentemente atribuída, por engano, à Poética de Aristóteles. Investigaremos também qual a origem de tais termos, bem como sua aplicabilidade no ensino contemporâneo de roteiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alfredo Suppia, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Professor de cinema da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Doutor em Multimeios (Unicamp).

Orcid: https://orcid.org/0000-0003-0811-7118

Referências

ALMEIDA, Aryelle. Literatura: o que é, funções e gêneros literários. In: Portal Medium. 9 de agosto de 2019. Disponível em: https://medium.com/@aryellealmeida7/literatura-o-que-%C3%A9-fun%C3%A7%C3%B5es-e-g%C3%AAneros-liter%C3%A1rios-c7d005131d5a. Acesso em: 2 mai. 2020.

ARISTÓTELES. Poética. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2008.

ARISTÓTELES; HORÁCIO; LONGINO. A poética clássica. São Paulo: Cultrix, 2005.

BAKHTIN, Mikhail. “Epos e romance (sobre a metodologia do estudo do romance)”. In: BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética (A teoria do romance). 4. ed. São Paulo: Ed. UNESP, 1998, p. 397-427.

BARTHES, Roland. O rumor da língua. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

BATTEUX. Les Beaux-Arts réduits à un même principe. Paris: Durand, 1746.

BAZIN, André. Qu’est-ce que le cinéma? Paris: Seuil, 1987.

BEHRENS, Irina. Die Lehre von der Einteilung der Dichtkunst vornehmlich vom 16. bis 19. Jahrhundert: Studien zur Geschichte der poetischen Gattungen. In: Beihefte zur Zeitschrift für romanische Philologie, 1940, s/p.

CASTRO, Renato Luís de. Gêneros literários. Portal Curso Enem Gratuito, online. s/d. Disponível em: https://cursoenemgratuito.com.br/generos-literarios/. Acesso em: 13 mai. 2020.

CHERVEL, A. “En quoi une culture peut-elle être scolaire?”. In: JACQUET-FRANCILLON, F.; KAMBOUCHNER, D. (Orgs.). La crise de la culture scolaire. Paris: PUF, 2005, p. 77-85.

CHERVEL, A. “L'histoire des disciplines scolaires. Réflexions sur un domaine de recherche”. Histoire de l'éducation, Paris, INRP, n. 38, p. 59-119, 1988/1989.

COMPAGNON, M. A. Théorie de la littérature: la notion de genre. UFR de Littérature française et comparée/Cours de licence LLM 316 F2. Paris: Université de Paris IV-Sorbonne, 2001. Disponível em: https://www.fabula.org/compagnon/genre.php. Acesso em: 29 abril.2020.

COMPARATO, Doc. Da criação ao roteiro: teoria e prática. São Paulo: Summus, 2009.

DENIZOT, Nathalie. Genres littéraires et genres textuels dans la discipline français. Pratiques, Paris, n. 145/146, 2010, p. 211-230. Disponível em: https://journals.openedition.org/pratiques/1562 . Acesso em: 11 mai. 2020.

DIANA, Daniela. Gêneros literários. Toda Matéria, 21 de setembro de 2018. Disponível em: https://www.todamateria.com.br/generos-literarios/. Acesso em: 2 mai. 2020.

EDGAR-HUNT, Robert; MARLAND, John; RAWLE, Steven. A linguagem do cinema. Porto Alegre: Bookman, 2013.

FIELD, Syd. Manual do roteiro. Rio de Janeiro: Objetiva, 1995.

FORSTER, E. M. Aspectos do romance. Rio de Janeiro: Globo, 2005.

FRYE, Northrop. Anatomia da crítica. São Paulo: Cultrix, 1973.

GENETTE, Gérard. Introdução ao arquitexto. Lisboa: Vega, 1990.

GUIMARÃES, Roberto Lyrio Duarte. Primeiro traço: manual descomplicado de roteiro. Salvador: Edufba, 2009.

HEGEL, G.W.F. Estética. Poesia. Lisboa: Guimarães & C Ed., 1980.

JENNY, Laurent. Méthodes et problèmes: les genres littéraires. Genève: Université de Genève, 2003.

KNUPP, D. “Xtensivo Literatura Gêneros Literários”. Canal ProjetoX, 16/07/14. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=rBtgw_3rpY4&feature=youtu.be. Acesso em: 13 mai. 2020.

KUENTZ, P. L'envers du texte. Littérature, n. 7, Le discours de l'école sur les textes. Paris: Larrousse, 1972, p. 3-26.

LODGE, David. A arte da ficção. Porto Alegre: L&PM, 2010.

MOTA, Marcos. Gêneros literários, 8 de dezembro de 2013. Disponível em: http://marcosmota.com.br/wp/generos-literarios/. Acesso em: 9 junho de 2019.

MUSTEFAGA, Rafaela. Gêneros literários – O que são? Tipos e Exemplos. Portal Gestão Educacional, online. Disponível em: https://www.gestaoeducacional.com.br/generos-literarios/. Acesso em: 13 mai. 2020.

PALLOTTINI, Renata. Introdução à dramaturgia. São Paulo: Ática, 1998.

PLATÃO. A república. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016.

PONTES, Newton de Castro. A romancização do drama e suas implicações na escrita dramática moderna. Palimpsestos, n. 10, p. 1-18, 2010. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/palimpsesto/article/view/35168. Acesso em: 11 de maio de 2020.

PROPP, V. I. Morfologia do conto maravilhoso. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

ROSENFELD, Anatol. O teatro épico. São Paulo: Perspectiva, 1985.

SARRIS, Andrew. Notes on the Auteur Theory in 1962. In: BRAUDY, Leo; COHEN, Marshall (Eds.). Film theory and criticism: introductory readings. 7 ed. New York: Oxford Univ. Press, 2009, p. 451-454.

SARRIS, Andrew. The American cinema. Film Culture, n. 28, p. 1-68, 1963a.

SARRIS, Andrew. The Auteur Theory and the Perils of Pauline. Film Quarterly, v. 16, N. 4, p. 26-33, 1963b. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/pdf/3185951.pdf?refreqid=excelsior%3A08d147d55afa394e4391651d9745f8c0. Acesso em: 13 mai. 2020.

SAUSSURRE, Ferdinand. Curso de linguística geral. São Paulo: Cultrix, 2006.

SCHILLER, Friedrich. Teoria da tragédia. 2 ed. Trad. Anatol Rosenfeld. São Paulo: E.P.U., 1991.

SOARES, Angélica. Gêneros literários. 6 ed. São Paulo: Ática, 2000.

SOUZA, J. Filmes de Gêneros para Roteiristas: o que você precisa saber para começar a escrever um roteiro de gênero. Portal Tertúlia Narrativa, 18 de janeiro de 2018. Disponível em: https://www.tertulianarrativa.com/single-post/2018/01/18/Filmes-de-G%C3%AAneros-para-Roteiristas-O-que-voc%C3%AA-precisa-saber-para-escrever-um-roteiro-de-g%C3%AAnero. Acesso em: 8 jun. 2019.

STAIGER, Emil. Conceitos fundamentais da poética. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1977.

STALLONI, Yves. Os gêneros literários: A comédia, o drama, a tragédia. O romance, a novela, os contos. A poesia. Rio de Janeiro: Difel, 2001.

TODOROV, Tzvetan. (Org.). Teoria da literatura: textos dos formalistas russos. São Paulo: Ed. Unesp, 2013.

TODOROV, Tzvetan. As estruturas narrativas. São Paulo: Perspectiva, 2011.

TODOROV, Tzvetan. Introdução à literatura fantástica. São Paulo: Perspectiva, 1970.

TODOROV, Tzvetan. Os gêneros do discurso. São Paulo: Martins Fontes, 1980.

TRUFFAUT, François. O prazer dos olhos: escritos sobre cinema. Rio de Janeiro, JZE, 2005.

Downloads

Publicado

2021-06-03