O riso como agente do thaumaston no teatro antigo

Autores

  • André de Sena UFPE

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1516-1536.2021v23n1.57377

Palavras-chave:

Riso, Teatro Antigo, Comédia Antiga, Ironia, Maravilhoso

Resumo

O maravilhoso (thaumaston) foi discutido por Aristóteles em Poética, e nessa obra ele está associado ao gênero épico e à tragédia, com características específicas em cada um deles, mas não se fala nessa categoria em relação à comédia. Mas neste artigo intentamos revelar alguns exemplos que contradizem isso, artísticos e teóricos, mostrando que a metalinguagem e o metateatro irônicos, fundamentais para uma ulterior noção do que constituiria o jogo ficcional – incluindo aí a presença do maravilhoso –, já são operados pelo riso nos palcos cômicos da Antiguidade. Através de referências a obras do teatro antigo que ainda podem ser lidas, ou das temáticas de outras que não chegaram aos nossos dias, bem como da análise de algumas passagens dos escritos filosóficos e estéticos de Platão e Aristóteles, buscamos compreender essa possível presença do maravilhoso possibilitado pelo riso e o cômico, talvez podendo indicar futuros caminhos de análise. Neste aspecto, também nos é importante a referência a uma obra teórica específica, na verdade, o resumo de uma possível aula ou escrito anterior, hoje perdido, intitulado hodiernamente Tractatus coislinianus, que oferece – ou, ao menos, sugere – uma possibilidade teórica dessa possível plasmação do maravilhoso na comédia, já que o riso e o cômico podem proporcionar uma nova perspectiva ou prisma que incrementa a própria percepção do thaumaston.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André de Sena, UFPE

Doutor em Literatura. Professor do Departamento de Letras – UFPE. ORCID:  https://orcid.org/0000-0003-2090-6398

Referências

ARISTÓFANES. A paz. Tradução de Maria de Fátima Sousa e Silva. Coimbra: INIC, 1989.

ARISTÓFANES. As vespas, as aves, as rãs. Tradução de Mário da Gama Kury. 3. ed. Rio de Janeiro: Jorze Zahar, 2004.

ARISTÓFANES. As nuvens. Tradução de Mário da Gama Kury. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2013.

ARISTÓTELES. Poética. Tradução de Eudoro de Sousa. Porto Alegre: Globo, 1966.

COSTA, Lígia Militz da. A poética de Aristóteles: mímese e verossimilhança. São Paulo: Ática, 2003.

DEZOTTI, Maria Celeste Consolin. “O mimo grego: uma apresentação”. In: Itinerários: Revista de Literatura, n. 6, p. 37-46, 1993. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/107372 Acesso em: 19 nov. 2020.

DUARTE, Adriane da Silva. “Apresentação”. In: ÉSQUILO; EURÍPIDES; ARISTÓFANES. O melhor do teatro grego: Prometeu acorrentado, Édipo rei, Medeia, As nuvens. Tradução de Mário da Gama Kury. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2013.

EURÍPIDES. Hipólito. Tradução de Trajano Vieira. São Paulo: Editora 34, 2015.

HOMERO. Tractatus coislinianus. In: HOMERO. Batracomiomaquia: a batalha dos ratos e das rãs. Tradução de Fabrício Possebon. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP, 2003.

HOMERO. Ilíada. Tradução de Frederico Lourenço. Lisboa: Cotovia, 2007.

MINOIS, Georges. História do riso e do escárnio. Tradução de Maria Elena O. Ortiz Assumpção. São Paulo: UNESP, 2003.

PAJARES, Alberto Barnabé. Fragmentos de épica griega arcaica. Madri: Gredos, 1999.

PLATÃO. Diálogos: Fedro; Cartas; O primeiro Alcibíades. Tradução de Carlos Alberto Nunes. Belém: Ed. UFPA, 1975.

PLATÃO. Parmênides; Filebo. Tradução de Carlos Alberto Nunes. Belém: Ed. UFPA, 1974.

PLATÃO. Leis; Epínomis. Tradução de Carlos Alberto Nunes. Belém: Ed. UFPA, 1980.

PLATÃO. A repúbica. Tradução de Carlos Alberto Nunes. 3. ed. Belém: Ed. UFPA, 2000.

SACCONI, Karen Amaral. Fragmentos de Aristófanes: estudo e tradução. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

SÓFOCLES. Fragmentos. Tradução de José María Lucas de Dios. Madrid: Gredos, 1983.

Downloads

Publicado

2021-06-03

Edição

Seção

DOSSIÊ: O FANTÁSTICO E A (DE)FORMAÇÃO DO RISO