A morte fala sério mesmo quando faz rir: o riso desconcertante de José Saramago

Autores

  • Carolina de Aquino Gomes Universidade Federal do Piauí

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1516-1536.2021v23n1.57694

Palavras-chave:

Saramago, Riso, Ironia, Humor, Fantástico

Resumo

Conhecido por romances que tratam de temas sérios e edificantes, José Saramago, em sua última fase de produção romanesca, nos apresenta uma face humorística, que compreende os três últimos romances publicados em vida. Neste artigo, buscamos fazer uma leitura do primeiro dessa tríade, As intermitências da morte (2005), em que nos é apresentado um universo insólito a partir da greve de uma morte-personagem a reivindicar seus direitos de ser notada. Assunto sério por excelência, é trabalhado através do humor, e ocasiona um riso desconcertante no leitor, impelindo-o a refletir sobre sua própria condição de ser humano. Com base nos estudos de Hutcheon (1985), Duarte (2006), Propp (1992), D’Angelli e Paduano (2007), Alberti (1999), Minois (2003) e Roas (2014), é possível observar como a narrativa transcende a realidade, subvertendo-a pelo riso, pela paródia e pela ironia, assim como pelo recurso ao fantástico. Esses elementos são responsáveis por motivar uma nova reflexão sobre o tema da morte. O riso desconcertante nesse romance atua como um indício de que é preciso revermos nossa forma de enxergar a morte e nos transformarmos a partir dessa reflexão. É possível inferir que, por meio do fantástico, Saramago estimula o desenvolvimento intelectual e ético do sujeito e nos exige ousadia para transcender o velho e encontrar um novo significado para a morte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina de Aquino Gomes, Universidade Federal do Piauí

Doutora em Letras, área de concentração Literatura Comparada (UFC). Professora Adjunta do Curso de Letras da Universidade Federal do Piauí (UFPI). ORCID: https://orcid.org/0000-0001-5271-0053

Referências

ALAVARCE, Camila da Silva. A ironia e suas refrações: um estudo sobre a dissonância na paródia e no riso. São Paulo: Editora UNESP, 2009. Disponível em: < https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/109119/ISBN9788579830259.pdf?sequence=2&isAllowed=y>. Acesso em: 26 maio 2021.

ALBERTI, Verena. O riso e o risível: na história do pensamento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. FGV, 1999.

CAMPRA, Rosalba. Lo fantástico: una isotopía de la transgresión. In: ROAS, David (org.). Teorías de lo fantástico. Madrid: Arco/Libros, 2001.

CESERANI, Remo. O fantástico. Tradução de Nilton Cezar Tridapalli. Curitiba: UFPR, 2006.

D’ANGELI, Concetta; PADUANO, Guido. O cômico. Tradução de Caetano Waldrigues Galindo. Curitiba: Ed. UFPR, 2007.

DUARTE, Lélia Parreira Duarte. Ironia e humor na literatura. Belo Horizonte: PUC Minas; São Paulo: Alameda, 2006.

HUTCHEON, Linda. Uma teoria da Paródia. Tradução de Tereza Louro Pérez. Lisboa: Edições 70, 1985.

MINOIS, Georges. História do riso e do escárnio. Tradução de Maria Elena O. Ortiz Assumpção. São Paulo: UNESP, 2003.

MORSON, Gary Saul; EMERSON, Caryl. Mikhail Bakhtin: criação de uma prosaística. Tradução de Antonio de Pádua Danesi. São Paulo: EDUSP, 2008.

PROPP, Vladímir. Comicidade e riso. Tradução de Aurora Fornoni Bernardini e Homero Freitas de Andrade. São Paulo: Editora Ática, 1992.

ROAS, David. A ameaça do fantástico: aproximações teóricas. Tradução de Júlian Fuks. São Paulo: Editora UNESP, 2014.

SARAMAGO, José. As intermitências da morte. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

SILVA, Kalina Vanderlei. Dicionário de conceitos históricos. São Paulo: Contexto, 2010.

Downloads

Publicado

2021-06-03

Edição

Seção

DOSSIÊ: O FANTÁSTICO E A (DE)FORMAÇÃO DO RISO