A sátira, o riso e o absurdo em duas peças do teatro de Qorpo Santo

Autores

  • Erlândia Ribeiro da Silva UFES
  • Vitor Cei UFES

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1516-1536.2021v23n1.57695

Palavras-chave:

Sátira, Riso, Absurdo, Teatro, Qorpo Santo

Resumo

RESUMO:

Este trabalho tem como objetivo investigar de que maneira a sátira, o riso e o absurdo destacam-se na obra do escritor Qorpo Santo (1829-1883) que até os dias atuais permanece esquecido da crítica literária nacional, tendo algum destaque nos anos 1970 com a tônica do Teatro do absurdo, mas caindo no esquecimento nas próximas décadas. As peças analisadas nesse trabalho serão O marinheiro escritor e Um credor na fazenda nacional que apesar de serem peças distintas entre si trazem uma mesma potência de estranheza, riso e acidez em seus elementos estéticos e conteudísticos. Além disso analisaremos quais as consequências o autor traz para o texto ao usar da sátira, do riso e do absurdo enquanto crítica a moralidade da época. Como base teórica para a sátira e o riso partimos dos escritos de Vladimir Propp (1992), quanto ao absurdo nos voltamos ao início do termo com Albert Camus (1970) e demais autores que nos ajudem a perceber tais nuances nas peças em destaque.

 

Palavras-chave: Sátira. Riso. Absurdo. Teatro. Qorpo Santo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Erlândia Ribeiro da Silva, UFES

Doutoranda em Literatura pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) e mestre em Estudos Literários pela Universidade Federal de Rondônia (UNIR). ORCID iD: https://orcid.org/0000-0003-1735-4860 

Vitor Cei, UFES

Doutor em Estudos Literários (Teoria da Literatura e Literatura Comparada) pela Universidade Federal de Minas Gerais, com doutorado-sanduíche no Instituto de Estudos Latino-Americanos da Universidade Livre de Berlim. Professor Adjunto de Teoria Literária e Literatura Brasileira no Departamento de Línguas e Letras da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).  ORCID iD: https://orcid.org/0000-0001-6756-3236

Referências

BATAILLE, Georges. La Felicidad, el erotismo y la literatura (Ensayos 1944-1961). Tradução de Silvio Mattoni. Buenos Aires: Adriana Hidalgo Editora, 2001.

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

CAMUS, Albert. O mito de Sísifo. Rio de Janeiro: LBL livros, 1970.

KLINGER, Diana. Literatura e ética: da forma para a força. Rio de Janeiro: Rocco, 2014.

MARMYSZ, John. Laughing at nothing: humor as a response to nihilism. Albany: State University of New York Press, 2003.

MINOIS, Georges. História do riso e do escárnio. Tradução de Maria Helena Ortiz Assumpção. São Paulo: Editora UNESP, 2003.

PROPP, Vladimir. Comicidade e riso. São Paulo: Ática, 1992.

QORPO-SANTO, José Joaquim de Campos Leão. Teatro completo. Apresentação de Eudinyr Fraga. São Paulo: Iluminuras, 2001.

QUEIROZ, Eça de. Notas contemporâneas. Porto: Lello & Irmão, 1947 (Obras de Eça de Queiroz: volume X).

TELES, Gilberto Mendonça. Vanguarda européia e modernismo brasileiro. Petrópolis, Vozes, 1972.

Downloads

Publicado

2021-06-03

Edição

Seção

DOSSIÊ: O FANTÁSTICO E A (DE)FORMAÇÃO DO RISO