O rapto do riso em O Romance do pavão misterioso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1516-1536.2021v23n1.57947

Palavras-chave:

Literatura Fantástica, Literatura Popular, Poesia, Metamorfose do riso, Romance do pavão misterioso

Resumo

A busca por um conceito, definição ou características têm promovido grande parte dos estudos literários, ao longo de uma tradição que se mescla pela contemporaneidade, de modo que não se olhe, contundentemente, apenas pelos vieses da adjetivação, uma vez que simplificaria a subjetividade da literatura, tornando sua linguagem comum, no que se assemelha a outras linguagens não poéticas nem figurativas. Dessa forma, o objetivo principal deste artigo é analisar o riso, que se metamorfoseia ao longo do poema “O Romance do Pavão Misterioso”, de José Camelo de Melo Rezende, multifacetando-se pelo tom trágico legado pela épica grega, compreendido na obra pelo aspecto geográfico e interditos que contradizem o risível como característica primeira do cômico. A articulação teórico-crítica permitiu realizar a leitura da obra, em interface à (de)formação do humor, pelas dualidades e/ou antagônicas proposições ora presentes da narrativa fantástica. Nessa perspectiva, o reforço teórico é oriundo das premissas iniciais de Tzvetan Todorov (2017) à Literatura Fantástica, Vladímir Propp (2002) até as considerações recentes de David Roas (2014). Ainda nesse contexto, vale ressaltar o estudo proposto por George Desmeules (1997), que destaca a ambivalência da categoria a ser analisada. Em linhas conclusivas, pretende-se aproximar o humor e o fantástico que se mostram pelos reversos e deslocamentos, nos quais alteram os sentidos do riso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Paulo Fernandes, Instituto Federal da Paraíba

Doutor em Letras pela Universidade Federal da Paraíba. Professor no Curso de Letras – Língua Portuguesa, no Instituto Federal da Paraíba. ORCID https://orcid.org/0000-0001-5679-0599

Referências

ARISTÓTELES. A poética clássica. Tradução: Jaime Bruna. 12.ed São Paulo: Cultrix, 2005.

CESERANI, Remo. O fantástico. Tradução: Nilton Cezar Tridapalli. Londrina: Eduel, 2006.

DESMEULES, Georges. La littérature fantastique et le spectre de l’humour. France: Instant même, 1997.

MARINHO, Ana Cristina; PINHEIRO, Hélder. O cordel no cotidiano escolar. São Paulo: Cortez, 2012.

MINOIS, Georges. História do riso e do escárnio. Trad. Maria Elena O. Ortiz Assumpção. São Paulo: Ed. UNESP, 2003.

PROPP, Vladímir. As raízes históricas do conto maravilhoso. Trad. Rosemary Costhek Abílio, Paulo Bezerra. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

REZENDE, José Camelo de Melo. O romance do pavão misterioso. Fortaleza: Tupynanquim, 2000.

ROAS, David. A ameaça do fantástico: aproximações teóricas. Trad. Julián Fuks. São Paulo: Ed. UNESP, 2014.

TODOROV, Tzvetan. Introdução à literatura fantástica. Trad. Maria Clara Correia Castello. 4 ed. São Paulo: Perspectiva, 2017.

Downloads

Publicado

2021-06-03

Edição

Seção

DOSSIÊ: O FANTÁSTICO E A (DE)FORMAÇÃO DO RISO