ASPECTOS QUANTITATIVOS DA DIVERSIDADE E DA SOBRECARGA DOCENTE NO IFRN CAMPUS NATAL - CIDADE ALTA

Resumo

Este artigo objetiva analisar a diversidade e a sobrecarga do trabalho docente no IFRN campus Natal - Cidade Alta. Trata-se de uma pesquisa descritiva e inferencial, à luz da perspectiva quantitativa, iniciada em 2016. Os participantes são 44 docentes efetivos e substitutos e o instrumento para coleta de dados foi o questionário online. Tais dados quantitativos foram submetidos a análises no pacote estatístico SPSS 23. Para tanto, utilizou-se estatística descritiva e inferencial (testes U Mann-Whitney, Rho de Spearman e o Qui quadrado). Nas inferências empreendidas, notou-se que os docentes que já percebem a sobrecarga de trabalho sentem: o elo com o mal-estar no ambiente laboral; a jornada mais extenuante (,025-54,84%); a falta tempo para dedicar-se a atividade que mais gosta (,015- 80%) e para organizar as atividades de ensino (,023- 61,29%). Os docentes que tem a percepção mais negativa da sobrecarga de trabalho são: os doutores (r=-,487 p<0,001); quem está há mais tempo no campus (r=-,329 p<0,029); os efetivos (r=,376 p<0,012); os que lecionam em mais cursos e os da área do Lazer e polivalentes (r=,316 p<0,044). Identificados alguns aspectos que sobrecarregam os docentes e quem são esses profissionais, urge ações e intervenções que harmonizem o ambiente laboral e previnam situações de risco.

Biografia do Autor

Maria Josely de Figueirêdo Gomes
IFRN, Aposentada, Coordena pesquisa Institucional sobe QVT e Saúde do servdior em 2018.

Referências

ANDRADE, P. S.; CARDOSO, T. A. O. Prazer e dor na docência: revisão bibliográfica sobre a Síndrome de Burnout. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 21, n.1, p. 129-140, jan./mar. 2012.

APPLE, M.W. Trabalho docente e textos: economia política das relações de classe e de gênero na educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

COHEN, J. A. Nuevas relaciones laborales y salud de los trabajadores en Argentina. Desafios y perspectivas para la investigacion. Cadernos de Saúde Pública, n.13, p. 47-57. 1997.

DAL-ROSSO, S. Mais trabalho: a intensificação do labor na sociedade contemporânea. Boitempo Editorial, 2008.

ESTEVE, J. M. O mal-estar docente: a sala de aula e a saúde dos docentes. São Paulo: Editora EDUSC, 1999.

FALCÃO, J. T. R.; RÉGNIER, J. C. Sobre os métodos quantitativos na pesquisa em ciências humanas: riscos e benefícios para o pesquisador. Revista brasileira de estudos pedagógicos, Brasília, v. 81, n. 198, p. 229-243. 2000.

GIL, A. C. Como elaborar projeto de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

KUENZER, A. Z. A formação de docentes para o ensino médio: velhos problemas, novos desafios. Educação e Sociedade, Campinas, v. 32, n. 116, p. 667-688, jul./set. 2011. Disponível em: <http://www.cedes.unicamp.br>. Acesso em: 02 abr. 2018.

LESSARD, C.; KAMANZI, P. C.; LAROCHELLE, M. O desempenho no trabalho dos educadores canadenses: o peso relativo da tarefa, as condições de ensino e as relações entre alunos e equipe pedagógica. Educar em Revista, Curitiba, n. 1, p.77-101. 2010.

LOURENCETTI, G. C. O processo de intensificação no trabalho docente dos docentes de secundário. In: Reunião Anual da ANPEd, 29, 2006. Anais da 29ª Reunião Anual da ANPEd. Disponível em: http://www.anped.org.br/reunioes/29ra/trabalhos/trabalhos/GT04-1707--Int.PDF. Acesso em: 04 jul. 2017.

MAENO, M.; PARARELLI, R. O trabalho como ele é e a saúde mental do trabalhador. In: SILVEIRA, M. A. (Org.). Inovação para o desenvolvimento de organizações sustentáveis: trabalho, fatores psicossociais e ambiente saudável. Campinas: Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer, 2013. p. 145-166.

MANCEBO, D. Trabalho docente na educação superior: problematizando a luta. In: DAL ROSSO, S. (Org.). Associativismo e sindicalismo em Educação: organização e lutas. Brasília: Paralelas 15, 2011. p. 75.

MAROY, C. Note de synthèse. Les evolutions du travail enseignant em France et en Europe: facteurs de changement, incidances et resistances dans l´ enseignement secondaire. Revue Française de Pédagogie, n.155, p.111-142, avril-mai-juin. 2006.

MEDEIROS, L. O REUNI – uma nova regulação da política de expansão da educação superior: o caso da UFPA. 2012. Tese (Doutorado em Educação), Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências da Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Belém, 2012.

PAPARELLI, R.; SATO, L.; OLIVEIRA, F. A saúde mental relacionada ao trabalho e os desafios aos profissionais da saúde. Rev. bras. saúde ocup., São Paulo, v. 36, n. 123, p. 118-127, jun. 2011.

OLIVEIRA, D. A. O trabalho docente na América Latina: identidade e profissionalização. Revista Retratos da Escola, Brasília, v.2. n.2-3, p. 29-39, jan./dez. 2008.

______. Trabalho docente. In: OLIVEIRA, D. A.; DUARTE, A. C.; FRAGA, L. V. (Orgs.). Dicionário: trabalho, profissão e condição docente. GESTRADO: UFMG, 2010.

OPS. Organizacion Panamericana de la Salud. Depresión y otros trastornos mentales comunes estimaciones sanitarias mundiales. 2017.

SECCHI, L. Modelos organizacionais e reformas da administração pública. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 43, n. 2, p. 347-369, mar./abr. 2009.

TARDIF, M.; LESSARD, C. Le travail enseignant au quotidien. Bruxelles: De Boeck, 1999.

______. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. 6.ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

Publicado
2019-09-03
Seção
ARTIGO DE REVISÃO