O BEM VIVER COMO FILOSOFIA DA VIDA: CONTRIBUIÇÕES À EDUCAÇÃO INTERCULTURAL

THE WELL LIVINGAS A LIFE PHILOSOPHY: AND ITS CONTRIBUTIONS TO INTERCULTURAL EDUCATION

Palavras-chave: Bom Viver, Filosofia da Vida, Educação, Interculturalidade

Resumo

Adotamos no presente artigo o Bem Viver andino como possibilidade de pensá-lo como Filosofia da Vida, situando-o no debate filosófico-educacional para, ensaisticamente, visualizar aportes a uma educação intercultural, capaz de reconhecer diferentes identidades, alteridades e racionalidades. O objetivo é refletir sobre possíveis aberturas e diálogos que podem contribuir com estudos e projetos educacionais que estão instaurando perspectivas críticas de educação e interculturalidade, de modo a descentrar concepções, discursos e práticas etnocêntricas, cognitivistas e monoculturais que reproduzem alienação e acriticidade, negando as dimensões da corporeidade, da espiritualidade e da inventividade das gerações contemporâneas. Utilizamos a hermenêutica filosófica, crítica, portanto, como referencial de nossa reflexão e diálogo com autores que oferecem subsídios teórico-metodológicos que sustentam o debate do intercultural na educação, como Paulo Freire, Vera Maria Candau e Reinaldo Fleuri, dentre outros. Concluímos que, embora o pensamento hegemônico perdure na cultura escolar, a abertura ao intercultural no pensamento filosófico-educacional tem se tornado inevitável, aumentando o desafio e, ao mesmo tempo, a riqueza contida nas diferentes perspectivas culturais e epistemológicas de educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José María Hernádez Díaz, Universidad de Salamanca (USAL)
Doctor em Educación por la Universidad de Salamanca (USAL). Catedrático de Teoría e História de la Educación. Coordinador del Programa de Doctorado en Educación por la Universidad de Salamanca. Director de História de la Educación – Revista Interuniversitaria. Director de AULA – Revista de Pedagogía de la Universidad de Salamanca. Director del Grupo de Investigación GIR: Helmántica Paideia.

Referências

ACOSTA, Alberto. O Buen Vivir: Uma oportunidade de imaginar outro mundo, 2011. Disponível em: <http://br.boell.org/sites/default/files/downloads/alberto_acosta.pdf> Acesso em 14 de dez. 2018.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.

CANDAU, Vera Maria. Diferenças culturais, cotidiano escolar e práticas pedagógicas. Currículo sem Fronteiras, v. 11, n. 2, p. 240-255, 2011.

______. Direitos humanos, educação e interculturalidade: as tensões entre igualdade e diferença. In: CANDAU, Vera Maria. (Org.). Educação intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de janeiro: 7 Letras, 2009. p. 154-173.

CAVALCANTI, Anna Hartmann. Nietzsche e a história: o que nos faz pensar. [S.l.], v. 1, n. 01, p. 29-36, jun.1989. Disponível em: <http://www.oquenosfazpensar.com/adm/uploads/artigo/nietzche_e_a_historia/n1anna.pdf> Acesso em 14 dez. 2018.

DILTHHEY, Wilhelm. A construção do mundo histórico nas ciências humanas. Trad. Marco Antônio Casanova. São Paulo: UNESP, 2010.

DUSSEL, Enrique. Transmodernidade e interculturalidade: interpretação a partir da filosofia da libertação. Sociedade e Estado Vol. 31 nº. 1 Brasília, p. 51-73, Jan./Apr. 2016.

ECO, Umberto. Baudolino. 8 ed. Trad. Marco Lucchesi. Rio de Janeiro-São Paulo: Editora Record, 2010.

FLEURI, Reinaldo Matias. Interculturalidade e educação. In: Revista brasileira de educação. São Paulo: n. 23, Maio/Jun/Ago, 2003.

______. (Org.). Intercultura: estudos emergentes. Ijuí/RS: Unijuí, 2002.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

GADAMER, Hans-Georg. O problema da consciência histórica. Organizador: Paulo Frichon – Trad. Paulo César Duque Estrada. 3 ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

GARCEZ, María C. Leme; MÉNDEZ, José Mario M. Repensar la Educación: aportes desde la interculturalidad y la pedagogia social. El Salvador: Editorial Universidad Dom Bosco, 2013.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978.

GUDYNAS, Eduardo. Buen vivir: Germinando alternativas al desarrollo. América Latina en Movimiento – ALAI, nº 462: 1-20, fev. 2011, Quito – Equador.

HECK, Egon Dionísio; SILVA, Renato Santana da; FEITOSA, Saulo Ferreira (Org.). Povos indígenas: aqueles que devem viver – Manifesto contra os decretos de extermínio. Brasília: Conselho Indigenista Missionário (Cimi), 2012.

LIMA, Márcio José Silveira. Nietzsche e a história: o problema da objetividade e do sentido histórico. Cadernos Nietzsche n. 30, 2012, p. 159-181.

NIETZSCHE, Friedrich. Segunda consideração intempestiva: da utilidade e desvantagem da história para a vida. Trad. Marco Antônio Casanova. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.

PANIKKAR, Raimon. Paz y desarme cultural. Bilbao: Editorial Sal Terrae, 1993.

______. Paz e Interculturalidad: una reflexión filosófica. Trad. Gérman Ancochea. Barcelona: Herder, 2006.

PIERUCCI, Antônio Flávio. Ciladas da diferença. São Paulo: Editora 34, 1999.

ROTHACKER, Erich. Philosophische Anthropologie. Bonn: Bouvier Verlag, 1966.

SHÄFFER, Margareth. Entre-lugares da cultura: diversidade ou diferença? Revista Educação & Realidade, nº 24.1: 161-167, Jan/Jun 1999. Disponível em: < https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/55813> Acesso em 15 dez. 2018.

STEIN, Ernildo. Antropologia Filosófica: questões epistemológicas. – 2 ed., ver. - Ijuí: Ed. Unijuí, 2010.

Publicado
2019-09-03
Como Citar
POZZER, A.; DÍAZ, J. M. H. O BEM VIVER COMO FILOSOFIA DA VIDA: CONTRIBUIÇÕES À EDUCAÇÃO INTERCULTURAL. Revista Temas em Educação, v. 28, n. 2, p. 121-137, 3 set. 2019.
Seção
DOSSIÊ SOBRE EDUCAÇÃO INTERCULTURAL: EPISTEMOLOGIAS E NOVAS FERRAMENTAS