Os labirintos da tese e o medo de tingir palavras:

narrativas formativas

Autores

  • Aleksandra Nogueira de Oliveira Fernandes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN)
  • Stenio de Brito Fernandes Secretaria de Estado da Educação e da Cultura do estado do Rio Grande do Norte– SEEC/RN https://orcid.org/0000-0001-6300-9561
  • Marlúcia Menezes de Paiva Centro de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2359-7003.2023v32n1.66629

Palavras-chave:

Escrita da tese. Narrativas formativas. Pós-graduação.

Resumo

Escrever é uma atividade complexa e desafiadora, pois são inúmeras as dificuldades entre o pesquisador e o que está sendo estudado. Para tanto, o objetivo do estudo é refletir sobre os desafios inerentes à escrita da tese de doutorado e o medo de redigir no universo da pós-graduação. O percurso teórico aqui empreendido para análise, seguiu os pressupostos de uma abordagem qualitativa. Nesse caminho, realizamos uma pesquisa bibliográfica e narrativa. As narrativas erigidas são de uma doutoranda de um Programa de Pós-Graduação em Educação de um Instituto Federal do Brasil. Como resultados, depreendemos que o ato da escrita na pós-graduação é sinuoso, porém possível. Ademais essas dificuldades se sobrelevam para as mulheres, que além das atividades acadêmicas, têm que dar conta da educação dos filhos, das atividades do lar e da vida profissional. O artigo foi organizado em duas seções, além dessas considerações iniciais e das sendas (in) conclusivas. Na primeira, apresentamos uma reflexão sobre a escrita acadêmica e os seus desafios, especialmente quando realizadas por pós-graduandos em formação.  Na segunda seção, realizamos um exercício de introspecção-retrospecção sobre as experiências em torno do escrever de uma mulher, mãe, esposa, professora e doutoranda vinculada a um Programa de Pós-Graduação de um Instituto Federal de Educação do Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aleksandra Nogueira de Oliveira Fernandes, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN)

Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional - PPGEP do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte - IFRN, Campus Natal central, na linha de História, Memória e Historiografia da Educação Profissional. Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação - POSEDUC da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN na linha de Formação Humana e Desenvolvimento Profissional Docente (2015). Especialista em Educação, na área de Ensino e Currículo (2010) pela UERN e graduada em Pedagogia pela UERN (2007). Professora de Didática, em regime de dedicação exclusiva, no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN), Campus Mossoró. Professora do curso de Especialização em Educação e Contemporaneidade do IFRN, Campus Mossoró. Atuou como professora efetiva da Educação Infantil na rede pública municipal (2010 a 2012). Atuou como professora colaboradora do Departamento de Educação da Faculdade de Educação da UERN de 2010 a 2015 ministrando disciplinas pedagógicas. Tem experiência na área de Educação, com ênfase na educação profissional, prática de ensino e saberes docentes, educação e trabalho, didática, alfabetização e letramento, educação infantil, desenvolvimento profissional, educação inclusiva e narrativas (auto) biográficas.

 

Stenio de Brito Fernandes, Secretaria de Estado da Educação e da Cultura do estado do Rio Grande do Norte– SEEC/RN

Mestre em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação (POSEDUC) da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), e relaciona-se à linha de pesquisa Práticas Educativas, Cultura, Diversidade e Inclusão. Especialista em Mídia na Educação pelo Núcleo de Educação a Distância (NEAD/UERN) (2015). Especialista em História do Brasil República pela UERN (2005), possui graduação em Geografia pela UERN (1999). Atualmente é professor estatutário no município de Porto do Mangue/RN (2003), e professor concursado do Estado do Rio Grande do Norte (RN) (2006), alocado no Centro Regional de Educação Especial de Mossoró - CREE-MOS, no município de Mossoró-RN. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação, Memória (Auto) Biográfica e Inclusão (GEPEMABI/UERN). Participou do curso na área da Educação Especial com ênfase no Atendimento Educacional Especializado - AEE (2023). Participo do Projeto de Pesquisa em andamento da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PRPPEG/UERN), intitulado: Ascensão Social por meio dos estudos de estudantes de origem popular: da Educação Básica até a Universidade. Faço parte do Projeto de Extensão, intitulado: Histórias de Vida em Música, Teatro e Desenho: Vozes Silenciadas ? Ação desenvolvida pela Diretoria de Políticas e Ações Inclusivas (DAIN/UERN) e Pró-Reitoria de Extensão (PROEX/UERN). Tem experiência na área de Educação no Ensino Fundamental II e EJA no Ensino de Geografia, Educação Inclusiva e Narrativas (auto) Biográficas.

Marlúcia Menezes de Paiva, Centro de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN

Professora Titular do Centro de Educação da UFRN. Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (1969), doutorado em Educação: História e Filosofia da Educação, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1992) e pós-doutorado em educação na Ècole des Hautes Études en Sciences Sociales-EHESS e na Universidade Federal do Rio de Janeiro (2000-2001). Tem experiência na área de Educação (pesquisa, ensino e extensão), com ênfase em História da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação, história da educação, história das práticas sócio-educativas da igreja Católica. A ênfase de suas pesquisas e publicações ocorre na área da educação não formal, particularmente na educação popular.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Para educar crianças feministas: um manifesto. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

ALVES, Branca Moreira; PITANGUY. Jacqueline. O que é feminismo? Coleção primeiros passos. São Paulo: Brasiliense, 1982.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo: a experiência vivida. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

BOGDAN, Roberto C.; BIKLEN, Sari Knopp. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Portugal: Porto Editora, 1994.

CADORE, Marcelo. Bolsonarismo: uma história do conceito. 2021. 78 f. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso em Ciências Sociais). Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, 2021.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Educação como capital humano: uma teoria

mantenedora do senso comum. In: A produtividade da escola improdutiva.

São Paulo: Cortez, 4. ed, 1993, p.35-68.

JOSSO, Marie Christine. Experiência de vida e formação. 2. ed. Natal: EDUFRN, São

Paulo: Paulus, 2010.

LEHFELD, Neide Aparecida de Souza. Metodologia e conhecimento científico: horizontes virtuais. Petrópolis (RJ): Vozes, 2007.

LISBOA, Teresa Kleba. Gênero, feminismo e serviço social: encontro e desencontros ao longo da história da profissão. Rev. Katálysis. Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 66-75, jan./jun. 2010. Disponível em https://www.scielo.br. Acesso em: 17 mar. 2023.

LISPECTOR, Clarice. Um sopro de vida: pulsações. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1978.

LISPECTOR, Clarice. As palavras: nada têm a ver com as sensações, palavras são pedras duras e as sensações delicadíssimas, fugazes, extremas. Rio de Janeiro: Rocco Digital, 2014. E-book.

MARTÍN, Eloísa. Ler, escrever e publicar no mundo das ciências sociais. Revista Sociedade e Estado, v. 33, n. 3, p. 941-961, set./dez., 2018.

PEREIRA, Marcos Villela. A escrita acadêmica: do excesso ao razoável. Revista Brasileira de Educação, v. 18 n. 52, p. 213 – 244, jan./mar., 2013.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências. 5ª Ed. São Paulo: Cortez, 2008.

SEVERINO, Antônio Joaquim Severino. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez, 2016.

SEVERINO, Antonio Joaquim. Pós-graduação e pesquisa: o processo de produção e de sistematização do conhecimento. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 9, n. 26, p. 13-27, jan./abr., 2009.

SILVA, Fabiane Ferreira da; RIBEIRO, Paula Regina Costa. Trajetórias de mulheres na ciência: “ser cientista” e “ser mulher”. Ciência e Educação, Bauru, v. 20, n. 2, p. 449-466, 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1516-73132014000200012.

SILVA, Juliana Márcia Santos; CARDOSO, Vanessa Clemente; ABREU, Camila Eulálio; SILVA, Lívia Souza. A feminização do cuidado e a sobrecarga da mulher-mãe na pandemia. Revista Feminismos. vol.8, n.3, p. 149-161, set./dez., 2020.

Downloads

Publicado

2023-07-20

Como Citar

NOGUEIRA DE OLIVEIRA FERNANDES, A. .; DE BRITO FERNANDES, S.; MENEZES DE PAIVA, M. Os labirintos da tese e o medo de tingir palavras: : narrativas formativas. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 32, n. 1, p. e-rte321202344, 2023. DOI: 10.22478/ufpb.2359-7003.2023v32n1.66629. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rteo/article/view/66629. Acesso em: 29 maio. 2024.

Edição

Seção

RELATOS DE EXPERIÊNCIA

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)