COTIDIANO DOS POPULARES: NA CONTRAMÃO DA ORDEM?

Autores

  • Fernanda Karoline Martins Lira Alves

Resumo

Este artigo propõe trazer para discussão as diversidades sociais e culturais dos habitantes da cidade de Parahyba do Norte nas primeiras décadas do século XX, sobretudo, as práticas cotidianas dos populares nas ruas e becos da cidade, espaço mais comum de suas habitações, e o seu lazer com os usos que faziam do espaço urbano; chamando a atenção, especialmente, para a relação conflituosa resultante da intenção das elites que buscaram a consolidação de um outro tipo de sociabilidade, que estava identificada com os padrões e valores por elas estabelecidos para a consolidação de uma cidade moderna, tentando assim, imprimir aos populares novos hábitos e formas de sociabilidades, a partir da vigilância sobre suas atividades e os usos que estes faziam dos espaços e territórios. Para evidenciar essa tensão procuramos compreender como muitos moradores vão construir sua própria vivência, burlando e ressignificando essa teia de valores e códigos que lhes tentavam impor. Nessa empreitada, tomaremos como fonte as denúncias e matérias dos jornais da cidade. A imprensa será tomada aqui como porta voz dos interesses das elites e das ideias de progresso e civilização que permeavam seu imaginário no início do século XX. De modo que, apresenta-se como uma produção discursiva interessada, carregando consigo uma intricada rede de relações de poder que acabam produzindo um lugar para os moradores da cidade moderna.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2012-12-31

Como Citar

LIRA ALVES, F. K. M. COTIDIANO DOS POPULARES: NA CONTRAMÃO DA ORDEM?. Sæculum – Revista de História, [S. l.], n. 27, 2012. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/srh/article/view/16432. Acesso em: 28 jan. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: História e Práticas Cotidianas