INQUISIÇÃO E DESMITOLOGIZAMENTO DE VALORES NO CRISTIANISMO TEOLOGIZADO: RAZÃO, IMAGINÁRIO E H(h)ISTÓRIA

  • Carlos André Cavancanti
Palavras-chave: Inquisição, Imaginário, Desmitologizamento, Desencantamento.

Resumo

O aggiornamento diz muito da contemporaneidade, assim como o Desencantamento do Mundo em Weber nos diz da Civilização do Renascimento e da Ilustração Iluminista como consolidadores sistêmicos da redução da imagem a “louca da casa”, sedimento de alienação e irracionalismos. Buscamos um conceito ou noção que aponte a longevidade histórica desta violência mítica – um tanto heroica, uraniana e diairétia – que exilou os mitos da tradição em benefício dos mitos do aggiornamento, filhos da soberba do racionalismo com o cientificismo... A noção metanoica que propomos é a de Desmitologizamento de Valores [Na língua portuguesa, a terminação “mento” representa um ato realizado, terminado, o que traduz bem a intencionalidade cultural dos atores históricos que buscam mitigar o mito e paralisar a imagem em nome da soberba racionalista.] O termo desmitologizamento aponta seguro para o movimento de mentalidade que busca desconhecer o mito como fundamento biopsicossocial, reduzindo suas narrativas a meras classificações psicóides. O termo valores é weberiano. Refere-se aos conjuntos de valores constelados pela cultura como basilares, em geral asceses do tempo mundano, tantas vezes afirmadores do poder das hierarquias terrenas diante da magnitude deliberadamente ignorada das hierarquias celestes. A Inquisição resume em si aspectos determinantes deste processo desmitologizador. Daí nosso estudo sobre ela.

Biografia do Autor

Carlos André Cavancanti
Doutor em História pela Universidade Federal de Pernambuco. Professor Associado do Departamento de Ciências das Religiões, do Programa de Pós-Graduação em História e do Programa de Pós-Graduação em Ciências das Religiões da Universidade Federal da Paraíba.
Publicado
2014-06-30
Como Citar
CAVANCANTI, C. A. INQUISIÇÃO E DESMITOLOGIZAMENTO DE VALORES NO CRISTIANISMO TEOLOGIZADO: RAZÃO, IMAGINÁRIO E H(h)ISTÓRIA. Sæculum – Revista de História, n. 30, 30 jun. 2014.
Seção
Dossiê: História e História das Religiões