“PARA ASSIM MELHOR CONSERVAR A DESUNIÃO”: O PATRIMÔNIO RELIGIOSO E FORMAÇÃO DA VILA DE DIVINA PASTORA (1782-1818)

Autores

  • Ane Luise Silva Mecenas Santos Unisinos

Palavras-chave:

História Colonial, Irmandades, Clero, Divina Pastora

Resumo

Em 1816, o coronel José Bernardino de Sá Souto Maior enviar um requerimento à Mesa de Consciência e Ordens solicitando que os bens que havia doado a capela de Divina Pastora, fosse conservados na localidade após a sua morte. O coronel possuía um vasto patrimônio e além de ser o responsável pela doação das terras para construção da igreja, havia financiado a obra, comprado as alfaias e concedido propriedades para a manutenção e preservação do templo. Essa simples solicitação é indício para compreender os conflitos que ocorreram nas terras da Divina nos anos de 1616 a 1618. As desavenças envolviam o coronel com o vigário da freguesia de Jesus, Maria José e São Gonçalo pelo administração dos bens. A partir dessa disputa o presente trabalho busca analisar a formação do patrimônio religioso e urbano da vila de Divina Pastora. Visto que as discussões acerca da posse dos objetos sagrados de uma pequena freguesia sergipana tornaram-se o lastro de uma longa batalha perpetrada no campo judicial, com um processo que passou por várias instâncias no debate sobre uma questão inerente ao catolicismo luso-brasileiro: a inserção de leigos na administração dos templos e do patrimônio religioso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ane Luise Silva Mecenas Santos, Unisinos

Doutoranda em História pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Mestre em História pela Universidade Federal da Paraíba e especialista em Ciências da Religião pela UFS e em Gestão e Planejamento de Projetos Sociais pela UNIT. Licenciada e Bacharel em História pela UFS.

Publicado

2016-12-31

Como Citar

SANTOS, A. L. S. M. “PARA ASSIM MELHOR CONSERVAR A DESUNIÃO”: O PATRIMÔNIO RELIGIOSO E FORMAÇÃO DA VILA DE DIVINA PASTORA (1782-1818). Sæculum – Revista de História, [S. l.], p. 77–100, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/srh/article/view/29097. Acesso em: 18 jan. 2022.