As pretas minas do Rosário nas margens da liberdade: mobilidade social e heranças da diáspora. (São João del-Rei, séculos XVIII e XIX)

Autores

  • Leonara Lacerda Delfino Universidade Estadual de Montes Claros

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2018v39n39.31915

Palavras-chave:

Irmandade do Rosário, Testamentos, Pretas minas

Resumo

O presente artigo tem por objetivo analisar os processos de mobilidade social das irmãs pretas forras da Costa da Mina e seus investimentos em bens materiais e simbólicos da irmandade do Rosário de São João del-Rei, entre a segunda metade do século XVIII até meados dos Oitocentos. Nossa arguição procura demonstrar que, apesar do afastamento das atividades formais da agremiação, essas mulheres construíram estratégias de inserção e espaços de poder importantes dentro da irmandade. Todavia, o alcance deste protagonismo nos altos escalões da confraria reporta-se não só ao agenciamento situacional na diáspora atlântica, mas às “heranças e recordações” re-significadas na experiência da sociedade escravista no Novo Mundo. Para tanto, foram utilizados os testamentos das irmãs forras e a documentação confrarial, tais como: livros de compromissos e os assentos de matrículas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonara Lacerda Delfino, Universidade Estadual de Montes Claros

Pós-doutoranda em História (Unimontes). Doutora e Mestra em História pela UFJF. Tem experiência nas áreas de ensino de história e estágio supervisionado e pesquisa sobre os temas: escravidão, religiosidades e africanidades atlânticas.

Downloads

Publicado

2018-12-17

Como Citar

DELFINO, L. L. As pretas minas do Rosário nas margens da liberdade: mobilidade social e heranças da diáspora. (São João del-Rei, séculos XVIII e XIX). Sæculum – Revista de História, [S. l.], v. 39, n. 39, p. 371–382, 2018. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2018v39n39.31915. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/srh/article/view/31915. Acesso em: 19 jan. 2022.