Mulher rendeira: re-tecendo afetos e identidades de gênero nos sertões contemporâneos

Resumo

A colonização dos sertões do Brasil foi conduzida pelo gado. Boiadas e vaqueiros deixaram rastros e fixaram limites de identidades de gênero muito rígidos, marcados pelo patriarcado. Nos anos 2000, novos cenários econômicos, políticos e culturais parecem permitir a emergência de outras configurações possíveis para as tradicionais definições de homens e mulheres sertanejos. Este artigo trata das mudanças provocadas pela globalização periférica que impactaram na divisão sexual do trabalho, nos modos de vida e nas representações de gênero na zona semiárida da Bahia. Ele faz um recorte feminista sobre as representações femininas expressas a partir das inovações sociais e sexuais nos sertões. Para entender este cenário, o estudo mescla aportes da Nova História, da Sociologia Simbólica e do Ecofeminismo, com a macro-narrativa da Economia Política. A iniciativa faz uma revisão histórico-bibliográfica integrada com análise de produtos audiovisuais das últimas décadas. Em síntese, este estudo dedica-se a perceber quem são esses homens e mulheres híbridos, entrincheirados entre a tradição e a pós-modernidade, entre o passado e as novas tecnologias da informação, entre o de-sertão e o mundo globalizado, entre os “cabra machos” e “bois neons”. As respostas apresentadas são pistas para entender esta nova geração de sertanejos e sertanejas, que em um acelerado processo de mutações, estão re-tecendo seus modos de vida.

Biografia do Autor

Gislene Moreira, Universidade do Estado da Bahia
Gislene Moreira é autora do livro Sertões Contemporâneos: rupturas e continuidades. Pesquisa o tema há mais de 20 anos junto a movimentos sociais e de comunicação popular no semiárido e na América Latina. Em 2011 foi premiada pela Alas/Clacso pela tese Las Hormigas de Macondo. É doutora em Ciências Sociais e Política pela Flacso/México e mestre em Cultura e Sociedade pela UFBA. Atua agora como professora da Uneb na Chapada Diamantina, onde se dedica a temas de cultura, comunicação e crise ecológica. É mãe do Chicó e da Luísa.
Publicado
2019-12-15
Como Citar
MOREIRA, G. Mulher rendeira: re-tecendo afetos e identidades de gênero nos sertões contemporâneos. Sæculum – Revista de História, v. 24, n. 41, p. 354-372, 15 dez. 2019.
Seção
Dossiê: Mulheres, gênero e sertanidades