Gestão das paixões políticas:

uma breve abordagem da utilização do ressentimento em demandas políticas

Palavras-chave: Gestão, Sentimentos, Política, Ressentimentos, Marine Le Pen

Resumo

Objetiva-se com o presente trabalho analisar a importância dos ressentimentos para demandas políticas. Para tal, a análise aqui proposta se sustenta em Pierre Ansart, lançada em seu livro La gestion des passions politiques de 1983 e desdobrada ao longo de sua carreira, em que busca tratar a importância das emoções, dos sentimentos, dos afetos, das paixões que se encontram presentes nas instituições, nas decisões, nos fatos políticos e que fazem parte da experiência cotidiana. Partindo da proposta do pensador francês, dialogando com outras perspectivas e desdobramentos, em conexão com a História, que enfoquem demandas afetivas e em especial os ressentimentos, o artigo usa como caso concreto a gestão de sentimentos promovida por Marine Le Pen, presidente do partido de extrema direita Front National em sua tentativa de ascender ao cargo máximo da República Francesa. Na investigação é dada especial atenção para os pronunciamentos do Mont-Saint-Michel.

Biografia do Autor

Makchwell Narcizo, Instituto Federal Goiano

Possui Graduação em História pela Universidade Federal de Goiás (2009), Mestrado em História pela Universidade Federal de Goiás (2012), Doutorado em História pela Universidade Federal de Uberlândia (2019) e desenvolve pesquisa de Estágio Pós-doutoral na PUC Goiás. Atualmente é professor substituto do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano – Campus Trindade. Tem experiência na área de História, com ênfase em História Contemporânea, História e Culturas Políticas atuando principalmente nos seguintes temas: História; história do holocausto – shoah –; história da extrema direita europeia; história dos sentimentos políticos; narrativa; Negacionismos; Ensino de História.

Referências

AHMED, Sarah. The Cultural Politics of Emotion. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2004.

ANSART, Pierre. A gestão das Paixões Políticas. Curitiba: Editora UFPR, 2019.

ANSART, Pierre. Em defesa de uma ciência social das paixões políticas. Historia: questões i debates. 17, n. 33, julho/dezembro 2000, Editora UFPR, pp. 145-164.

ANSART, Pierre . História e memória dos ressentimentos. In: BRESCIANI, Stella; NAXARA,

Márcia (org). Memória e (res)sentimento: Indagações sobre uma questão sensível. Campinas SP: Editora UNICAMP, 2009, p. 15-36.

ANSART, Pierre . La gestion des passions politiques. Lausanne: L’age d’homme, 1983.

BRESCIANI, Maria Stella. (Introdução), HAROCHE, Claudine. O que é um povo? Os sentimentos coletivos e o patriotismo do final do século XIX. In: BREPOHL, Marion. Et al (org). Razão e paixão na política. Brasília: Editora UnB, 2002. Pp. 7-11.

BRESCIANI, Maria Stella ; NAXARA, Márcia (org). Memória e (res)sentimento: Indagações sobre uma questão sensível. Campinas SP: Editora UNICAMP, 2009.

HAROCHE, Claudine. A condição Sensível. Formas e maneiras de sentir no Ocidente. Rio de Janeiro: ContraCapa, 2008.

KEHL, Maria Rita. Ressentimento. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2014.

LE PEN. Discours de Marine Le Pen dans l’Orne. 7 janvier 2018. Disponível em http://www.frontnational.com/2018/01/discours-de-marine-le-pen-dans-lorne/.

NIETZSCHE, Friedrich. Genealogia da moral: uma polêmica. Companhia de Bolso São Paulo: 2009.

PROCHASSON, Christophe. Emoções e política: Primeiras aproximações. Varia História, Belo Horizonte, vol. 21, n. 34: p. 305-324, Julho 2005, p. 305-323.

ROSENWEIN, Barbara H. História das emoções, problemas e métodos. Trad.: Ricardo Santiago. São Paulo: Letra e Voz, 2011.

SCHELER, Max. Da reviravolta dos valores. 2. ed. Petrópolis RJ: Vozes; Bragança Paulista, SP: Editora Universitária, 2012.

SEIXAS, Jacy. Percursos de memórias em terras de história: problemáticas atuais. In: BRESCIANI, Stella; NAXARA, Márcia (org). Memória e (res)sentimento: Indagações sobre uma questão sensível. Campinas SP: Editora da Unicamp, 2009, p. 37-48.

Publicado
2020-06-16
Como Citar
NARCIZO, M. Gestão das paixões políticas:. Sæculum – Revista de História, v. 25, n. 42, p. 157-170, 16 jun. 2020.
Seção
Artigos