Objetos nos Museus e ensino de história

Palavras-chave: Museu, Ensino de História, Objetos, Cultura Material

Resumo

Este artigo propõe uma análise sobre parte da documentação contida no Museu do Ouro, localizado na cidade de Sabará, estado de Minas Gerais, investigando como se deu a formação da coleção em exposição. Destaco o museu histórico a partir da tradição antiquária, assim como afirmo que a cultura material musealizada é um potente recurso para o ensino de história, revelando as tramas entre memória e esquecimento presentes nas exposições. Os professores dispõem de objetos, imagens e cenários ricamente estruturados, − que podem ser relacionados ao currículo escolar – propondo, dessa maneira, questões sobre história e memória decorrentes do período minerador. A cultura material musealizada abre possibilidades de experiências sensíveis em um processo de aprendizagem, relacionado a questões socialmente vivas. Relacionando objetos expostos e conteúdos da história, professores podem elaborar nova forma de conhecimento, que, por sua vez, poderá ser compartilhado com os estudantes no momento da visita e no pós visita aos museus.

Biografia do Autor

Jezulino Lúcio Mendes Braga, Universidade Federal de Minas Gerais

Jezulino Lúcio Mendes Braga é doutor em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (2014) com período sanduíche na Universidade Autônoma de Barcelona. É coordenador do curso de Museologia da Escola de Ciência da Informação (UFMG). Integra o Mestrado Profissional Educação e Docência da Faculdade de Educação da UFMG. Pesquisa processos educativos em museus e práticas de memória no ensino de história. Membro do Grupo de Pesquisa Polis e Mnemosine: Cidade, Memória e Educação. Membro do MEIO (Museus, Educação, Imagens e Oralidades) e da Rede de Museus da UFMG.

Referências

BANN, Stephen. As invenções da História: ensaios sobre a representação do passado. São Paulo: UNESP, 1994.

BREFE, Ana Cláudia Fonseca. Museus históricos na França: entre a reflexão histórica e a identidade nacional. Anais do Museu Paulista, São Paulo: Nova Série, v. 5, p. 175-203, jan./dez. 1997.

BREFE, Ana Cláudia Fonseca. Comentário I: Museu, Imagem e Temporalidade. Anais do Museu Paulista. São Paulo, Nova Série, v. 15, n.2, p. 11-30, jul./dez. 2007.

COSTA, Lúcio. Documentação Necessária. Revista do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Rio de Janeiro: IPHAN, v. 1, p. 31-41, 1937.

COSTA, Lúcio. Registro de uma vivência. São Paulo: Empresa das Artes, 1995.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. Trad. de Luciano Vieira Machado. 3. ed. São Paulo: Estação Liberdade/Editora UNESP, 2006.

FIGUEREDO, Andréia Neves; MENEZES, Isabella Carvalho; ROSA, Ricardo Alfredo de Carvalho. Museu do Ouro. Brasília-DF: IBRAM, 2017.

GREENBLATT, Stephen. O novo historicismo: ressonância e encantamento. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v. 4, n. 8, p. 244-261, 1991.

GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. Usos da História: Refletindo sobre identidade e sentido. História em Revista, Pelotas, v. 6, p. 21-36, 2000.

GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. Memória, história e historiografia. In: BITTENCOURT, José Neves; BENCHETRIT, Sara Fassa; TOSTES, Vera Lúcia Bottrel (Org.). História representada: o dilema dos museus. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 2003, p. 77-92.

GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. Vendo o passado: representação e escrita da história. Anais do Museu Paulista. São Paulo: Nova Série, v. 15, n. 2, p. 11-30, jul./dez. 2007.

JULIÃO, Letícia. Apontamentos sobre a história do museu. In: Caderno de Diretrizes Museológicas. Brasília: MinC/Iphan/Departamento de Museus e Centros Culturais; Belo Horizonte: Secretaria de Estado da Cultura/Superintendência de Museus, 2006, p. 19-31.

JULIÃO, Letícia. O SPHAN e a cultura museológica no Brasil. Revista Estudos Históricos. Rio de Janeiro: FGV, v. 22, n. 43, p. 141-161, 2009.

MENEZES, Isabella Carvalho de. Os guardiões: jogo e teias de construção imaginativa no Museu do Ouro. Belo Horizonte. Faculdade de Educação/Universidade do Estado de Minas Gerais, 2016. Dissertação de mestrado em Educação. Disponível em: http://fae.uemg.br/dissertacoes/TD2017121391580.pdf. Acesso em: 23 mar 2020.

MOMIGLIANO, Arnaldo. O surgimento da pesquisa antiquária. In: MOMIGLIANO, Arnaldo. As raízes clássicas da historiografia moderna. Bauru: EDUSC, 2004. p. 20-51.

MONTALVÃO, Cláudia Soares de Azevedo. Visualizando o passado: museu e história. In: BITTENCOURT, José Neves; BENCHETRIT, Sara Fassa; TOSTES, Vera Lúcia Bottrel (Org.). História representada: o dilema dos museus. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 2003, p. 113-126.

POMIAN, Krzysztof. Coleção. Enciclopédia Einaudi. Lisboa: Imprensa Nacional, v. 3, p. 51-86, 1990.

POULOT, Dominique. O modelo republicano de museu e sua tradição. In: BORGES, Maria Eliza Linhares (Org). Inovações, Coleções, Museus. Belo Horizonte: Autêntica, 2011. p. 13-23.

RAMOS, Francisco Régis Lopes; MAGALHÃES, Aline Montenegro. De objetos a palavras: reflexões sobre exposições em Museus de História. In: BITTENCOURT, José Neves (Org.). Caderno de Diretrizes Museológicas. Belo Horizonte: Secretaria de Cultura de Minas Gerais, v. 2, p. 48-89, 2008.

Publicado
2020-06-16
Como Citar
BRAGA, J. L. M. Objetos nos Museus e ensino de história. Sæculum – Revista de História, v. 25, n. 42, p. 121-137, 16 jun. 2020.
Seção
Artigos