Doutor Feliciano André Gomes [1859-1927]

Notas preliminares sobre um tribuno negro em Pernambuco

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2021v26n44.55527

Palavras-chave:

Abolição, Associativismo, Feliciano André Gomes, Tributo Negro

Resumo

Muito se tem discutido sobre a atuação da população negra no movimento abolicionista brasileiro e no imediato pós-abolição. Descobriu-se que, apesar de todas as limitações impostas pelo sistema escravista e pelo racismo estrutural, a população negra esteve em evidência e transformou a realidade a partir de suas experiências mutualistas, fazendo uso de suas redes de proteção. Feliciano André Gomes, um dos filhos do africano livre Feliciano André Gomes da Costa, foi um homem negro que conseguiu, através do associativismo, dos estudos e da militância política, ascender política e socialmente. Entre o fim da escravidão (1888) e a Primeira República (1889-1930) conseguimos acompanhar a trajetória desse líder político e intelectual negro e suas atuações tanto no movimento abolicionista, quanto no movimento operário e intelectual em Pernambuco. Feliciano André Gomes foi um dos muitos homens negros que impuseram à sociedade o reconhecimento de suas habilidades, contradizendo as teorias raciais em voga. Veremos que, ao mesmo tempo em que Feliciano André Gomes fazia parte de uma “elite negra”, também representava categorias como escravizados e artífices, posteriormente chamados de operários ou “trabalhadores nacionais”, fazendo-se um líder das camadas populares. A nossa iniciativa, longe de querer esgotar o debate sobre a participação política da população negra entre a abolição e a primeira república, é a de acender uma tocha, através da vida de André Gomes, para que possamos desconstruiras imagens de anomia e de “bestialização”, que, durante muito tempo, recaiu sobre a população negra brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Bento Rosa da Silva, UFPE

Possui graduação em História pela Fundação do Pólo Regional do Vale do Itajaí (1985), mestrado em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1PUS-SP. 994) e doutorado em História pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE-2001). Atualmente é professor do programa de pós-graduação em História na UFPE. Membro fundador do NEAB-UFPE. Vinculado ao Centro De Estudos Africanos da Universidade do Porto(Portugal- 2002/2016) como investigador doutorado. Estágio pós-doutorado na Université Jean Jures - Mirail I [Toulouse- 2014-2015].  Membro do Núcleo de Estudos de Identidades e Relações Interétnicas da Universidade Federal de Santa Catarina. 

Arthur Danillo Castelo Branco de Souza, Universidade Federal de Pernambuco

Licenciado em História pela Universidade Federal de Pernambuco, Mestre em História (UFPE) e atualmente doutorando pela mesma instituição.

Referências

A Província. Recife. Edição n. 238. Ano: 1927.

A Província. Recife. Ed. 181. Ano: 1973.

A Província. Recife. Ed. 254. Ano: 1874.

A Província. Recife. Ed. 45. Ano: 1903.

Diário de Pernambuco. Recife. Ed. 100. Ano: 1870.

Diário de Pernambuco. Recife. Ed. 275. Ano: 1875.

Diário de Pernambuco. Recife. Ed. 53. Ano: 1878.

Diário de Pernambuco. Recife. Ed. 252. Ano: 1862.

Diário de Pernambuco. Recife. Ed. 75. Ano: 1977.

Diário de Pernambuco. Recife. Ed. 100. Ano: 1870.

Diário de Pernambuco. Recife. Ed. 137. Ano: 1885.

Diário de Pernambuco. Recife. Ed. 197. Ano: 1885.

Diário de Pernambuco. Recife. Ed. 100. Ano: 1870.

Diário de Pernambuco. Recife. Ed. 100. Ano: 1870.

Diário de Pernambuco. Recife. Ed. 50. Ano: 1903.

Diário de Pernambuco. Recife. Ed. 246. Ano: 1905.

Diário de Pernambuco. Recife. Ed. 138. Ano:1882.

Diário de Pernambuco. Recife. Ed. 18 Ano: 1882.

Diário de Pernambuco. Recife. Ed. 138. Ano: 1882.

Diário de Pernambuco. Recife. Ed. 196. Ano: 1888.

Diário de Pernambuco. Recife. Ed. 118. Ano: 1888.

Diário de Pernambuco. Recife. Ed.281. Ano: 1888.

Diário de Pernambuco. Recife. Ed. 196.Ano: 1888.

Diário de Pernambuco. Recife. Ed. 172. Ano: 1888.

Jornal do Recife. Recife. Edição n. 246. Ano: 1927.

Jornal do Recife. Recife. Edição n. 242. Ano: 1927.

Jornal do Recife. Recife. Edição n. 236. Ano: 1927.

Jornal do Recife. Recife. Ed. 41. Ano: 1887.

Jornal do Recife. Recife. Ed. 186. Ano: 1877.

Jornal do Recife. Recife. Edição n. 242. Ano: 1927.

Jornal do Recife. Recife. Ed. 71. Ano: 1886.

Jornal do Recife. Recife. Ed. 215. Ano: 1883.

Jornal do Recife. Recife. Ed. 281. Ano: 1884.

Jornal do Recife. Recife. Edição. 215.Ano: 1883

Jornal do Recife. Recife. Edição n. 246. Ano: 1891.

Jornal do Recife. Recife. Ed. 160. Ano: 1884.

Jornal do Recife. Recife. Ed. 266. Ano: 1884.

Jornal do Recife. Recife. Ed. 232. Ano: 1889.

Jornal do Recife. Recife. Ed. 08. Ano: 1885.

Jornal do Recife. Recife. Ed. 207. Ano: 1887.

Jornal do Recife. Recife. Ed. 209. Ano: 1887.

Jornal do Recife. Recife. Ed. 114. Ano: 1888.

Jornal de Recife. Recife. Ed. 27. Ano: 1880.

Jornal do Recife. Recife. Ed. 55. Ano: 1880.

Jornal do Recife. Recife. Ed. 190. Ano: 1880.19 de agosto de 1880. Nº 190.

Jornal do Recife. 3 de setembro de 1881. Nº 200.

Jornal do Recife. Recife. Edição n. 116. Ano: 1891.

Jornal do Recife. Recife. Ed. 51. Ano:1908.

Jornal do Recife. Recife. Edição:50. Ano: 1908.

Jornal de Aracajú. Aracajú. Ed. 930. Ano: 1878.

Jornal de Aracajú. Aracaju. Ed. 930. Ano: 1878.

Jornal Pequeno. Recife. Ed. 16. Ano: 1903.

Jornal Pequeno. Recife. E. 229. Ano: 1904.1.

Jornal Pequeno. Recife. Ed. 64. Ano: 1911.

ACERVO DIGITAL DA USP BRASILIANA BARRETO. Fernando de Castro Paes. Conferência Abolicionista no Teatro de Santa Isabel a 25 de março de 1885 mandada publicar pela Ave Libertas. Pernambuco: Tip. Apolo, 1885.

CEPE Digital. A Erudição. 1 de junho de 1884. Nº 1.

CEPE Digital. A Erudição. 11 de julho de 1884. Nº 1.

CEPE Digital. A Erudição. 28 de junho de 1884. Nº 2

JORNAL DO RECIFE (PE) – 1858-1938. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=705110&pesq=%22Feliciano%20Andr%C3%A9%20Gomes%22&pasta=ano%20192&pagfis=101891. Acesso em: 03 ago 2020.

REVISTA DA CIDADE, n. 47, 1927. Disponível em: https://www.fundaj.gov.br/geral/didoc/revistadacidade/revista_da_cidade_1927_n047.pdf. Acesso em: 20 jul. 2020.

ALONSO, Angela. Ideias em movimento: a geração 70 na crise do Brasil-Império. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

CASTILHO, Celso Thomas. Slave Emancipation and Transformations in Brazilian Political Citizenship. University of Pittsburgh, Pittsburgh. 2016.

CASTILHO, Celso; COWLING, Camillia. Bancando a liberdade, popularizando a política: abolicionismo e fundos locais de emancipação na década de 1880 no Brasil. Afro-Ásia, n. 47, p. 161-197, 2013.

COSTA, Valéria Gomes. Trajetórias Negras: Os libertos da Costa d’África no Recife (1846-1890). Salvador: Universidade Federal da Bahia. Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. História, 2013.

DANTAS, Carolina Vianna. Monteiro Lopes (1867-1910): um ‘líder da raça negra’ na capital da República. Salvador, Afro-Ásia, n. 41, p. 167-20, 2010.

DIAS, Rodrigo. Resenha de “Preconceito Racial de Marca e Preconceito Racial de Origem” de Oracy Nogueira. Sociologia e antropologia, 19 maio 2012, às 23h26. Disponível em: http://sociologiaeantropologia.blogspot.com/2012/05/resenha-de-preconceito-racial-de-marca.html. Acesso em: 21 jul. 2020.

DOMINGUES, Petrônio. “Vai ficar tudo preto”: Monteiro Lopes e a cor na política. Novos estud. – CEBRAP. N. 95, p. 59-81, 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-33002013000100004&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 18 set. 2020.

DOMINGUES, Petrônio. Cidadania por um fio: o associativismo negro no Rio de Janeiro (1888-1930). Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 34, n. 67, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbh/v34n67/a12v34n67.pdf. Acesso em: 18 set. 2020.

GINZBURG, Carlo. Mitos, Emblemas, Sinais. SP: Cia. das Letras, 1989.

GOMES, Flávio dos Santos. DOMINGUES, Petrônio (Org). Da nitidez e invisibilidade: legados do pós-emancipação no Brasil. Belo Horizonte: Fino Traço, 2013.

LOPES, Nei. Enciclopédia Brasileira Da Diáspora Africana. SP: Selo Negro, 2004.

MAC CORD, Marcelo. O rosário de D. Antônio: irmandades negras, alianças e conflitos na história social do Recife, 1848-1872. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2005.

MAC CORD, Marcelo. Redes de sociabilidade e política: mestres de obras e associativismo no Recife oitocentista. Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis. v. 2, n. 4, p. 109-125, 2010.

MAC CORD, Marcelo. A “união artística”: construção e legitimidade de uma entidade de classe, Recife, década de 1870. Revista Perseu. Nº 4, Ano 3, 2009.

MAMIGONIAN, Beatriz G. Africanos Livres: A abolição do tráfico de escravos no Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 2017.

NABUCO, José. O Arresto do Windhuk. 2. ed. Rio de Janeiro, 2003.

MATTOS, Marcelo Badaró. Trajetórias entre fronteiras: o fim da escravidão e o fazer-se da classe trabalhadora no Rio de Janeiro. Revista Mundos do Trabalho, v. 1, n. 1, p. 51-64, 2009.

MATTOS, Marcelo Badaró. Experiências comuns: escravizados e livres no processo de formação da classe trabalhadora no Brasil. ANPUH XXIV Simpósio Nacional de História. 2007. Disponível em: http://snh2007.anpuh.org/resources/content/anais/Marcelo%20Badar%F3%20Mattos.pdf Acesso em: 17 mar. 2021.

MELLO, Maria Tereza Chaves de. A República e o Sonho. Varia História, Belo Horizonte, v. 27, n. 45, p. 121-139, jan/jun. 2011.

SANTOS, Júlio César Pereira dos. “Preto no branco”: a trajetória do paraibano Elyseu Elias César no pós-abolição brasileiro (1871-1923). Dissertação de mestrado. UFPE, Recife. 2019.

NABUCO, José. O Arresto do Windhuk. 2. ed. Rio de Janeiro, 2003.

OZANAM, Israel. Capoeira e Capoeiras entre a Guarda Negra e a educação física no Recife. Dissertação de mestrado em História, PPGH-UFPE, 2013.

SOUZA, Felipe Azevedo e. A participação política das classes populares em três movimentos, Recife (c. 1880 – c. 1900). Tese de Doutorado. UNICAMP. Campinas. 2018.

SOUZA, Felipe Azevedo e. A blusa e a urna: metamorfoses do associativismo de trabalhadores em Pernambuco entre o Império e a República. Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis. v. 12, p. 1-18, 2020.

Downloads

Publicado

2021-07-29

Como Citar

SILVA, J. B. R. da; DE SOUZA, A. D. C. B. Doutor Feliciano André Gomes [1859-1927]: Notas preliminares sobre um tribuno negro em Pernambuco. Sæculum – Revista de História, [S. l.], v. 26, n. 44, p. 190–207, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2021v26n44.55527. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/srh/article/view/55527. Acesso em: 28 set. 2021.