O sistema de colonização de Edward Wakefield e o processo de elaboração da Lei de Terras no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2022v27n46.59785

Palavras-chave:

História do Brasil, Brasil Império, Lei de Terras, Edward Wakefield, Legislação fundiária

Resumo

No presente artigo, propõe-se discutir alguns aspectos da situação agrária do Brasil na primeira metade do século XIX, destacando a relação entre as ideias de Edward Gibbon Wakefield – pensador inglês oitocentista – e os principais institutos da lei de terras, promulgada em 1850. Para tal fim, analisa-se de que maneira os problemas da terra e da imigração de trabalhadores estiveram presentes na teoria de colonização sistemática de Wakefield e nos projetos dos parlamentares, observando as influências daquele modelo no processo de elaboração da lei de 1850. Assim, a análise do seu modelo revela-se importante seja para compreender os fundamentos dos dispositivos legais do texto promulgado, seja para situar o debate sobre as terras em meados daquele século. Tal discussão enseja importantes constatações no que se refere à mudança de paradigmas no Brasil, relacionados à nova ordem do país recém-independente, i.e., da própria redefinição progressiva do conceito de propriedade e do fortalecimento do modelo de propriedade absoluta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marco Volpini Micheli, Universidade de São Paulo

Atualmente cursa Doutorado em História Econômica na Universidade de São Paulo (PPGHE-USP). É Mestre em História Econômica, com bolsa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), licenciado e bacharel em História (USP; Universidade de Turim, Itália). Pesquisa e tem publicações nas áreas de História Moderna e do Império Português, História do Brasil (Colônia e Império) e História de São Paulo, com enfoque nos séculos XVIII e XIX.

Referências

Fontes

BRASIL. Anais das Câmaras dos Deputados. Sessão de 10 de junho de 1843. Disponível em https://bd.camara.leg.br/bd/handle/bdcamara/2.> Acesso em: 20 dez. 2021.

BRASIL. Anais do Senado do Império do Brasil. Sessão de 05 de setembro de 1848. Brasília: Senado Federal, 1978, pp 11 e ss.

PORTUGAL. Alvará de 5 de outubro de 1795. In: SILVA, Antonio Delgado da (Org.). Collecção da legislação portugueza: desde a ultima compilação das ordenações. Lisboa: Typografia Maigrense, 1828. Disponível em: <http://www.governodosoutros.ics.ul.pt/?menu=arquivo>. Acesso em: 20 dez. 2021.

PORTUGAL. Decreto de 10 de dezembro de 1795. In: SILVA, Antonio Delgado da (Org.). Collecção da legislação portugueza: desde a ultima compilação das ordenações. Lisboa: Typografia Maigrense, 1828. Disponível em: <http://www.governodosoutros.ics.ul.pt/?menu=arquivo>. Acesso em: 20 dez. 2021.

PORTUGAL. Decreto de 22 de janeiro de 1808. Colleção da legislação Portugueza desde a última compilação das Ordenações redigida pelo Desembargador Antonio Delgado da Silva, 1802-1820. Com licença da Meza do Paço, s.l.: Typografia Maigrense, 1828.

PORTUGAL. Alvará de 25 de janeiro de 1809. Colleção da legislação Portugueza desde a última compilação das Ordenações redigida pelo Desembargador Antonio Delgado da Silva, 1802-1820. Com licença da Meza do Paço, s.l.: Typografia Maigrense, 1828.

SILVA, José Bonifácio de Andrada e. Lembranças e apontamentos do governo provizorio da provincia de S. Paulo para os seus deputados, mandadas publicar por ordem de Sua Alteza Real, Principe Regente do Brasil; a instancias dos mesmos senhores deputados. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1821. Disponível em <<https://digital.bbm.usp.br/handle/bbm/4175 >>

Referências

ARRUDA, José Jobson de Andrade. Decadência ou crise do império luso-brasileiro: o novo padrão de colonização do século XVIII. Revista USP, São Paulo, n. 46, p. 66-78, 2000.

BELL, Duncan. John Stuart Mill on Colonies. In: Political Theory. SAGE Publishing, Inc., 2010.

CABRAL, Gustavo César Machado. Lei da Boa Razão e as fontes do direito: investigações sobre as mudanças no direito português do final do Antigo Regime. In: Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI. Fortaleza: 2017, p. 6114- 6126.

CIRNE LIMA, Ruy. Pequena história territorial do Brasil: sesmarias e terras devolutas. Porto Alegre: Liv. Sulina, 1954.

COSTA, Emília Viotti da. Da Monarquia à República. São Paulo: Editora Unesp, 2010.

DEAN, Warren. Latifundia and Land Policy in Nineteenth-Century Brazil. The Hispanic American Historical Review, vol. 51, n. 4, p. 606-625, 1971.

DI PIETRO, Maria Sylvia. Direito Administrativo. São Paulo: Atlas, 1965.

DIAS, Maria Odila Leite da Silva. A interiorização de metrópole e outros estudos. São Paulo: Alameda, 2009.

HILL, Lewis E.; CLARY, Betsy Jane. Adam Smith on Colonies: An analytical and historical interpretation. Forum for Social Economics, vol. 19, p. 45-54, 1990.

José Subtil, Portugal y la Guerra Peninsular. El maldito año 1808. Cuadernos de História Moderna, VII, p. 135-177, 2007.

JUNQUEIRA, Messias. Breve Introdução histórica ao direito territorial público brasileiro. Incra: Revista de Direito Agrário, v. 3, p. 17-22, 1975. Resolução n° 76 (Consulta Da Mesa Do Desembargo Do Paço), de 17 de julho de 1822.

KITTRELL, Edward. R. Wakefield's Scheme of Systematic Colonization and Classical Economics. The American Journal of Economics and Sociology, vol. 32, n. 1, p. 87-111, 1973.

LOURENÇO, André Luis Cabral et. al. O processo de acumulação na Economia Política Clássica: uma interpretação não convencional a partir da leitura dos ricos detalhes comumente inexplorados. In: Economia Ensaios. Uberlândia: Ed. Especial Cerrado Brasileiro, 2015.

MARX, Karl. O Capital – Crítica da Economia Política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, s/d.

MILL, James. Elements of Political Economy. Londres, 1821.

MOTTA, Márcia Maria Menendes. Direito à terra no Brasil. A gestação do conflito. 1795-1824. São Paulo: Alameda, 2012.

MOTTA, Márcia Maria Menendes. Nas fronteiras do poder: conflito e direito à terra no Brasil do século XIX. Rio de Janeiro: Vício de Leitura; Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro, 1998.

PAES, Mariana Armond Dias. Terras em contenda: circulação e produção de normatividades em conflitos agrários no Brasil Império. Rev. Fac. Direito UFMG, n. 74, p. 379-406, 2019.

POLLIG, João Victor. A transformação do direito no mundo moderno: um estudo analítico sobre a Lei da Boa Razão (1769). Fronteiras & Debates, v. 4, n. 1, p. 129-154, 2017.

ROBBINS, Lionel. Robert Torrens and the Evolution of Classical Economics. Nova York, Macmillan & Co. Ltd., 1958.

SILVA, Ligia Osorio. Terras devolutas e latifúndio. Campinas: Editora da Unicamp, 1996.

SMITH, Roberto. Propriedade da terra & Transição. Estudo da Formação da Propriedade Privada da Terra e Transição para o Capitalismo no Brasil. São Paulo: Editora Brasiliense, 2008.

SUBTIL, José. Portugal y la Guerra Peninsular. El maldito año 1808. Cuadernos de Historia Moderna, VII, p. 101-143, 2007.

TAYER NETO, Pedro Felippe; GONÇALVES NETO, João da Cruz. Direito Agrário e Velha República: uma análise da legislação e dos conflitos por terra a partir do romance “Tocaia Grande” de Jorge Amado. In: Direito, Arte e Literatura. XXII Encontro Nacional do CONPEDI / UNICURITIBA, 2013.

TELLES, José Homem Correia. Commentario crítico á Lei da Boa Razão, em data de 18 de agosto de 1769. Lisboa: Typografia de N. P. de Lacerda, 1824.

VARELA, Laura Beck. Das Sesmarias à Propriedade Moderna: Um Estudo de História do Direito brasileiro. Rio de Janeiro: Renovar, 2005.

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

MICHELI, M. V. O sistema de colonização de Edward Wakefield e o processo de elaboração da Lei de Terras no Brasil. Sæculum – Revista de História, [S. l.], v. 27, n. 46, p. 84–100, 2022. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2022v27n46.59785. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/srh/article/view/59785. Acesso em: 1 out. 2022.