Museus e Memórias Afro-diaspóricas no Sul do Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2022v27n46.61787

Palavras-chave:

Educação histórica, Identidade, Experiências dos sujeitos, Patrimônio, Educação hist´´órica, Exposição

Resumo

Este artigo objetiva apresentar possibilidades da educação histórica que tenham como temas o patrimônio e os objetos materiais, de modo a evidenciar as agências dos sujeitos negros no desenvolvimento de seus lugares de origem que, dificilmente, aparecem nas histórias oficiais. Na análise, é utilizada uma escrita de si (GOMES, 2004) redigida por representantes do Clube Negro Braço é Braço, da cidade de Rio Grande/RS, além de imagens alusivas à exposição “Palmares não é só um, são milhares”, realizada em 2021 no Museu Antropológico do Rio Grande do Sul (MARS), na cidade de Porto Alegre/RS, em homenagem aos 50 anos do dia 20 de novembro, data da consciência negra. Por meio de análise qualitativa das fontes, o estudo conclui que para compreender a trajetória das populações negras contra a colonialidade — para além do ensino da história realizado nas escolas ou das pesquisas dentro dos muros das universidades — deve-se dar atenção às atividades que, articuladas à outras fontes e vivências, permitam aguçar a relação entre o passado e o presente, com vistas a outras possibilidades para a aprendizagem histórica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arilson dos Santos Gomes, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

Professor do curso de Antropologia e Humanidades, professor permanente do Mestrado Interdisciplinar em Humanidades da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira – Unilab – e professor colaborador do Programa de Pós-Graduação em História, Culturas e Espacialidades da Universidade Estadual do Ceará.

Referências

Fontes

ACERVO SOCIEDADE BENEFICENTE FLORESTA AURORA, 2006.

CARTA DA COMISSÃO CULTURAL DO SESQUICENTENÁRIO FLORESTA AURORA, 2021, s/p.

Referências

ALBIERI, Sara. História pública e consciência histórica. In: ALMEIDA, Juniele Rabêlo de.; ROVAI, Marta Gouveia de Oliveira (orgs.). Introdução à história pública. São Paulo: Letra e Voz, 2011, p. 19-28.

BHABHA, Homi. O local da Cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

BERNARDINO-COSTA, Joaze. Decolonialidade, Atlântico Negro e intelectuais negros brasileiros: em busca de um diálogo horizontal. Revista Sociedade e Estado, vol. 33, n. 1, p. 119-137, 2018.

BITTENCOURT JÚNIOR, Iosvaldyr Carvalho. As representações do negro nos museus do Rio Grande do Sul são marcadas pela invisibilidade simbólica: do “resgate” afro-brasileiro às pesquisas histórico-antropológicas a às visibilidades negras na museologia. In: MATTOS, Jane Rocha de. Museus e Africanidades. Porto Alegre: EDIJUC, 2013, p. 13-53.

BRASIL. Lei 10.639/03. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira”.

BRASIL. Ministério da Educação/Secad. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana na educação básica, 2004.

BRASIL, Lei nº 11.645 de 10 de março de 2008. Inclui no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”.

BRASIL, Lei nº 12.711 de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio.

CAMPOS, Deivison Moacir Cezar. O Grupo Palmares (1971-1978): Um movimento negro de subversão e resistência pela construção de um novo espaço social e simbólico. Dissertação (Mestrado em História). Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2006.

CARNEIRO, Sueli. A Construção do Outro como Não-ser como fundamento do Ser. São Paulo: FUESP, 2005.

CRUZ, Matheus. Clubes Sociais Negros: memória e esquecimento no Clube Recreativo e Cultural Braço é Braço. (Rio Grande, RS, 1969 - 1992). Dissertação (Mestrado em Memória Social e Patrimônio Cultural). Pelotas: Universidade Federal de Pelotas, 2014.

CURY, Marília Xavier. Exposição, concepção, montagem, avaliação. São Paulo: Annablume, 2006.

DESVALLÉES, André; MAIRESSE, François. Conceitos-chave de museologia. Secretaria de Estado da Cultura do Estado de São Paulo, 2013.

ESCOBAR, Giane Vargas. Clubes sociais negros: lugares de memória, resistência negra, patrimônio e potencial. Dissertação (Mestrado em História). Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, 2010.

ESCOBAR, Giane Vargas; MARTINS, Larissa Pinto. Clube Social Negro 24 de Agosto: ressignificando um acervo fotográfico centenário na cidade de Jaguarão/RS. Revista Sillogés ANPUH-RS, v. 1, n. 2, p. 11-27, 2018.

FONSECA, Selva Guimarães. A avaliação do ensino e da aprendizagem Fazer e Ensinar História. Belo Horizonte: Dimensão, 2009.

GOMES, Ângela de Castro (org.). Escrita de si, escrita da História. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

GOMES, Arilson dos Santos. O Primeiro Congresso Nacional do Negro e a sua importância para a integração social dos negros brasileiros e a ascensão material da Sociedade Floresta Aurora. Revista Brasileira de História e Ciências Sociais, vol. 1, n. 1, p. 1-18, 2009.

GOMES, Arilson dos Santos. O universo das gentes do mar e a identidade negra nos discursos e práticas políticas de Carlos Santos (1959-1974). Tese (Doutorado em História). Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2014.

GOMES, Arilson dos Santos. “Ensino de História, Patrimônio e Práticas Educativas Decoloniais no Museu de Percurso do Negro de Porto Alegre”. Revista Fronteiras PPGH- UFGD, vol. 21, n. 38, p. 71-89, 2019.

GOMES, Arilson dos Santos. Por uma história decolonial. Revista Intellectus UERJ, v. 19, n. 2, p. 112-138, 2021.

GOMES, Arilson dos Santos. Escravidão e Pós-Abolição no Ceará: memórias e trajetórias das populações libertas na cidade de Redenção. Revista Crítica Histórica, vol. 12, n. 23, p. 189-221, 2021.

GOMES, Nilma Lino. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In: MEC (org.). Educação Anti-racista Caminhos Abertos pela Lei Federal nº 10.639/03. Coleção Educação Para Todos. Brasília: SECAD/MEC, 2005, p. 39-62.

GOMES, Nilma Lino. O movimento negro educador. Petrópolis: Vozes, 2017.

HELLER, Agnes. O cotidiano e a história. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

KRUPPA, Sonia M. Portella. Economia Solidária e Educação de Jovens e Adultos. Brasília: Inep/MEC, 2005.

JULIÃO, Letícia. Apontamentos sobre a história do museu. In: Caderno de Diretrizes Museológicas. Brasília, 2006, p. 17-30.

LIDDINGTON, Jill. O que é história pública? Os públicos e seus antepassados. In: ALMEIDA, Juniele Rabêlo de.; ROVAI, Marta Gouveia de Oliveira (orgs.). Introdução à história pública. São Paulo: Letra e Voz, 2011, p. 31-52.

LONER, Beatriz Ana. Classe Operária: Mobilização e Organização em Pelotas: 1888- 1937. Tese (Doutorado em Sociologia). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1999.

LODY, Raul. O negro no museu brasileiro. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 2005.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas: Florianópolis, v. 22, n. 3, p. 935-952, 2014.

MACHADO, Lizandra Maria Rodrigues; ZUBARAN, Maria Angélica. Representações racializadas de negros nos museus: o que se diz e o que se ensina. In: MATTOS, Jane Rocha de. Museus e Africanidades. Porto Alegre: EDIJUC, 2013, p. 137-156.

MAESTRI, Mário. O escravo gaúcho. Porto Alegre: Editora da Universidade – UFRGS, 1993.

MATTOS, Jane Rocha de. (org.). Museus e Africanidades. Porto Alegre: EDIJUC, 2013.

MBEMBE, Achille. Crítica da Razão Negra. Lisboa: Antígona, 2014.

MIGNOLO, Walter. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em Política. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, n. 34, p. 287-324, 2008.

MÜLLER, Liane Suzan. “As contas do meu rosário são balas de artilharia” – Irmandade, jornal e sociedades negras em Porto Alegre 1889-1920. Dissertação (Mestrado em História). Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 1999.

PAIXÃO, Cassiane de Freitas; LOBATO, Anderson O. C. (orgs.). Os clubes sociais negros no Estado do Rio Grande do Sul. Rio Grande: Ed. da FURG, 2017.

PAIXÃO, Cassiane de Freitas; SPOLLE, Marcus Vinicius. Clubes Sociais e espaços de Negritude. Anais do VI Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional. Florianópolis: UFSC, 2013, p. 1-9.

PEREIRA, Lúcia Regina Brito Pereira. Cultura e Afro-descendência: Organizações Negras e suas estratégias educacionais em Porto Alegre (1872-2002). Tese (Doutorado em História). Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2008.

PROGRAMA MONUMENTA PORTO ALEGRE. Brasília: IPHAN, 2010.

PORTARIA NORMATIVA MEC Nº 13, de 11 de maio de 2016. Dispõe sobre a indução de Ações Afirmativas na Pós-Graduação, e dá outras providências.

RÜSEN, Jörn. A Razão histórica. Brasília: UnB, 2001.

SACRISTÁN, J. Gimeno; GOMÉZ, Perez A.I. Compreender e transformar o ensino. Porto Alegre: ARTMED, 1998.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2009.

SANTOS, Carlos. Sucata. Porto Alegre: Livraria do Globo, 1937.

SILVA, Fernanda Oliveira da. Os negros, a constituição de espaços para os seus e o entrelaçamento desses espaços: associações e identidades negras em Pelotas (1820-1943). Dissertação (Mestrado em História). Porto Alegre: PPGH-PUCRS, 2011.

SILVA, Thiago Cedrez; GANDRA, Edgar Ávila; SIMÕES, Elvis Silveira. Nascer e viver: Rio Grande-RS, uma cidade Portuária. Revista História e Culturas, vol. 8, n. 15, p. 7-27, 2020.

SILVÉRIO, Valter Roberto. África Antiga. In: MOKHTAR, Gamal (ed.). História Geral da África., vol. II. Brasília: Unesco, 2013, p. 139-167.

TORRES, Nelson Maldonado. Mapping Decolonial Turn. Conferência. Berkeley, 2005.

VARGAS, Pedro Rubens. O Museu de Percurso do Negro na perspectiva de seus idealizadores: os militantes do Movimento Negro. In: MATTOS, Jane Rocha de. Museus e Africanidades. Porto Alegre: EDIJUC, 2013, p. 85-100.

VILASBOAS, Ilma Silva. Projeto Museológico e Museográfico. In: VILASBOAS, Ilma Silva, JÚNIOR, Iosvaldyr Carvalho Bittencourt, SOUZA, Vinicius Vieira de. (orgs.). Museu de Percurso do Negro em Porto Alegre. Porto Alegre: Ed. Porto Alegre, 2010, p. 75-103.

ZUBARAN, Maria Angélica. Os diferentes públicos do museu e a experiência de educação patrimonial no Museu de Porto Alegre José Joaquim Felizardo. In: FRAGA, Hilda Jaqueline; CARDOSO, Claudira do Socorro Ciniro; QUEVEDO, Éverton Reis; BARROSO, Véra Lúcia Maciel; SOUZA, Renata Cássia Andreoni de. (orgs.). Experimentações em lugares de memória. Porto Alegre: Selbach & Autores Associados, 2015, p. 198-215.

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

GOMES, A. dos S. Museus e Memórias Afro-diaspóricas no Sul do Brasil. Sæculum – Revista de História, [S. l.], v. 27, n. 46, p. 327–347, 2022. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2022v27n46.61787. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/srh/article/view/61787. Acesso em: 2 out. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Memória, patrimônio cultural e processos educativos: Diálogos e reflexões