O culto aos antepassados e a Tenrikyo: nova Religião Japonesa e seu templo como patrimônio cultural de Bauru

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2022v27n46.62067

Palavras-chave:

Imigração, Japoneses, Bauru, Patrimônio Cultural, Tenrikyo

Resumo

Este trabalho trata dos espaços religiosos nipônicos e do reconhecimento do templo Tenrikyo como Patrimônio Cultural da cidade de Bauru (SP). O culto público aos antepassados, realizado pelos nipônicos na cidade ocorreu a partir da organização e fundação tardia (1951) de templos budistas ou xintoístas, sendo que a imigração de japoneses para a cidade deu-se por volta de 1914. Para a compreensão desse processo, apresenta-se a constituição da identidade religiosa desses indivíduos por meio de valores, de práticas e do próprio culto aos antepassados – os quais constituem um patrimônio imaterial. Tal culto era realizado em oratórios domésticos no interior das residências, até a fundação e a organização do primeiro templo da Igreja Tenrikyo, que, na tessitura dos acontecimentos, tornou-se um patrimônio cultural dos bauruenses, contribuindo para manter e preservar a identidade dessa comunidade. Os pressupostos teóricos utilizados neste trabalho compreendem que a História Cultural permite diferentes abordagens e métodos, variando de acordo com o objeto de estudo e as fontes. Metodologicamente, utilizou-se nesta pesquisa reportagens publicadas no periódico Jornal da Cidade de Bauru, por meio eletrônico, no período de 2007 a 2015, e as Atas do Clube Cultural Nipo Brasileiro, de 1936 a 2008. A metodologia de investigação bibliográfica pautada nesses periódicos permitiu o acesso aos diversos setores da vida social, à disseminação de ideias e valores do cotidiano, às memórias, às ideologias e aos modos de pensar e agir, possibilitando, portanto, a compreensão de certas manifestações, de consolidações de valores e de leituras da cultura nipônica e da sociedade de Bauru.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosemeire D´Ávila, Universidade Estadual Paulista

Doutoranda em História pelo PPGH da Universidade Estadual Paulista/ UNESP. Mestre em História pela mesma Universidade. Especialista em História Social e Licenciada em História e em Filosofia pela Universidade do Sagrado Coração (USC). Licenciada em Pedagogia pela Universidade Nove de Julho (UNINOVE) e Professora da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo.

Referências

ABREU, Martha. Cultura Imaterial e Patrimônio Histórico Nacional. In: ABREU, Martha; SOIHET, Rachel; TEIXEIRA, Rebeca (org.). Cultura política, historiografia e ensino de história. Rio de Janeiro: José Olympio, 2010. p. 351-370.

ALVIM, Zuleika. Imigrantes: a vida privada dos pobres no campo. In: NOVAES, Fernando; SEVCENKO, Nicolau. História da vida privada no Brasil 3. República: da Bélle Epoque à Era do Rádio. São Paulo: Cia das Letras, 1998. p. 259-261.

BALDUS, Herbert; WILLEMS Emílio. Casas e Túmulos Japoneses no Vale da Ribeira de Iguape. Revista do Arquivo Municipal, v. 7, n. 77, 1941.

BENEDICT, Ruth. O Crisântemo e a Espada: padrões da cultura japonesa. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2019.

CHARTIER, Roger. A história Cultural entre práticas e representações. Tradução de Maria Manuela Gafhardo. 2. ed. São Paulo: DIFEL, 2002, p. 16-17.

CHOAY, Françoise. A alegoria do Patrimônio. São Paulo: UNESP, 2006.

CLUBE Cultural Nipo-Brasilieiro de Bauru. Edição Comemorativa do Centenário da Imigração Japonesa. São Manoel SP: Grafilar, 2010.

CODEPAC. Conselho de Defesa do Patrimônio Cultural de Bauru. Decreto 9.397, de 14 de março de 2003. Disponível em https://sites.bauru.sp.gov.br/copac/bem_detalhes.aspex?id=26. Acesso em16 de jun. 2021.

DEZEM, Rogério. Um exemplo singular de política imigratória: subsídios para compreender o processo de formação dos núcleos pioneiros de colonização japonesa no Estado de São Paulo (1910-1930). PROIN – Projeto Integrado - Arquivo Público do Estado e Universidade de São Paulo, São Paulo, s/d. Disponível em: http://www.usp.br/proin/download/artigo/artigo_politica_imigratoria.pdf. Acesso em: 10 out. 2021.

ELIADE, Mircea. O Sagrado e o Profano: A Essência das Religiões. São Paulo: Martins Fontes, 2001. p.17-19.

FERNANDES, Vinicius. 5 curiosidades sobre a igreja Tenrikyo em Bauru. Social Bauru, Bauru, 18 jan. 2021. Fotografias. Disponível em: https://www.socialbauru.com.br/2021/01/08/5-curiosidades-sobre-a-igreja-tenrikyo-em-bauru/. Acesso em: 10 jul. 2021.

FERRARI, Wanessa. Tradições milenares: um presente do Japão a Bauru. Jornal da Cidade, Bauru, 18 jul. 2010. Disponível em: https://www.jcnet.com.br/noticias/bairros/2010/07/576661-tradicoes-milenares-um-presente-do-japao-a-bauru.html. Acesso em: 16 jun. 2021.

FRÉDÉRIC, Louis. O Japão: Dicionário e Civilização. São Paulo: Globo, 2008.

HALL, Stuart. A identidade Cultural na Pós-Modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HANDA, Tomoo. O imigrante japonês. História de sua vida no Brasil. SP: Editora Tao, 1987.

HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence. (org.). A invenção das Tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

ISHIKAWA, Giro. Tenri não sofreu com terremotos. [Entrevista cedida a] Vitor Oshiro, Bruna Dias e Mariana Cerigatto. Jornal da Cidade, Bauru, Geral, 19 mar. 2011. Disponível em: https://www.jcnet.com.br/noticias/geral/2011/03/329213-tenri-nao-sofreu-com-os-terremotos.html. Acesso em: 16 jun. 2021.

ISHIKAWA, Giro. Japão também é aqui. [Entrevista concedida a] GODOY, Felipe Eugênio Troiano de; MACHADO, Carlonia, Seiko. Caderno especial sobre a cultura japonesa em Bauru. Memorial do Projeto Experimental. Unesp Bauru, Faculdade de Arquitetura, Artes, Comunicação e Design, 2014.

JAPIASSÚ, Hilton; MARCONDES, Danilo. Dicionário Básico de Filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008. p. 239.

KOSAKA, Júlio. Tradições Milenares: um presente do Japão à Bauru. [Entrevista cedida a] Wanessa Ferrari. Jornal da Cidade, Bauru, Bairros, 18 jul. 2010. Disponível em: http://www.jcnet.com.br/noticias/bairros/2010/07/576661-tradições-milenares-um-presente-do-apão-a-bauru.html. Acesso em: 16 jun. 2021.

LESSER, Jeffrey. A Negociação da Identidade Nacional: imigrantes, minorias e a luta pela etnicidade no Brasil. São Paulo: Editora Unesp, 2001.

LESSER, Jeffrey. A invenção da brasilidade: identidade Nacional, Etnicidade e Políticas de Imigração. São Paulo: Editora Unesp, 2015.

MACHADO, Carolina Seiko; GODOY, Felipe Eugênio Troiano de. O Japão também é aqui. Caderno especial sobre a cultura japonesa em Bauru. Memorial do Projeto Experimental. Unesp Bauru, Faculdade de Arquitetura, Artes, Comunicação e Design, 2014.

MORAES, Wenceslau de. O Bom Odori em Tokushima. Cadernos de Impressões Íntimas. Livros de Bordo, Portugal, 2018.

NAKAMINE, Shozo. Tenri não sofreu com terremotos. [Entrevista cedida a] Vitor Oshiro, Bruna Dias e Mariana Cerigatto. Jornal da Cidade, Bauru, Geral, 19 mar. 2011. Disponível em: https://www.jcnet.com.br/noticias/geral/2011/03/329213-tenri-nao-sofreu-com-os-terremotos.html. Acesso em: 16 jun. 2021.

NORA, Pierre. Entre a Memória e a História: a problemática dos lugares. Projeto História, São Paulo, v.10, p. 7-28, dez. 1993.

NUNES, Gabriel Pinto. A Ética Samurai e a Construção de uma Nação: a apresentação da Ética Oriental Moderna na obra de Inazo Nitobe. In: VII Seminário de pós-graduação em Filosofia da UFSCAR. São Carlos: UFSCAR, 2011. p. 214-226.

OKADA, Kazuo Fábio. Recordações de um fragmento da história da imigração japonesa no Brasil. RURIS (Revista do Centro de Estudos Rurais), São Paulo, v. 6, n. 1, p. 75-106, março 2012.

OTAKE, Eduardo Yoshinobu. Um pedacinho do Japão vive aqui. Gastronomia, tradição, religião e os olhos puxados dos orientais já fazem parte do cenário de Bauru. [Entrevista cedida a] Wanessa Ferrari. Jornal da Cidade, Bauru, Bairros, 17 jun. 2011. Disponível em: http://www.jcnet.com.br/noticias/bairros/2012/06/346437-um-pedacinho-do-japao-vive-aqui.html. Acesso em: 20 jan. 2021.

PADEN, William. Interpretando o Sagrado: modos de conceber a Religião. São Paulo: Paulinas, 2004, p. 64.

PEREIRA, Ronan Alves. O Budismo japonês: sua história, modernização e transnacionalização. Ponto de Encontro de Ex Fellows, São Paulo: Fundação Japão, v. 1, p. 1-28, 2006. Disponível em: https://fjsp.org.br/estudos-japoneses/wp-content/uploads/sites/3/2011/03/artigo-budismo-ronan1.pdf. Acesso em: 25 out. 2021.

ROCHA, Joanes da Silva. O chá e a Cruz: a essência estética japonesa do Wabi-sabi na descrição da Cerimônia do Chá na obra de João Rodrigues Tçuzu. Orientador: Maria Eurydice de Barros Ribeiro. 2015. 60 f. Monografia (Trabalho de conclusão de curso - graduação) – Instituto de Humanas – Departamento de História, Universidade de Brasília, 2015.

SAKURAI, Célia. Imigração japonesa para o Brasil: um exemplo de imigração tutelada-1908-1941. In: XXII Encontro Nacional da ANPOC - GT 9. Migrações Internacionais. Minas Gerais: Caxambú, 1998. p. 1-20.

SAKURAI, Célia. Imigração Tutelada: os japoneses no Brasil. Orientador: Mariza Corrêa. 2000. 191 p. Tese (Doutorado em Antropologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas – Unicamp, Campinas, 2000.

SAITO, Hiroshi; MAEYAMA, Takashi. (org.). Assimilação e integração dos japoneses no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1973.

SATO, Futaro. Tenri não sofreu com terremotos. [Entrevista cedida a] Vitor Oshiro, Bruna Dias e Mariana Cerigatto. Jornal da Cidade, Bauru, Geral, 19 mar. 2011. Disponível em: https://www.jcnet.com.br/noticias/geral/2011/03/329213-tenri-nao-sofreu-com-os-terremotos.html. Acesso em: 16 jun. 2021.

SILVA, Alexandra Begueristain da; SOARES, André Luís Ramos. Os oratórios domésticos: lugares de memória para os imigrantes japoneses em Santa Maria/RS. Patrimônio e Memória, São Paulo, Unesp, v.13, n.1, p. 179-200, jan-jun, 2017. Disponível em: https://pem.assis.unesp.br/index.php/pem/article/view/617. Acesso em 16 jun. 2021.

TAZAWA, Yutaka; OKUDA, Shunsuke; MATSUBARA, Saburo. História cultural do Japão: uma perspectiva. Tóquio: Ministério dos Negócios Estrangeiros do Japão, 1973.

TENRIKYO. Igreja Tenrikyo de Dendotyo. Sede Missionária do Brasil. Disponível em: https://www.tenrikyo.org.br/home. Acesso em: 16 jun. 2021.

TOMITA, Andréa Gomes Santiago. Conversão e Consumo Religioso nas Novas Religiões Japonesas: a Igreja Messiânica e a Perfect Liberty. In: XIII Jornadas sobre alternativas religiosas na América Latina. Rio Grande do Sul, 2005. p. 7-18.

YANABA, Kazuo. Um pedacinho do Japão vive aqui. Gastronomia, tradição, religião e os olhos puxados dos orientais já fazem parte do cenário de Bauru. [Entrevista cedida a] Wanessa Ferrari. Jornal da Cidade, Bauru, Bairros, 17 jun. 2012. Disponível em: http://www.jcnet.com.br/noticias/bairros/2012/06/346437-um-pedacinho-do-japao-vive-aqui.html. Acesso em: 20 jan. 2021.

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

D´ÁVILA, R. O culto aos antepassados e a Tenrikyo: nova Religião Japonesa e seu templo como patrimônio cultural de Bauru. Sæculum – Revista de História, [S. l.], v. 27, n. 46, p. 348–367, 2022. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2022v27n46.62067. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/srh/article/view/62067. Acesso em: 2 out. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Memória, patrimônio cultural e processos educativos: Diálogos e reflexões