A risível Reforma Agrária de Sarney

o desenho de humor e a crônica política no Jornal dos Trabalhadores Sem Terra (1985-1988)

Autores

  • Alberto Rafael Ribeiro Mendes Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6725.2022v27n47%20(jul./dez.).62493

Palavras-chave:

Reforma Agrária, MST, Charge, JST, Nova República

Resumo

Este artigo analisa o discurso político do MST sobre a reforma agrária no governo do presidente José Sarney através das charges publicadas no Jornal dos Trabalhadores Sem Terra – JST. Trata-se de pensar os usos do desenho de humor na produção uma crítica e uma oposição do MST aos descaminhos da política fundiária de Sarney, além de analisar as formas de representação do presidente, tão risível quanto sua reforma agrária. As charges foram fundamentais na produção de críticas ao programa de reforma agrária da Nova República, além de se tornar arma poderosa no trabalho de denúncia dos recuos do governo, dos conchavos com o setor latifundiário e da falta de compromisso dos parlamentares com a democratização da terra. As charges selecionadas representam José Sarney como presidente frágil, mentiroso e aliado aos fazendeiros, logo, um entrave à democratização da sociedade e da terra no Brasil. Além do JST, outros jornais como o Correio Brazielense e o Jornal do Brasil servem de fonte para este estudo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alberto Rafael Ribeiro Mendes, Universidade Federal do Ceará

Doutorando em História pelo Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Ceará – UFC. Professor da rede de Ensino do Estado do Ceará e colunista do site História da Ditadura – HD.

Referências

Fontes

Correio Braziliense.

Jornal do Brasil.

Jornal dos Trabalhadores Sem Terra.

SNI. Congresso Brasileiro Sobre Reforma Agrária. Dossiê, 1985.

Revista Reforma Agrária.

Revista Veja.

MST. A Constituinte interessa aos trabalhadores rurais? 1985.

CPT. Constituinte, Constituição: vamos participar, 1985.

CPT. Intervenção perante a Sub-comissão de Reforma Agrária e Política Agrícola do Congresso Constituinte. Goiânia, 6 mai. 1987.

Referências

BEZERRA, Antonio Alves. Na luta pela terra - expressões e escritos: o Jornal dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (1981 – 2001). Maceió: Edufal, 2015.

CALDART, Salete Roseli. Pedagogia do movimento sem-terra. São Paulo: Expressão Popular, 2004.

ECHEVERRIA, Regina. Sarney: a biografia. São Paulo: Leya, 2011.

FACHIN, Luiz Edson. O direito e o avesso na reforma agrária da Nova República, era esse o título do texto. Revista Reforma Agrária, ano 15, n. 3, p. 13-63, 1985.

GINZBURG, Carlo. Medo, reverencia, terror: quatro ensaios de iconografia política. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

HARTOG, François. Evidência da história: o que os historiadores veem. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2017.

LEVÍN, Florencia. Do lado de cá e do lado de lá da “resistência”: o humor gráfico do jornal Clarin durante os anos da última ditadura militar argentina. In: MOTTA, Rodrigo Patto Sá. (org.). Ditaduras militares: Brasil, Argentina, Chile e Uruguai. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2015.

MARTINS, José de Souza. A reforma agrária e os limites da democracia na “Nova República”. São Paulo: HUCITEC, 1986.

MARTINS, José de Souza. A militarização da questão agrária no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1984.

MARTINS, José de Souza. O poder do atraso: ensaios de Sociologia da história lenta. São Paulo: Editora HUCITEC, 1994.

MEDEIROS, Leonilde Servolo de. (org.). Ditadura, conflito e repressão no campo: a resistência camponesa no estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Consequência, 2018.

MEDEIROS, Leonilde Servolo de. O regime empresarial-militar e a questão agrária no Brasil. In: FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucilia de Almeida Neves (orgs.). O Brasil republicano: o tempo do regime autoritário: ditadura militar e redemocratização: quarta república (1964-1985). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2019, p. 179-207.

MENDES, Alberto Rafael Ribeiro. Lembrar os mortos em combate pela terra: o MST reivindica a memória das vítimas da ditadura. Clio, Recife, vol. 38, n. 1, p. 501-525, 2020.

MENESES, Ulpiano T. Bezerra. Fontes visuais, cultura visual, história visual: balanço provisório, propostas cautelares. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 28, n. 45, p. 11-36, 2003.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Em guarda contra o perigo vermelho: o anticomunismo no Brasil (1917-1964). Niterói: Eduff, 2020.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Jango e o golpe de 1964 na caricatura. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2006.

SAFATLE, Vladimir. O circuito dos afetos: corpos políticos, desamparo e o fim do indivíduo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

SILVA, José Gomes da. Buraco negro: a reforma agrária na Constituinte. São Paulo: Paz e Terra, 1989.

SILVA, José Gomes da. Reforma agrária na Constituição Federal de 1988: uma avaliação crítica. Revista Reforma Agrária, ano 18, n. 2, p. 14-17, 1988.

SILVA, José Graziano da. O “Pnarex”, aquele que parece o PNRA, mas não é. Revista Reforma Agrária, ano 15, nº 3, p. 13-63, 1985.

STEDILE, João Pedro. Programas de reforma agrária: 1946 – 2003. São Paulo: Expressão Popular, 2005.

Downloads

Publicado

2023-02-25

Como Citar

MENDES, A. R. R. A risível Reforma Agrária de Sarney: o desenho de humor e a crônica política no Jornal dos Trabalhadores Sem Terra (1985-1988). Sæculum – Revista de História, [S. l.], v. 27, n. 47 (jul./dez.), p. 153–176, 2023. DOI: 10.22478/ufpb.2317-6725.2022v27n47 (jul./dez.).62493. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/srh/article/view/62493. Acesso em: 2 jun. 2023.