EDUCAÇÃO COMO UM ATO POLÍTICO: AS CIRANDAS INFANTIS DO MST

Autores

  • Márden de Pádua Ribeiro PUC MG
  • Teodoro Adriano Costa Zanardi PUCMG
  • Luana França Oliveira Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Belo Horizonte

Resumo

O presente artigo tem o objetivo principal de analisar as cirandas infantis do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra como um símbolo de educação política, inserida no projeto educacional do Movimento. Concebe a educação centrada no trabalho, na dimensão de classe e pautada em valores coletivos, críticos à desigualdade social legitimada pelo capital e em busca de uma transformação da sociedade. Além de perpassar o histórico do MST, este trabalho defende as cirandas infantis como parte crucial da educação política do Movimento. Do ponto de vista metodológico, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, amparada, sobretudo, por Freire (2013), Caldart (2004), Rosseto (2009), Roseno (2010), Luedke (2013), Vargas (2011) e MST (1996, 2004, 2010). A temática justifica-se devido à importância de se repensar a Educação como um espaço de resistência e uma alternativa para a sociedade desigual e excludente, legitimadas pelo sistema capitalista.

Palavras-chave: MST. Cirandas. Educação Política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márden de Pádua Ribeiro, PUC MG

MESTRANDO EM EDUCAÇÃO - PUC MG

Professor do curso de Pedagogia - FACISABH

Teodoro Adriano Costa Zanardi, PUCMG

Doutor em Educação

Professor Mestrado e Doutorado em Educação da PUCMG

Luana França Oliveira, Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Belo Horizonte

Graduanda em Pedagogia - FACISABH

Referências

ALVES, Suzy de Castro. As experiências educativas das crianças no acampamento Índio Galdino do MST. 2001. 234f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2001.

ARENHART, Deise. Infância, educação e MST: quando as crianças ocupam a cena. Chapecó: Argos, 2007.

BRASIL. Ministério de Educação e Desporto. Lei de diretrizes e bases da educação nacional n° 9394/96. Brasília, 1996.

CALDART, Roseli Salete. Pedagogia do Movimento Sem Terra: escola é mais do que escola. Petrópolis: Vozes, 2004.

CASAGRANDE, Nair. A pedagogia socialista e a formação do educador do campo no século XXI: as contribuições da pedagogia da terra. 2007. 293f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2007.

CORREIA, Luciana Oliveira. Os Filhos da Luta pela Terra: as crianças do MST. Significados atribuídos por crianças moradoras de um acampamento rural ao fato de pertencerem a um movimento social. 2004. 106f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2004.

FERNANDES, Bernardo Mançano. A formação do MST no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

FREIRE, Paulo. SHOR, Ira. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 35. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 2013.

LUEDKE, Ana Marieli dos Santos. A formação da criança e a ciranda infantil do MST (movimento dos trabalhadores rurais sem terra). 2013. 182f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-graduação da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do partido comunista. São Paulo: Novos Rumos, 1986.

MORISSAWA, Mitsue (Org.). A história da luta pela terra e o MST. São Paulo: Expressão Popular, 2001.

MST. Elementos sobre a teoria da organização no campo. Caderno de Formação, São Paulo, n. 11, 1986.

MST. Princípios de educação do MST. Cadernos de educação, São Paulo, n. 8, 1996.

MST. Educação Infantil: Movimento da vida, Dança do Aprender. Caderno de Educação, São Paulo, n. 12, nov. 2004.

MST. Lutas e conquistas, São Paulo: [s.n.], 2010

ROSENO, Sonia Maria. O Curso de Licenciatura em Educação do Campo: pedagogia da terra e a especificidade da formação dos educadores e educadoras do campo de Minas Gerais. 2010. 157f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, 2010.

ROSSETO, Edna Rodrigues Araújo. Essa ciranda não é minha só, ela é de todos nós: a educação das crianças sem terrinha no MST. 2009. 187f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009.

VARGAS, Luiz Américo Araújo. Por uma pedagogia da luta e da resistência: a educação como estratégia política no MST. 2011. 291f. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

Downloads

Publicado

2015-12-29

Como Citar

RIBEIRO, M. de P.; ZANARDI, T. A. C.; OLIVEIRA, L. F. EDUCAÇÃO COMO UM ATO POLÍTICO: AS CIRANDAS INFANTIS DO MST. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 24, n. 2, p. 10–27, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rteo/article/view/24365. Acesso em: 17 jan. 2022.

Edição

Seção

ARTIGO DE REVISÃO