MULHER NEGRA NA LITERATURA: A PALAVRA COMO INSTRUMENTO DE LUTA E RESISTÊNCIA

BLACK WOMEN IN LITERATURE: THE WORD AS AN INSTRUMENT OF STRUGGLE AND RESISTANCE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2359-7003.2020v29n3.53133

Palavras-chave:

Mulher Negra, Literatura, Identidade, Resistência

Resumo

O presente artigo pretende discutir como a literatura tem sido utilizada enquanto mecanismo de luta e resistência por mulheres negras, de modo a evidenciar diferentes caminhos e temáticas que permeiam tal utilização. Nesse âmbito, propomos uma reflexão sobre as vozes que se fazem presentes na escrita literária a partir do lugar de fala das escritoras, de suas experiências individuais e coletivas. Em seguida, realizamos uma análise de como as autoras, em suas produções, abordam questões relacionadas às identidades, ao empoderamento, às lutas e resistências da mulher negra. Historicamente, a mulher negra foi colocada à margem das ordens estabelecidas pelo sistema patriarcal, desse modo, o movimento para dar visibilidade a textos literários de mulheres negras é fundamental para desconstruir o discurso dominante e para o reconhecimento das potencialidades femininas negras. Assim, o crescimento de autorias femininas negras contemporâneas na esfera literária evidencia a busca pela “descolonização” da literatura, utilizando-a como meio de existência identitária e de busca pela igualdade de direitos. Como metodologia para a escrita, realizamos pesquisa bibliográfica, a partir de diferentes autores como: Chimamanda Adichie (2009); Evaristo (2014); Davis (2016); Soares (2006) Osana Zolin (2009); Candido (2002); Facina (2004); Cercas (2020); Ribeiro(2017); Zolin (2009); Guimarães(1998); Jesus( 2000); Rufino( 1988) e Santana(2015).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cecília Moreira Soares, UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA- UNEB

Licenciatura em História pela Universidade Católica de Salvador, Mestrado em História Social pela Universidade Federal da Bahia, Doutorado em Antropologia pela Universidade Federal de Pernambuco-UFPE e Doutorado sanduíche pela Universidad de Salamanca - Espanha. Professora Titular da Universidade do Estado da Bahia -UNEB, atuando no Departamento de Educação Campus I. Docente no Programa de Pós Graduação - Mestrado em Museologia da Universidade Federal da Bahia.

Grácia Lorena da Silva Jorge, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Graduada em Letras/Português pela Universidade Estadual de Montes Claros – UNIMONTES. Professora de Língua Portuguesa do Ensino básico, técnico e tecnológico do Instituto Federal do Norte de Minas Gerais - IFNMG. Mestranda em Educação pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – UESB.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. O perigo de uma história única. Tradução de Erika Rodrigues. Revisão de Belucio Haibara. Nova York: TED, 2009. Disponível em: https://www.ted.com/talks/ chimamanda_adichie_the_danger_of_a_single_story/transcript? language=pt-br Acesso em: 17 abr. 2020.

CADERNOS NEGROS 25: poemas afro-brasileiros. (Org. Esmeralda Ribeiro e Márcio Barbosa). São Paulo: Quilombhoje, 2004, n.25. Disponível em: https://docobook.com/literatura-afro-brasileira-algumas-reflexoes-a.html Acesso em: 16 abr. 2020.

CANDIDO, Antonio. O direito à Literatura. In:______. Vários Escritos. São Paulo: Duas Cidades, 1988.

CANDIDO, Antonio. A literatura e a formação do homem. In: _____. Textos de intervenção. São Paulo: Duas Cidades/Ed. 34, 2002.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Estudos Avançados, v. 17, n. 49, 2003.

CERCAS, Javier. A literatura cria gente livre. TAG – Experiências literárias, 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=9kWGZ4WlVVE Acesso em: 17 abr. 2020.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

EVARISTO, Conceição. Gênero e etnia: uma escre(vivência) de dupla face. In: MOREIRA, Nadilza Martins de Barros; SCHNEIDER, Liane (Org.). Mulheres no mundo. Etnia, marginalidade e diáspora. João Pessoa: Ed. Universitária; Ideia, 2005.

EVARISTO, Conceição. Becos da memória. Belo Horizonte: Mazza, 2006.

EVARISTO, Conceição. Da grafia-desenho de minha mãe um dos lugares de nascimento da minha escrita. In: ALEXANDRE, Marcos Antônio (Org.). Representações performáticas brasileiras: teorias, práticas e suas interfaces. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2007.

EVARISTO, Conceição. Olhos d’água. Rio de Janeiro: Pallas: Fundação Biblioteca Nacional, 2014.

FACINA, Adriana. Literatura e sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2004.

GINZBURG, J. Literatura e direitos humanos: notas sobre um campo de debates. In: UMBACH, R. K. (Org.). Memórias da repressão. Santa Maria: UFSM/PPGL-Editores, 2008, p. 18.

GUIMARÃES, G. A cor da ternura. 12 ed. São Paulo: FTD, 1998.

JESUS, Carolina Maria de. Quarto de despejo. 8 ed. São Paulo: Ática, 2000.

RIBEIRO, Esmeralda. Ressurgir das cinzas. In: RIBEIRO; Esmeralda; BARBOSA, Marcio (Orgs.) Cadernos Negros. São Paulo: Quilombhoje, 2004, p. 63.
RIBEIRO, Matilde. (2008). Mulheres negras: uma trajetória de criatividade, determinação e organização. Revista Estudos Feministas, 16(3), 9871004. https://dx.doi.org/10.1590/S0104026X2008000300017
RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte (MG): Letramento; Justificando, 2017. (Feminismos Plurais)

RUFINO, Alzira. Eu, mulher negra, resisto. Santos: Edição da Autora, 1988.

SANTANA, Bianca. Quando me descobri negra. São Paulo: SESI-SP, 2015.

SANTANA, Bianca. Bianca Santana, a pesquisadora que busca romper o silenciamento das mulheres negras. HuffPost Brasil: 19 mar. 2018. Disponível em: https://www.huffpostbrasil.com/2018/03/19/bianca-santana-a-pesquisadora-que-busca-romper-o-silenciamento-das-mulheres-negras_a_23389499/ Acesso em: 16 abr. 2020.

SOARES, Cecilia C. Moreira. Mulher Negra na Bahia no Século XIX. Salvador, EDUNEB/Fundação Palmares, 2006.

SOBRAL, Cristiane. Só por hoje vou deixar meu cabelo em paz. Taguatinga, DF: Ed. Teixeira, 2014.

ZOLIN, L. O. Literatura de Autoria Feminina. In: BONNICI, Thomas e ZOLIN, Lúcia Osana (Org.) Teoria Literária: Abordagens Históricas e Tendências Contemporâneas. 3ª ed. Maringá: Eduem, 2009.

Downloads

Publicado

2020-09-30

Como Citar

SOARES, C. M.; LORENA DA SILVA JORGE, G. MULHER NEGRA NA LITERATURA: A PALAVRA COMO INSTRUMENTO DE LUTA E RESISTÊNCIA: BLACK WOMEN IN LITERATURE: THE WORD AS AN INSTRUMENT OF STRUGGLE AND RESISTANCE. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 29, n. 3, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.2359-7003.2020v29n3.53133. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rteo/article/view/53133. Acesso em: 24 set. 2021.