POR UMA PEDAGOGIA DECOLONIAL CONTRA A DOCILIZAÇÃO DE CORPOS, INVASÃO CULTURAL E DESPROBLEMATIZAÇAO DA EDUCAÇÃO NO PROJETO DA ESCOLA CÍVICO-MILITAR

FOR A DECOLONIAL PEDAGOGY AGAINST CORPORAL DOCILIZATION, CULTURAL INVASION AND DEPROBLEMATIZATION OF THE EDUCATION IN THE PROYECTO MILITARY SCHOOLS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2359-7003.2020v29n3.55994

Palavras-chave:

Escola Cívico-Militar, Docilização de corpos, Invasão cultural, Pedagogia Decolonial

Resumo

O artigo apresenta um ensaio analítico sobre a militarização das escolas públicas brasileiras, sob o enfoque da lente da docilização de corpos, invasão cultural e desproblematização. O Programa das Escolas Cívico-Militares – PECIM instituído pelo Decreto nº 10.004/2019 aglutina-se em torno de uma agenda conservadora, especialmente no que diz respeito ao apreço pela padronização, disciplinarização, docialização de corpos (FOUCAULT, 1987), invasão cultural (FREIRE, 1987), particularismo no campo das ideias, negação do papel social da escola, educação como processo a-social e a-histórico. Com o intuito de (re) existir esse projeto colonizador, este estudo defende a pedagogia decolonial como pressuposto pedagógico-político que desestrutura as amarras ideológicas ocultadas nesse projeto. Subsidiado por essas questões, o presente estudo tem a intenção de desvelar as intencionalidades ideológica, política, cultural e epistêmica das escolas cívico-militares no Brasil. O estudo se pauta numa proposta de metodologia qualitativa, ancorada na análise documental, que utiliza dados provindos de fontes primárias, as quais ainda não receberam tratamento analítico, tais como leis, resoluções, pareceres e outros. Assim, se torna urgente a condução de estudos e pesquisas que possam denunciar o projeto de desmonte na educação, a partir de uma diretriz ideológica centrada nas ideias conservadoras e autoritárias, conduzido a uma reconversão curricular colonial e militarizada nas escolas públicas.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Daiane Nunes Mascarenhas, UNEB

Possui graduação em Licenciatura Em Pedagogia (UEFS, 2006), Especialização em Educação Especial (UEFS, 2008), Mestre pela Universidade Federal da Bahia (2011) e Doutorado pela UFBA (2015). Atualmente é docente na Universidade Estadual da Bahia, Campus V, Colegiado de História. Atua principalmente nos seguintes temas: Didática e formação de professores; Educação especial e  Currículo. Participa do Grupo de Pesquisa sobre Educação de Pessoas Hospitalizadas e/ou Doentes Crônicos vinculado a UFBA.

Referências

REFERÊNCIAS
ARROYO, Miguel. Escolas Militarizadas criminalizam infâncias populares. [Entrevista cedida a] Carta Capital, 12 de setembro de 2019. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/educacao/miguel-arroyo-escolas-militarizadas-criminalizam-infancias-populares/. Acesso em: 23 jul. 2020.

BAUER, Martin W.; GASKELL, George; ALLUM, Nicholas C. Qualidade, quantidade e interesses do conhecimento: evitando confusões. In: BAUER, Martin; GASKELL, George. (Org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2008. Disponível em: https://tecnologiamidiaeinteracao.files.wordpress.com/2017/10/pesquisa-qualitativa-com-texto-imagem-e-som-bauer-gaskell.pdf. Acesso em: 23 jul. 2020.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei de nº 2.401 de 2019. Dispõe sobre o exercício do direito à educação domiciliar, altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 - Estatuto da Criança e do Adolescente, e a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=C5F58BD34BAD023F686924361C638DD3.proposicoesWebExterno2?codteor=1739762&filename=Avulso+-PL+2401/2019. Acesso em: 10 dez. 2019.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Decreto Nº 10.004, de 5 de setembro de 2019. Institui o Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares, 2019. Disponível em: http://escolacivicomilitar.mec.gov.br/. Acesso em: 20 jul. 2020.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 24 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 20 de dez. 2016. Disponível em: http://www.presidencia.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm> Acesso em: 09 jun. 2019.

BRASIL.Constituição Federal da República Federativa do Brasil, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao. Acesso em: 09 jul. 2020.

BRASIL. Manual das Escolas Cívico-Militar, 2020. Disponível em: http://escolacivicomilitar.mec.gov.br/. Acesso em: 20 jul. 2020.

CANDAU, Vera Maria Ferrão. Diferenças culturais, interculturalidade e educação em direitos humanos. Educ. Soc. [online]., v.33, n.118, p.235-250, 2016.

CORREIO DO POVO. MEC finaliza proposta de ampliação de escolas cívico-militares no país. Disponível em: https://www.correiodopovo.com.br/not%C3%ADcias/ensino/mec-finaliza-proposta-de-amplia%C3%A7%C3%A3o-de-escolas-c%C3%ADvico-militares-no-a%C3%ADs-.319073. Acessado em 13 de outubro de 2020.


FELICIANO, Carlos Alberto; MITIDIERO JUNIOR, Marcos. A violência no campo brasileiro em tempos de golpe e a acumulação primitiva de capital. Okara: Geografia em debate, v.12, n. 2, p. 220-246, 2018.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1987.

FREIRE, P. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. 1.ed. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Rio de Janeiro: Vozes, 1987.

FRIGOTTO, G. (org.). Escola ‘sem’ partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: LPP/Uerj, 2017. 144 p.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli E.D.A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

SAVIANI, D. Políticas educacionais em tempos de golpe: retrocessos e formas de resistência. Roteiro, v. 45, p. 1-18, 3 jun. 2020

SKINNER, B. F. Ciência e comportamento humano (J. C. Todorov & R. Azzi, Trads.). São Paulo, SP: Martins Fontes, 2007. (Trabalho original publicado em 1953).

WALSH, C. Pedagogías decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Tomo II. Quito, Ecuador: Ediciones Abya-Yala, 2007.

WALSH, C. Pedagogias decoloniales caminando y preguntando. Notas a Paulo Freire desde Abya Yala. Revista Entramados – Educacion y Sociedad, v.1, p.17-31, 2014.

RICCI, Rudá. A militarização das escolas públicas. Le Monde Brasil Diplomatique, Edição 134, 2018. Disponível em: < https://diplomatique.org. br/A-MILITARIZACAO-DAS-ESCOLAS-PUBLICAS>. Acesso em: 22 jul. 2020.

Downloads

Publicado

2020-12-02

Como Citar

MASCARENHAS, A. D. N. POR UMA PEDAGOGIA DECOLONIAL CONTRA A DOCILIZAÇÃO DE CORPOS, INVASÃO CULTURAL E DESPROBLEMATIZAÇAO DA EDUCAÇÃO NO PROJETO DA ESCOLA CÍVICO-MILITAR: FOR A DECOLONIAL PEDAGOGY AGAINST CORPORAL DOCILIZATION, CULTURAL INVASION AND DEPROBLEMATIZATION OF THE EDUCATION IN THE PROYECTO MILITARY SCHOOLS. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 29, n. 3, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.2359-7003.2020v29n3.55994. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rteo/article/view/55994. Acesso em: 24 set. 2021.

Edição

Seção

Dossiê: Restaurações conservadoras no campo educacional na América Latina