O DISCURSO NEOCONSERVADOR: ANTAGONISMO E DISPUTAS

THE NEOCONSERVATIVE DISCOURSE: ANTAGONISM AND DISPUTES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2359-7003.2020v29n3.56151

Palavras-chave:

Neoconservadorismo, Discurso, Políticas educacionais, Movimentos sociais

Resumo

No presente artigo analisamos o discurso do campo neconservador, à luz do conceito de hegemonia de Laclau e Mouffe, no seio do debate da relação entre educação e movimentos sociais. No referido campo, destacam-se o Escola Sem Partido e o Movimento Brasil Livre, os quais não consideramos como movimentos sociais, mas como uma prática articulatória em torno desse discurso conservador e que é antagônica ao campo que, historicamente, constitui-se como “movimentos sociais”.  Na dinâmicas das relações de hegemonia, esse neoconservadorismo se organiza em oposição às conquistas obtidas nas políticas educacionais, ao longo dos governos petistas. Essa articulação inclui a elaboração de propostas para o campo educacional. Por outro lado, registra-se também a reorganização do campo dos movimentos sociais.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cibele Rodrigues, FUNDAJ

Pesquisadora da Fundação Joaquim Nabuco. Professora do Programa de Pós-graduação em Educação, Culturas e Identidades (Ufrpe/Fundaj) e do Mestrado Profissional de Ensino de Sociologia (ProfSocio)

Referências

ALMEIDA, K. W.; RODRIGUES, C M. O MIEIB e a política curricular da educação infantil . Revista Educação em Questão, v. 58, n. 56, 25 ago. 2020. acesso em 01 09 2020. disponível em https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/view/19670
ALVAREZ, S; DAGNINO, E.; ESCOBAR, A. O cultural e o político nos movimentos sociais latino-americanos. In: ALVAREZ, S.; DAGNINO, E.; ESCOBAR, A. (Org.). Cultura e política nos movimentos sociais latino-americanos: novas leituras. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2000. p. 15-57.
ARANTES, R. [Entre]tecendo olhares sobre a educação do campo: avanços e limites do Programa Escola da Terra no município de Igarassu: uma análise histórico-crítica. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal Rural de Pernambuco / Fundação Joaquim Nabuco, Programa de Pós- Graduação Associado em Educação, Culturas e Identidades, Recife, BR-PE, 2019.
BARBOZA, V. Pretas Cristãs: Reflexões sobre o processo de autoformação no movimento progressista evangélico. 170 f. : il.Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal Rural de Pernambuco,Programa de Pós-Graduação em Educação, Culturas e Identidades, Recife,BR-PE, 2019.
BOTTOMORE, T. Sociologia Política. Rio de janeiro: Ed Zahar, 1981.
BOITO JR., A. As relações de classe na nova fase do neoliberalismo no Brasil. In: CAETANO, G (Coord). Sujetos sociales y nuevas formas de protesta en la historia reciente de América Latina. Buenos Aires: CLACSO, 2006. p. 271-296.
CARVALHO, J M. Cidadania no Brasil: o longo caminho. 2ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.
CASTELLS, M. A questão urbana. São Paulo: Paz e Terra, 1983.
COSTA, M. Os amálgamas das transformações da educação popular. ECCOS – revista científica. v. 11, n. 1, p 123-140, jan/jun, 2009.
CUNHA JÚNIOR, J. Educação escolar indígena em Pernambuco: interculturalidade, retomadas e sujeitos indígenas. 121 f.: il. Dissertação (Mestrado em Educação, Culturas e Identidades) – Universidade Federal Rural de Pernambuco / Fundação Joaquim Nabuco. Recife, 2016.
DAGNINO, E. Sociedade civil, espaços públicos e a construção democrática no Brasil: limites e possibilidades. In DAGNINO, E. (Org.). Sociedade civil e espaços públicos no Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002, p. 279-302.
DAGNINO, E. Cultura, cidadania e democracia: a transformação dos discursos e práticas na esquerda da América Latina. In: ALVAREZ, S.; DAGNINO, E.; ESCOBAR, A. (Orgs.). Cultura e política nos movimentos sociais latino-americanos: novas leituras. Belo Horizonte: UFMG, 2000, p. 61-102.
FRAGA, M. “Meninos vestem azul e meninas vestem rosa”: analisando redes discursivas e as lições de gênero do “Escola Sem Partido”. 191 f. : il. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal Rural de Pernambuco, Programa de Pós-Graduação em Educação, Culturas e Identidades, Recife, 2019.
FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 8ª ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1980.
FRIGOTTO, G. “A gênese das teses do Escola sem Partido: esfinge e ovo da serpente que ameaçam a sociedade e a educação.” In. FRIGOTTO, Gaudêncio (Org.). Escola “sem” partido : esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira, 1ª ed., UERJ, LPP, 2017, p. 144. fnpe, http://fnpe.com.br/wp-content/uploads/2018/11/gaudencio-frigotto-ESP-LPPUERJ.pdf. Acesso 01 06 2020.
GOHN, M. Teorias dos movimentos sociais: paradigmas clássicos e contemporâneos. São Paulo: Loyola, 1997.
GOHN, M. Movimentos sociais e educação. São Paulo: Cortez, 1992.
GOHN, M. Educação não-formal e cultura política. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2005.
GOHN, M. Movimentos sociais na contemporaneidade. Revista Brasileira de Educação. v. 16 n. 47 maio-ago. 2011. p 333-361. disponível em http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v16n47/v16n47a05.pdf Acesso em 18 de ago. de 2020.
GOHN, M. Educação Não Formal, Aprendizagens e Saberes em Processos Participativos. Investigar em Educação - IIª Série, Número 1, 2014. p 35-50. https://ec.europa.eu/epale/sites/epale/files/gohn_2014.pdf Acesso em 20. Ago. 2020.
GOMES, N. O Movimento Negro Educador: saberes construídos nas lutas por emancipação . Petrópolis, RJ: Vozes, 2017
GRAMSCI, A. A formação dos intelectuais. In: GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995. (cap. 01, p. 03-23).
GRAMSCI, A. Maquiavel, a política e o Estado Moderno. 5ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1984.
LACLAU, E; MOUFFE, C. Hegemonia e estratégia socialista: por uma política democrática radical. São Paulo: Intermeios; Brasília: CNPq, 2015. (coleção Contrassensos). Tradução de Joanildo A. Burity, Josias de Paula e Aécio Amaral.
LACLAU, E. Nuevas reflexiones sobre la revolución de nuestro tiempo. In: LACLAU, E. Nuevas reflexiones sobre la revolución de nuestro tiempo. Buenos Aires: Nueva Visión, 1990, p. 19-99.
LOJKINE, J. O Estado capitalista e a questão urbana. 1ª ed., São Paulo, Martins Fontes, 1981.
MARQUES, E. O currículo na formação de professores e professoras indígenas no Brasil : caminhos da educação intercultural trilhados em Universidades Públicas (2008- 2016). Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal Rural de Pernambuco, Programa de Pós-Graduação em Educação Culturas e Identidades Recife, BR-PE, 2017.
MOUFFE, C. Politics and passions: the stakes of democracy. London: Centre for the Study of Democracy, 2002.
MOURIAUX, R; BEROUD, S. Para uma definição do conceito de “movimento social”. In: LEHER, Roberto; SETÚBAL, Mariana (Org.). Pensamento crítico e movimentos sociais: diálogos para uma nova práxis. São Paulo: Cortez, 2005. p. 159-173.
QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LEHER, Roberto; SETÚBAL, Mariana (Orgs.). Pensamento crítico e movimentos sociais: diálogos para uma nova práxis. São Paulo: Cortez, 2005, p. 35-95.
RANCIÈRE, J. O desentendimento: política e filosofia. São Paulo: Ed. 34, 1996.
RODRIGUES, C. Cultura política e Movimentos Sem-Teto: as lutas possíveis. 2009. 364 f. Tese (doutorado em Sociologia) – Departamento de Ciências Sociais, Universidade Federal de Pernambuco. CFCH. Sociologia, Recife, 2009.
RODRIGUES, C. M. L. ; SOUZA, G. S. V. . Controle Governamental e Democratização da Gestão Educacional no Nordeste do Brasil. ANPAE , v. 2, p. 1-13, 2012.
RODRIGUES, C. CARVALHO, Karla. SIMÕES, Patrícia.O MIEIB E A SUA DIMENSÃO EDUCADORA. Anais da 39ª Reunião Nacional da ANPEd (2019). (GT03 - Movimentos Sociais, Sujeitos e Processos Educativos).
RODRIGUES, K. "Vida e vida com abundância" - teologia da prosperidade, sagrado e mercado : um estudo de afinidade eletiva entre a TP, o mercado e a ética de consumo na Igreja Universal do Reino de Deus. 2002. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2002.
RUSCHEINSKY, A. Movimento de moradia e partido dos trabalhadores. 1996. 301f. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Universidade de São Paulo, São Paulo,1996.
SADER, E. O anjo torto: esquerda (e direita) no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1995.
SANTANA, C. FeminismoAgora!: uma experiência de pedagogia feminista autorreflexiva. 147 f.: il. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal Rural de Pernambuco, Programa de Pós-Graduação em Educação, Culturas e Identidades, Recife, BR-PE, 2018.

SANTOS, B. Novos movimentos sociais. In: LEHER, Roberto, SETÚBAL, Mariana (Org.). Pensamento crítico e movimentos sociais: diálogos para uma nova práxis. São Paulo: Cortez, 2005. p.174-189.
SILVA, M. O currículo da EJA do campo: um estudo das perspectivas do MST e da Secretaria de Educação de Pernambuco.. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal Rural de Pernambuco/ Fundação Joaquim Nabuco, Programa de Pós-Graduação Associado em Educação, Culturas e Identidades, Recife, BR-PE, 2019.
TELLES, V. Direitos sociais: afinal do que se trata? Belo Horizonte: UFMG, 2006.
TOURAINE, A. An introduction to study of social movements. Social Research, v. 52, n. 4, p. 749-787, winter 1985.
VAKALOULIS, M. Antagonismo Social e Ação Coletiva In: LEHER, R., SETÚBAL, M. (Org.). Pensamento crítico e movimentos sociais: diálogos para uma nova práxis. São Paulo: Cortez, 2005. p.126-140.
ZIBECHI, R. Os movimentos sociais latino-americanos: tendências e desafios. In: LEHER, R.; SETÚBAL, M. (Org.). Pensamento crítico e movimentos sociais: diálogos para uma nova práxis. São Paulo: Cortez, 2005. p.198-207.

Documentos virtuais consultados
https://www.escolasempartido.org/
https://www.youtube.com/channel/UCkSjy-IOEq-eMtarZl2uH1Q
https://brasil.elpais.com/brasil/2019/03/24/internacional/1553454729_290547.html
https://www.gazetadopovo.com.br/ideias/o-que-e-o-movimento-organizacao-criada-por-steve-bannon-contra-a-china-e-a-ue/
https://g1.globo.com/mundo/noticia/2020/08/20/steve-bannon-da-articulacao-conservadora-internacional-a-prisao-veja-trajetoria-do-ex-estrategista-de-trump.ghtml
https://www.cnte.org.br/index.php/menu/comunicacao/posts/noticias/71275-13-de-novembro-nova-batalha-contra-a-lei-da-mordaca
https://une.org.br/noticias/forum-nacional-popular-de-educacao-vai-centrar-luta-contra-a-lei-da-mordaca/

Downloads

Publicado

2020-12-02

Como Citar

RODRIGUES, C. O DISCURSO NEOCONSERVADOR: ANTAGONISMO E DISPUTAS: THE NEOCONSERVATIVE DISCOURSE: ANTAGONISM AND DISPUTES. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 29, n. 3, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.2359-7003.2020v29n3.56151. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rteo/article/view/56151. Acesso em: 24 set. 2021.

Edição

Seção

Dossiê: Restaurações conservadoras no campo educacional na América Latina