Estudo sobre a percepção de jovens:

suas vivências escolares e práticas curriculares na inclusão escolar no ensino médio

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2359-7003.2024v33n1.68458

Palavras-chave:

Práticas Curriculares, Ensino Médio, Jovens com Deficiência

Resumo

Foi realizada uma pesquisa de campo em uma escola pública da rede estadual do Pará, no município de Belém com o objetivo de analisar as práticas curriculares vivenciadas por jovens com deficiência no Ensino Médio regular no ano de 2019. Foram entrevistados dois jovens com deficiência, sendo estes, um estudante matriculado no 2º ano, com diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista e outro estudante matriculado no 3º ano, com diagnóstico de deficiência intelectual. Através do processo de categorização de Oliveira e Mota Neto (2011), o estudo examinou a participação desses jovens nas atividades de aprendizado e a relação com as políticas de inclusão. Os resultados apontam práticas curriculares não-dialógicas em sala de aula, atividades voltadas meramente ao alcance de notas nos componentes curriculares, ajustes no processo de acessibilidade para realização das provas avaliativas que não asseguram a aprendizagem dos conhecimentos escolares, desvalorização de experiências extracurriculares e invisibilidade nas relações professor-aluno com deficiência. Por outro lado, evidenciaram-se práticas de apoio familiar, atendimento educacional especializado, resistência cultural dos alunos com deficiência, protagonismo juvenil e aprendizado dialógico. Essas descobertas destacam a necessidade urgente de promover práticas mais justas no currículo, que valorizem a inclusão e reconheçam as capacidades dos jovens com deficiência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Cunha dos Santos Fernandes, Universidade do Estado do Pará

Doutorado em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), Mestrado em Educação na Universidade do Estado do Pará (UEPA). Professora Adjunta I na Universidade do Estado do Pará (UEPA), docente nos cursos de licenciaturas do Centro de Ciências Sociais e Educação, do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGED). Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Especial da Amazônia (GEPEEAm) e coordenadora da Rede Educação Especial dos Campos. Atuo na área da Educação, desenvolvo e oriento pesquisas sobre Formação de Professores; Práticas pedagógicas; Políticas; Educação Especial; Pessoa com deficiência; Educação Especial do Campo; Criança com deficiência em territórios do campo. Presidente da Comissão organizadora do I, II e III Encontro Amazônico de Educação Especial e I Fórum de Educação Especial no Campo. Ex-membro do Comitê de Ética em Pesquisa (2018-2020) da Universidade do Estado do Pará. Ex-coordenadora na Coordenadoria de Tutores EaD (NECAD/UEPA). Editora da Revista Povos, Diversidade e Educação (PoDE).

Referências

BRASIL, Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Inclusiva na Perspectiva da Educação Inclusiva. Documento elaborado pelo Grupo de Trabalho nomeado pela Portaria Ministerial nº 555, de 5 de junho de 2007, prorrogada pela Portaria nº 948, de 09 de outubro de 2007.

CARVALHO, Janete Magalhães. Práticas pedagógicas nas múltiplas redes educativas que atravessam o currículo. In: LIB NEO, J. C.; ALVES, N. (org). Temas de pedagogia: diálogos entre didática e currículo. São Paulo: Cortez Editora, 2012. p. 189-205.

CAST UDL, About CAST. 2024. Disponível em: https://www.cast.org. Acesso em 08 fev. 2024.

FERNANDES, Ana Paula Cunha dos Santos. A escolarização de pessoas com deficiência nas comunidades ribeirinhas da Amazônia Paraense. 2015. Tese (Doutorado em Educação Especial) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2015.

FERNANDES, Ana Paula Cunha dos Santos. Família, escola e pessoa com deficiência. Revista Teias, Rio de Janeiro, v. 19, n. 54, p. 408-421, 2018. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/view/32809. Acesso em: 23 ago. 2020.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 15. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Tolerância. São Paulo: Editora Unesp, 2005.

GIROUX, Henry. Atos Impuros: a prática política dos estudos culturais. Porto Alegre: Artmed, 2003.

GIROUX, Henry. Escola Crítica e Política Cultural. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1992.

GOODSON, Ivor F. Currículo: teoria e história. 15. ed. Petrópolis: Vozes, 2018.

KASSAR, Mônica de Carvalho Magalhães. Escola como espaço para a diversidade e o desenvolvimento humano. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 37, n. 137, p. 1223-1240, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/3pZfQcXscKP5rN6T94Pjfrj/?lang=pt. Acesso em: 10 set. 2019.

OLIVEIRA, I. A.; MOTA NETO, J. C. A construção de categorias de análise na pesquisa em educação. In: MARCONDES, M. I.; OLIVEIRA, I. A.; TEIXEIRA, E. (org.). Abordagens Teóricas e Construções Metodológicas na Pesquisa em Educação. Belém: EDUEPA, 2011. p. 161-179.

PLETSCH, Márcia Denise. et al. Acessibilidade e Desenho Universal na Aprendizagem. Campos dos Goytacazes: Encontrografia, 2021.

PLETSCH, Márcia Denise. Repensando a inclusão escolar: diretrizes políticas, práticas curriculares e deficiência intelectual. 2. ed. Revista e ampliada. Rio de Janeiro: NAU, 2014.

LOPES, Alice Casemiro; MACEDO, Elizabeth. O pensamento curricular no Brasil. In: LOPES, Alice Casemiro; MACEDO, Elizabeth. (org.). Currículo: debates

contemporâneos. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

PEREIRA, C. D.; LUNARDI-MENDES, G. M.; PACHECO, J. A. B. Políticas de

inclusão escolar no Brasil e em Portugal: desafios para a justiça curricular. Revista

Teias, Rio de Janeiro, v. 19, n. 55, p. 36-53, 2018. Disponível em: https://www.epublicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/view/37597. Acesso em: 08 fev. 2024.

PRAIS, Jacqueline Lidiane de Souza. Das Intenções à Formação Docente para a Inclusão: contribuições do desenho universal para a aprendizagem. Curitiba: Appris, 2017.

SACRISTÁN, José Gimeno. Educar e Conviver na Cultura Global: as exigências da cidadania. Porto Alegre: Artmed, 2002.

SACRISTÁN, José Gimeno. O Currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto Alegre: Editora Penso, 2017.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

SOUZA, F. S; PLETSCH, M. D. A relação entre as diretrizes do Sistema das Nações Unidas (ONU) e as políticas de Educação Inclusiva no Brasil. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação. Rio de Janeiro, v. 25, n. 97, p. 831-856, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ensaio/a/7dvMYywhKCgCSwjk4ZFSW5g/abstract/?lang=pt. Acesso em: 08 fev. 2024.

SKRTIC, Thomas. Disability and Democracy: reconstructing (special) education for postmodernity. New York: Teachers College Press, 1995.

Downloads

Publicado

2024-05-20

Como Citar

RODRIGUES MIRANDA, V.; CUNHA DOS SANTOS FERNANDES, A. P. Estudo sobre a percepção de jovens: : suas vivências escolares e práticas curriculares na inclusão escolar no ensino médio. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 33, n. 1, p. e-rte331202437, 2024. DOI: 10.22478/ufpb.2359-7003.2024v33n1.68458. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rteo/article/view/68458. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Quais juventudes querem os currículos? Quais currículos querem as juventudes?