Juventudes e Ocupações: um currículo possível

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2359-7003.2024v33n1.68548

Palavras-chave:

Ocupações, Juventudes, Política, Currículo, Acontecimento

Resumo

Nesse texto, a partir da experiência em uma escola ocupada em 2016, trazemos as ocupações de escolas, com o objetivo de empreender uma reflexão sobre currículo e juventude, colocando em fluxo sentidos mobilizados por esses significantes. Operamos com as noções de desconstrução e acontecimento de Jacques Derrida, bem como com as noções de política e antagonismo de Ernesto Laclau e Chantal Mouffe, para pensar as ocupações e a educação e seus efeitos sobre o Currículo. Defendemos que as ocupações deram visibilidade às negociações de sentidos que acontecem continuamente no dia a dia da escola. Trazemos, nesse processo, elementos da Reforma do Ensino Médio para pensar no quanto suas orientações, instituídas nos anos que se seguiram às ocupações, antagonizam com as demandas propostas pela juventude no movimento de Ocupações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marinazia Pinto, ProPEd/UERJ

Doutorado em Educação da Universidade do Rio de Janeiro (UERJ). Bolsista pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj). Professora da Educação Básica do Estado e do Município do Rio de Janeiro. 

Alice Casimiro Lopes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ

Docente Titular da Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Bolsista PQ 1A do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Cientista do Nosso Estado Faperj/UERJ. Coordenadora do grupo de pesquisa Políticas de Currículo e Cultura.

Referências

REFERÊNCIAS

BALL, Stephen J.; M. Maguire.; BRAUM, A. Como as escolas fazem políticas: atuação em escolas secundárias. Tradução: Janete Bridon. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2016.

BARRETO, Bruna Amaral Lanzillotti. Ocupar é resistir: um estudo sobre as ocupações secundaristas no Rio de Janeiro em 2016. In: Revista Em Debate (UFSC), Florianópolis, volume 16, p. 73-94, 2018.

BRASIL. Base nacional comum curricular. Brasília: Ministério da Educação, 2018.

BRASIL, Medida Provisória da Reforma do Ensino Médio, 2016.

BURITY, Joanildo. Pensando colonialidade e de(s)colonialidade no estudo da(s) religião(ões). In: Islam, decolonialidade e(m) diálogos plurais. São Paulo: Ambigrama Editorial, 2022.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Tradução: Fernanda Siqueira Miguens; Revisão técnica: Carla Rodrigues. 1ª edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

COUTINHO, Luciana Gageiro. Ocupa escola: tratamento aos impasses da adolescência no laço social?. In Estilos da Clínica, 2020, v. 25, nº 1, p. 63-76.

DAYREEL, Juarez Tarcísio.O jovem como sujeito social.In: Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro: Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação (Editora), set/out/nov/dez 2003.

DERRIDA, Jacques. Força de lei. Tradução: Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2018.

DERRIDA, Jacques. Esporas. Os estilos de Nietzsche. Tradução: Rafael Haddock-Lobo e Carla Rodrigues. Rio de Janeiro, NAU, 2013.

DERRIDA, Jacques. Vadios. Tradução: Fernanda Bernardo, Hugo Amaral e Gonçalo Zagalo. Coimbra: Terra Ocre Edições, 2009.

DERRIDA, Jacques. Papel Máquina. Tradução: Evando Nascimento. São Paulo: Estação Liberdade, 2004

DERRIDA, Jacques. Políticas da amizade. Tradução: Fernanda Bernardo. Porto: Campo das Letras Editores S.A., 2003.

DERRIDA, Jacques. O olho da universidade. Tradução: Ricardo Iuri Canko e Ignacio Antonio Neis. São Paulo: Estação Liberdade, 1999.

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. Tradução: Miriam Schnaiderman e Renato Janini Ribeiro. São Paulo: Perspectivas, Ed. da Universidade de São Paulo, 1973.

DERRIDA, Jacques; ROUDINESCO, Elisabeth. De que amanhã. Tradução: André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2004.

DUQUE-ESTRADA, Paulo César. Estudos ético-políticos sobre Derrida. Rio de Janeiro: Mauad X: Editora PUC-Rio, 2020.

HADDOCK-LOBO, Rafael. A desconstrução. In: Revista Cult (Dossiê Jacques Derrida), n. 195, p. 25-29, São Paulo, out de 2015.

LACLAU, Ernesto. Emancipação e diferença. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2011.

LACLAU, Ernesto; MOUFFE, Chantal. Hegemonia e estratégia socialista: por uma política democrática radical. São Paulo: Intermeios, 2015.

LOPES, Alice Casimiro. Articulações de demandas educativas (im)possibilitadas pelo antagonismo ao “Marxismo Cultural”. In: Arquivos analíticos de políticas educativas – aape. V. 27, n. 109, 16 de setembro de 2019a. Disponível: https://epaa.asu.edu/index.php/epaa/article/view/4881/2303. Acessado em: 20/10/2023.

LOPES, Alice Casimiro. Itinerários Formativos na BNCC do Ensino Médio: identificações docentes e projetos de vida juvenis. In: Revista Retratos da Escola. Brasília, v. 13, n. 25, p. 59-75, jan./mai. 2019. Disponível em: Acessado em: 05/11/2023.

LOPES, Alice Casimiro. Sobre a decisão política em terreno indecidível. In: Pensando a política com Derrida: responsabilidade, tradução, porvir / Alice Casimiro Lopes, Marcos Siscar (orgs.). São Paulo: Cortez, 2018.

LOPES, Alice Casimiro. Por um currículo sem fundamentos. Linhas críticas (UnB), v. 21, p. 445-466, 2015a.

LOPES, Alice Casimiro. Normatividade e intervenção política: em defesa de um investimento radical. In: Alice Casimiro Lopes; Daniel de Mendonça. (Org.). A Teoria do Discurso de Ernesto Laclau: ensaios críticos e entrevistas. 1ed.São Paulo: Annablume, 2015b, v. 1, p. 117-147.

MACEDO, Elizabeth. A teoria do currículo e o futuro monstro. In: Pensando a política com Derrida: responsabilidade, tradução, porvir / Alice Casimiro Lopes, Marcos Siscar (orgs.). São Paulo: Cortez, 2018.

MACEDO, Elizabeth. Base Nacional Curricular Comum: novas formas de sociabilidade produzindo sentidos para a educação. In: Revista e-Curriculum, v. 12, n. 03, p. 1.530-1555, out./dez., 2014. Programa de Pós-graduação Educação: Currículo – PUC/SP. http://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum.

MARTÍN, María. Escolas ocupadas já são 65 no Rio e Estado enfrenta impasse na negociação. In: El País. Rio de Janeiro – 02 May 2016. https://brasil.elpais.com/brasil/2016/04/29/politica/1461955632_442061.html Acessado em 20/10/2023.

MORAES, Marcelo José Derzi. Democracias espectrais: por uma desconstrução da colonialidade. Rio de Janeiro: Editora Nau, 2020.

____. Acontecimento e desconstrução. In: Cadernos da FaEL, v.3, 2010

https://unig.br/wp-content/uploads/ACONTECIMENTO-E-DESCONSTRUCAO.pdf. Acesso em 15/10/2023.

MORAES, Marcelo José Dersi.; SANTOS, Patrícia Elaine. Juventudes “da antiga” e o baile funk como acontecimentos das periferias. In: André Augusto Pereira Brandão; Amanda Lacerda Jorge; Thiago Risso Possas. (Org.). Juventude e periferia. Niterói: Syal Letras e Livros, 2020, v. 01, p. 119-130.

MOREIRA, Gilberto; OLIVEIRA, Gustavo Gilson de Sousa. Ser, querer ser, poder ser, "merecer": educação (não) escolar e subjetividade sob a ótica da teoria pós-estruturalista do discurso. In: III Simpósio Pós-Estruturalismo e Teoria Social: populismos e democracias. 2019, Pelotas/RS. Anais. Pelotas/RS: 2019. p. 1-17. Disponível em: https://wp.ufpel.edu.br/legadolaclau/files/2019/07/ARTIGO-Moreira-e-Oliveira.pdf. Acesso em 13/10/2023.

MOUFFE, Chantal. Sobre o político. Tradução: Fernanda Santos. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2015.

PINHEIRO, Diógenes. Escolas ocupadas no Rio de Janeiro em 2016. Motivações e cotidiano. In: Iluminuras. Porto Alegre, v. 18, n. 44, p. 265-283, jan./jul. 2017. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/iluminuras/article/view/75746/43151 Acessado em: 20/10/2023.

PINTO, Marinazia Cordeiro; LOPES, Alice Casimiro Lopes. Espectros e heranças: operando com a desconstrução na BNCC. In: SILVA, Fabiany de Cassia Tavares; NOVAES, Luís Carlos. Conhecimento em ação e a base nacional comum curricular. Campo Grande – MS, 2021.

ROCHA, Daniel Leonel da. Ocupação das escolas em 2015 e 2016: uma breve análise da forma e do conteúdo da ação dos estudantes. In: Rev. Sociologias Plurais, v. 6, n. 1, p. 61-86, jan. 2020.

SAVAGE, Glenn C. O que é agenciamento de políticas? In: Práxis Educativa. Ponta Grossa, v. 17, p. 1-21, 2022. Disponível em: Acesso em: 20/10/2023

SILVA, Roberto Rafael Dias da. Os estudos curriculares e o problema do conhecimento – uma entrevista com Elizabeth Macedo. In: Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 32, n. 64, p. 157-184, jan./abr. 2018.

SOLIS, Dirce Eleanora Nigro. A democracia banida: reflexões a partir da noção de democracia por vir de Jacques Derrida. In: CARRARA, Ozanan Vicente. (org.) A democracia e seus desafios em tempos de crise. Passo Fundo: Editora IFIBE, 2017. (p. 191-244)

SOLIS, Dirce Eleanora Nigro; ROSÁRIO, Fábio Borges do. A legislação antirracista e a escola como lugar de confissão. In: Voluntas. Revista Internacional de Filosofia. Santa Maria, v. 10, p. 200-215, set. 2019. Disponível em: https://periodicos.ufsm.voluntas/article/view/39851 . Acessado em 20/10/2023.

Downloads

Publicado

2024-05-16

Como Citar

PINTO, M.; CASIMIRO LOPES, A. Juventudes e Ocupações: um currículo possível. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 33, n. 1, p. e-rte331202435, 2024. DOI: 10.22478/ufpb.2359-7003.2024v33n1.68548. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rteo/article/view/68548. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Quais juventudes querem os currículos? Quais currículos querem as juventudes?