Narrativas, currículos e afetos:

reflexões sobre estudantes gays nas instituições de ensino

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2359-7003.2024v33n1.68680

Palavras-chave:

Currículo, Universidade, Diferença, Sexualidade, Gay

Resumo

O presente artigo interrogou a categoria dos ‘currículos’ no campo da sexualidade, destacando a relação das instituições de ensino com os afetos que podem ser e/ou são vividos e/ou produzidos por estudantes gays nos espaços educativos que são curricularizados. Analisando a percepção desses estudantes, nós tivemos o objetivo de relacionar as práticas curriculares dessas instituições com as práticas afetivas que eles vivem e/ou produzem na vida escolar. Se trata de um estudo qualitativo e interpretativo, fundamentado com os pressupostos da pesquisa narrativa, bem como dos estudos com/dos/nos cotidianos. Sem a pretensão de produzir conhecimentos generalizáveis a todos e quaisquer estudantes gays, as reflexões deste estudo permite pensar que as escolas e as universidades têm qualificado e/ou visibilizado os conhecimentos e os debates sobre as diferenças de sexo e gênero na vida social e, portanto, na vida escolar, ao mesmo tempo em que elas podem limitar e/ou limitam as afetividades identitárias dos estudantes gays nos seus espaços educativos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, L. L. A juventude universitária e a nova sociabilidade: continuidade ou ruptura? In: Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Ciências Sociais. 8, 2004, Coimbra. Anais, Coimbra: Universidade de Coimbra, 2004. p. 1-15.

ANDRADE, S. S.; MEYER, D. E. Juventudes, moratória social e gênero: flutuações identitárias e(m) histórias narradas. Educar em Revista, Curitiba, n. 1, p. 85-99, Mai. 2014.

ARROYO, M. Currículo, território em disputa. Petrópolis: Vozes, 2011.

BRASIL. Resolução Nº 466 de 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre as normas e diretrizes regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília, Conselho Nacional de Saúde, 2012. Disponível em <https://www.bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html>. Acesso em: 23 mar. 2022.

BRASIL. Resolução Nº 510 de 07 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em ciências humanas e sociais. Brasília, Conselho Nacional de Saúde, 2016. Disponível em <https://www.conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf>. Acesso em: 23 mar. 2022.

CAETANO, M. Performatividades Reguladas: heteronormatividade, narrativas biográficas e educação. 1. ed. Curitiba: Appris, 2016. 315 p.

COHEN, J. J. A cultura dos monstros: sete teses. In: COHEN, J. J. Pedagogia dos monstros - os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

COLLING, A. M.; TEDESCHI, L. A. Dicionário Crítico de Gênero. Dourados: Universidade Federal da Grande Dourados, 2019. 748 p.

CORAZZA, S. M. O drama do Currículo: pesquisa e vitalismo da criação. In: IX Seminário de Pesquisa em Educação na Região Sul, GT Educação e Arte. Caxias do Sul, agosto, 2012.

GALHEIGO, S. M. O cotidiano na terapia ocupacional. Cultura, subjetividade e contexto histórico-social. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, São Paulo, v. 14, n. 3, p. 104-109, Dez. 2003.

GROPPO, L. A. Teorias pós-críticas da juventude: juvenilização, tribalismo e socialização ativa. Rev. Latinoamericana de Ciências Sociales, v. 13, n. 02, p. 567-579, Mai. 2015.

HEILBORN, M. L. Entre tramas da sexualidade brasileira. Estudos Feministas, v. 14, n. 1, p. 300-336, Abr. 2006.

JOSSO, M. C. As histórias de vida como metodologia de pesquisa formação. In: HACK, J. L.; FIGUEIREDO, M. X. Experiências de Vida e Formação. Pelotas: Editora UFPel, 2009. p. 55-98.

MOREIRA, A. F. B. Currículo, utopia e pós-modernidade. In. MOREIRA, A. F. B (Org.). Currículo: questões atuais. Campinas, SP: Papirus, 2014. p. 9-29.

NAJMANOVICH, D. O Feitiço do Método. In: GARCIA, Regina Leite. Método; métodos; contramétodo. São Paulo: Cortez, 2003. p. 25-62.

SPOSITO, M. P.; GALVÃO, I. A experiência e as percepções de jovens na vida escolar na encruzilhada das aprendizagens: o conhecimento, a indisciplina a violência. Rev. Perspectiva, Florianópolis, v. 22, n. 02, p. 345-380, Dez. 2004.

UFPel. Institucional. Pelotas: 2023a. Disponível em: <https://portal.ufpel.edu.br/missao-visão/>. Acesso em: 13/12/2023.

UFPel. Mais um passo na luta pela diversidade e inclusão: a implementação de reserva de vagas para travestis e transexuais nos programas de pós-graduação da UFPel. 2023b. Disponível em: <https://wp.ufpel.edu.br/nugen/2021/07/09/mais-um-passo-na-luta-pela-diversidade-e-inclusao-a-implementacao-da-reserva-de-vagas-para-travestis-e-transexuais-nos-programas-de-pos-graduacao-da-ufpel/>. Acesso em: 13/12/2023.

VITAL, R. S. Estudantes gays, cotidianos e Universidade: práticas e táticas na experimentação de si. 2022. 204 f. Trabalho de conclusão de curso (tese) – Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, Universidade Federal do Rio Grande – FURG, Rio Grande, 2022.

Downloads

Publicado

2023-12-18

Como Citar

VITAL, R.; CAETANO, M. Narrativas, currículos e afetos:: reflexões sobre estudantes gays nas instituições de ensino. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 33, n. 1, p. e-rte331202408, 2023. DOI: 10.22478/ufpb.2359-7003.2024v33n1.68680. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rteo/article/view/68680. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Quais juventudes querem os currículos? Quais currículos querem as juventudes?