CURRÍCULOS DA FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL E O DESPREPARO PARA MANEJAR O BULLYING NA ESCOLA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n1.40718

Palavras-chave:

currículo, formação docente inicial, Pedagogia, manejo do bullying, escola

Resumo

Neste artigo, analisam-se, com base na Análise da Enunciação proposta por Bardin, documentos de políticas públicas que constituem os currículos dos cursos de Pedagogia no Brasil, a fim de conhecer as formas como tais currículos são orientados a se organizar para oferecer aos professores em formação condições de pensarem e agirem de forma consciente diante da violência escolar, de modo geral, e do bullying, em particular. Os resultados apontam para o silêncio sobre esse tema, o que preocupa significativamente, haja vista que a literatura revisada demonstra a importância de criar-se um ambiente escolar voltado para a formação da moralidade e, através dela, a prevenção à violência na escola, de um lado; de outro lado, a mesma revisão indica que o desengajamento moral de docentes e suas representações sobre violência e bullying atentam contra o envolvimento desses profissionais na prevenção à violência e ao bullying na escola. Diante desses dois fatores, a formação inicial em Pedagogia tende a reproduzir as condições de desengajamento moral e de omissão pedagógica que colaboram para a conservação de um contexto gerador do bullying e outras violências na escola.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Catarina Carneiro Gonçalves, Universidade Federal da Paraíba, Brasil.

Professora Adjunta I do departamento de Educação do Centro de Ciências Humanas Sociais e Agrárias da Universidade Federal da Paraíba

Fernando Cézar Bezerra de Andrade, Universidade Federal da Paraíba, Brasil.

Professor do Departamento de Fundamentação da Educação, dos Programas de Pós-Graduação em Educação (PPGE-Centro de Educação) e em Direitos Humanos (PPGDH-Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes) da UFPB.

Referências

AQUINO, Júlio Groppa. A violência escolar e a crise da autoridade docente. Cad. CEDES [online]. 1998, vol.19, n.47, pp. 07-19.

ALMEIDA, A. et al. Moral disengagement, normative beliefs of peer group, and attitudes regarding roles in bullying. Journal of School Violence, 9(1), 23-36. 2010.

ANDRADE,F Ser uma Lição Permanente: Psicodinâmica da competência inter-relacional do(a) educador(a) na gestão de conflitos e na prevenção da violência na escola. 2007. 222 f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, PB, 2007.

AVILÉS, J. Prevención del Maltrato entre Iguales Através de La Educación Moral. Revista de Investigación en Psicología - Vol. 15, N.º 1, 2015.

______. Bullying: guia para educadores. Campinas, SP: Mercado de Letras. 2013.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

BANDURA, A. et. al. Desengajamento Moral: Teoria e Pesquisa a Partir da Teoria Social Cognitiva. Campinas: SP. Mercado de Letras. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior. (2015).

______. Relatório de Área – Pedagogia Licenciatura. Direotia de Avaliação da Educação Superiors – DAES. Brasília, 2015. Disponível em http://download.inep.gov.br/educacao_superior/enade/relatorio_sintese/2014/2014_rel_pedagogia_licenciatura.pdf - Acessado em 16-01-2016.

______. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP nº1, 15.06.2006. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Pedagogia. Brasília, 2006.

FANTE, C. Fenômeno Bullying: como prevenir a violência na escola e educar para paz. Campinas, SP: Versus Editora, 2005.

FISCHER, R. M. (Coord.) Bullying escolar no Brasil. Relatório Final – São Paulo: CEATS/FIA, 2010.

GONÇALVES, C. Engajamento e Desengajamento Moral de Docentes diante de situações de bullying envolvendo alvos típicos e provocadores de bullying na escola. 2017. 263f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa: Paraíba, 2017.

______. Concepção e Julgamento Moral de Docentes sobre bullying na escola. 2011. 146f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa: Paraíba, 2011.

GONÇALVES, C. ANDRADE, F.; GONZAGA, K. Manejo do Bullying na Escola: responsabilizando os espectadores com a pedagogia institucional. In GONCALVES, C.; ANDRADE, F. Bullying e Violências na Escola: análise e prevenção. Curitiba, PR: CRV Editora, 2015. p.113-136.

HALL, S. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. In: SILVA, T. (org.). Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

KNOENER, D.; TOGNETTA,L. Violencia de la Universidad. El impacto de la intimidación y el acoso en la formación de los futuros professores. In: Fuentes, m. et al. Variables Psicológicas y Educativas para La Intervención em el Ambito Escolar. Volumen I. Edita: ASUNIVEP, 2016.

LA TAILLE, Y. Moral e Ética: dimensões intelectuais e afetivas. Porto Alegre: ARTMED, 2006.

LEME, M. O Diretor Escolar e A Gestão do Conflito na Escola. In: TOGNETTA, L.; VINHA, T. (orgs). Conflitos na Instituição Educativa: perigo ou oportunidade. Campinas: Mercado de Letras, 2011.

LONGO, M. Entre a permissão e a repressão: formação do professor nos cursos de licenciatura e a abordagem da ética. Rio de Janeiro, 2009. Dissertação (Mestrado em Educação) – 131f. Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

MASCARENHAS, S. Gestão do Bullying e da Indisciplina e Qualidade do Bem-Estar Psicossocial de Docentes e Discentes do Brasil (Rondônia). Psicologia, Saúde e Doença. 2006, 95-107.

NASCIMENTO, A. Intimidações na Adolescência: expressões da violência entre pares na cultura escolar. 2009. 203f. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2009.

OBERMANN, M. Moral Disengagement Among Bystanders to School Bullying. Journal of School Violence, Volume 10, 2011.

ORTEGA, R. DEL REY, R. Estratégias educativas para a prevenção da violência. Brasília: UNESCO, UCB, 2002.

PIAGET, Jean. O juízo moral na criança. 3ª ed. São Paulo: Summus, 1994.

PUIG, J. A construção da personalidade moral. São Paulo: Editora Ática, 1998.

SAGONE, E.; LICATA, L. The relationship among interpersonal adjustment, moral disengagement, bullying, and prosocial behavior: A study in junior high school. Giornale di Psicologia. 3(3), 247-254.2009.

TEIXEIRA, I. A escola vai ao cinema. Inês Assunção de Castro Teixeira e José de Sousa Miguel Lopes (org). 2ª ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

TOGNETTA, L; ROSÁRIO, P; AVILÉS, J. Desengajamento Moral e Bullying: desafios da convivência na escola. In: BANDURA, A. et al. Desengajamento Moral: teoria e pesquisa a partir da teoria social cognitiva. Campina: SP. Mercado de Letras, 2015.

TOGNETTA, L. ROSÁRIO, P. BULLYING: dimensões psicológicas no desenvolvimento moral. Est. Aval. Educ., São Paulo, v. 24, n. 56, p. 106-137, set./dez. 2013.

TOGNETTA, L.; VINHA, T. Bullying e intervenção no Brasil: um problema ainda sem solução (2010). In: Actas do 8º. Congresso Nacional de Psicologia da Saúde: Saúde, Sexualidade e gênero. ISPA – Instituto Universitário. Lisboa, Portugal. Anais eletrônicos.

______. Estamos em conflito: Eu, comigo e com você! Um estudo sobre o Bullying e suas causas afetivas. In: CUNHA, J; DANI, L. (Orgs.). Escola, Conflito e Violências. Santa Maria: Editora da UFSM, 2008. p. 199-246.

TOGNETTA, L.; et. al. Um panorama geral da violência na escola e o que se faz para combatê-la. Campinas: Mercado de Letras, 2010.

Downloads

Publicado

29-03-2020

Como Citar

GONÇALVES, C. C.; ANDRADE, F. C. B. de. CURRÍCULOS DA FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL E O DESPREPARO PARA MANEJAR O BULLYING NA ESCOLA. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 13, n. 1, p. 241–252, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n1.40718. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/40718. Acesso em: 9 fev. 2023.