DISCURSOS AMBIENTAIS NO LESTE METROPOLITANO FLUMINENSE

uma análise de documentos curriculares

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n1.42441

Palavras-chave:

Discurso ambiental, Currículo de Ciências, Educação Básica

Resumo

O contexto ambiental atual promove a articulação entre educação e ambiente, considerando a educação fundamental como etapa privilegiada de humanização, socialização e direcionamento social. O estudo teve por objetivo a compreensão das finalidades de ensino e das concepções de ambiente em documentos curriculares oficiais no Leste Metropolitano Fluminense. A pesquisa teve uma abordagem metodológica qualitativa e foi utilizada a técnica de análise de conteúdo. Nos PCN, no Currículo Mínimo do Rio de Janeiro e nas propostas curriculares municipais predominam a visão de ambiente como natureza e recurso e finalidades utilitárias e pedagógicas no ensino de temáticas ambientais na disciplina Ciências. A pesquisa aponta a importância da abordagem de questões socioambientais locais nos documentos curriculares visando à sensibilização dos estudantes para ações de transformação de sua realidade socioambiental.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ana Paula de Sousa da Silva Melila, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil.

Professora em regime estatutário da Secretaria Municipal de Educação (SEME) de Itaboraí. Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências, Ambiente e Sociedade (PPGEAS) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). 

Maria Cristina Ferreira dos Santos, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil.

Professora Adjunta da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências, Ambiente e Sociedade na Faculdade de Formação de Professores,  do Programa de Pós-Graduação em Ensino - Educação Básica e do Instituto de Aplicação Fernando Rodrigues da Silveira na UERJ.

 

Referências

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011. 279 p.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura/ Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais – Terceiro e Quarto Ciclos do Ensino Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998a.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura/ Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Temas transversais – Meio ambiente. Brasília: MEC/SEF, 1998b. . p. 167- 242.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura/ Secretaria de Educação Básica/ Diretoria de Currículo e Educação Integral. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Brasília: MEC, 2013. 562 p.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018. Disponível em:http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 03 jan. 2020.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente/ Ministério da Educação. Programa Nacional de Educação Ambiental. 3 ed. Brasília: MMA, 2005. 52p.

BRASIL. Petrobrás. Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (COMPERJ). Disponível em: <http://www.petrobras.com.br/pt/nossas-atividades/principais-operacoes/refinarias/complexo-petroquimico-do-rio-de-janeiro.htm>. Acesso em: 10 de julho de 2017. b.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm>. Acesso em: 25 de julho de 2017.

CARVALHO, I. C. M. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. 5 ed., São Paulo: Cortez Editora, 2011.

CARVALHO, L. M. A temática ambiental e o ensino de Biologia: compreender, valorizar e defender a vida. In.: MARANDINO, M. et al. (Org.). Ensino de Biologia: conhecimentos e valores em disputa. Niterói: Eduff, 2005. P. 85 – 99.

CASTRO, R. S. et al. Universidade, meio ambiente e parâmetros curriculares nacionais. In: LOUREIRO, C. F. B. et al. (Orgs.) Sociedade e meio ambiente: a educação ambiental em debate. 7 ed. São Paulo: Cortez, 2012.

CLAUDINO-KAMAZAKI, S. G. et al. Currículo comum para o ensino fundamental de bauru-sp: em busca da articulação entre conteúdo e forma. Revista Espaço do Currículo, UFPB, v. 2, n. 11, p. 168-179, 2018.

CUNHA, M. M. S. A temática ambiental na educação científica segundo as políticas curriculares oficiais brasileiras. Linhas Críticas, Brasília, v. 13, n. 25, p. 219-234, jul.-dez. 2007.

FAZENDA, I.C.A. Integração e interdisciplinaridade no ensino brasileiro: efetividade ou ideologia. São Paulo: Editora Loyola, 2011. 173 p.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 175 p. 2002.

GOODSON, I. F. História de uma disciplina escolar: as ciências. In.: GOODSON, I.F. (Org.). A construção social do currículo. Lisboa: Educa, 1997. 53-78 p.

_______. Currículo: teoria e história. 14 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013. 141 p.

LAYRARGUES, P.P.; LIMA, G.F.C. As macrotendências político-pedagógicas da Educação Ambiental brasileira. Ambiente & Sociedade. São Paulo, v. 17, n. 1, p. 23-40, jan.-mar. de 2014.

_______. A dimensão freireana na Educação Ambiental. In.: LOUREIRO, C.F.B.; TORRES, J.R. (Orgs.) Educação Ambiental: dialogando com Paulo Freire. 1 ed. São Paulo: Cortez, 2014. p. 7-12.

_______. Para onde vai a educação ambiental? O cenário político-ideológico da Educação Ambiental brasileira e os desafios de uma agenda política crítica contra-hegemônica. Revista Contemporânea Educação, n. 14, p. 398-422, agos. – dez. de 2012.

LEFF, E. Complexidade, Racionalidade Ambiental e Diálogo de Saberes. Educação e Realidade, n. 34 (3), p. 17 - 24, set. - dez. de 2009.

_______.Discursos sustentáveis. São Paulo: Cortez, 2010.

_______. Epistemologia Ambiental. 5 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

LIMA, G.C. Questão ambiental e educação: contribuições para o debate. Ambiente e Sociedade, ano 2, n. 5, p. 253-274, 2º semestre de 1999.

_______. Violência e meio ambiente: pode a educação ambiental contribuir para a paz e a sustentabilidade? Espaço do Currículo, v.2, n.2, p. 231-247, set. de 2009 – mar. de 2010.

LOPES, A.C.; MACEDO, E. Currículo: debates contemporâneos. São Paulo: Cortez, 2002 – Série cultura, memória e currículo, v.2.

_______. Teorias do Currículo. São Paulo: Cortez, 2011. 279 p.

LOUREIRO, C. F. B. et al. (Orgs.). Sociedade e Ambiente: a educação ambiental em debate. 7 ed. São Paulo: Cortez, 2012.

_______. Trajetória e fundamentos da Educação Ambiental. São Paulo: Cortez, 2004.

_______. Educação ambiental crítica: contribuições e desafios. In: MELLO, S.S.; TRAJBER, R. (Orgs.). Vamos cuidar do Brasil: conceitos e práticas em educação ambiental na escola. Brasília: MEC/ Coordenação Geral de Educação Ambiental: MMA, Departamento de Educação Ambiental: UNESCO, 2007.p. 65 – 72.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MARANDINO, M. et al. Ensino de Biologia: histórias e práticas em diferentes espaços educativos. São Paulo: Cortez, 2009. 212 p.

MOREIRA, A. F.; SILVA, T. T. (Orgs.) Currículo, cultura e sociedade. 9 ed. São Paulo: Cortez, 2006.

NETO, D.V.; KAWASAKI, C. S. A temática ambiental em documentos curriculares nacionais do Ensino Médio. Revista Ensaio. Belo Horizonte. v.17, n. 2, p. 483-499, maio-ago de 2015.

PEREIRA, M. G.; GUERRA, R. A. T. A temática ambiental na educação escolar: tecendo fios e vencendo desafios na construção de saberes e fazeres. In: PEREIRA, M. G.; AMORIM, A. C. R. Ensino de Biologia: fios e desafios na construção de saberes. João Pessoa: Ed. Universitária/UFPB, 2008. p. 171-198.

REIGOTA, M. Meio ambiente e representação social. 3 ed. São Paulo: Cortez, 1998. p. 87.

RIOS, N. T. Educação Ambiental em escolas próximas ao Pólo Industrial de Campos Elíseos: a influência do contexto industrial e do risco. Dissertação do PPGE-UFRJ. 155 p. 2011.

SANTOS, T. C. Educação Ambiental, Currículo e Interdisciplinaridade: Uma teia de caminhos entrelaçados. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ensino em Biociências e Saúde do Instituto Oswaldo Cruz. 147 p. 2015.

SAUVÉ, L. Uma cartografia das correntes em Educação Ambiental. In: SATO, M.; CARVALHO, I. Educação Ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 17 – 44.

SEEDUC – SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO RIO DE JANEIRO. Currículo Mínimo de Ciências e Biologia, 15 p. 2012. Disponível em: < http://www.rj.gov.br/web/seeduc/exibeconteudo?article-id=759820>. Acesso em: abr 2016.

SME – Secretaria Municipal de Educação de Guapimirim. Matriz de Referência Curricular. Guapimirim. 2017. p. 47-63.

SEME – Secretaria Municipal de Educação de Itaboraí. Referencial Curricular de Ciências Ensino Fundamental II. Itaboraí. 201_? P. 23.

SME – Secretaria Municipal de Educação de Magé. Orientações Curriculares Anos Finais. Magé. 2017. P. 1-16.

SME – Secretaria Municipal de Educação de São Gonçalo. Proposta Curricular para a Rede Municipal de São Gonçalo. 2008. p. 155 -167.

SILVA, A.F.G.; PERNAMBUCO, M.M.C.A. Paulo Freire: uma proposta ético-crítica para a Educação Ambiental. In.: LOUREIRO, C.F.B.; TORRES, J.R. (Orgs.) Educação Ambiental: dialogando com Paulo Freire. 1 ed. São Paulo: Cortez, 2014. p.

SILVA, T. T. Documento de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3 ed., 6 reimp. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

SOUZA, D. C. A visão de professores da área de Ciências da Natureza sobre a educação ambiental e sua relação com a política curricular do Estado de São Paulo, Brasil: Algumas contradições. Tecné Episteme y Didaxis: TED. n. 38, p. 147 – 166, segundo semestre de 2015.

TRIVELATO, S. F.; SILVA, R. L. F. Ensino de Ciências. São Paulo: Cengage Learning. 2011 (Coleção Ideias em Ação).

TORRES, J. R. et al. Educação Ambiental crítico-transformadora no contexto escolar: teoria e prática freireana. In: LOUREIRO, C. F. B.; TORRES, J. R. Educação Ambiental: diálogos com Paulo Freire. 1 ed. São Paulo: Cortez, 2014. 184 p.

Downloads

Publicado

29-03-2020

Como Citar

DE SOUSA DA SILVA MELILA, A. P.; FERREIRA DOS SANTOS, M. C. DISCURSOS AMBIENTAIS NO LESTE METROPOLITANO FLUMINENSE: uma análise de documentos curriculares. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 13, n. 1, p. 194–208, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n1.42441. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/42441. Acesso em: 9 fev. 2023.