DESAFIOS DA EDUCAÇÃO INTERCULTURAL PARA AS POLÍTICAS EM CURRÍCULO

uma análise da xenofobia motivada pelo racismo religioso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14n2.44939

Palavras-chave:

Educação Intercultural, Políticas em Currículo, Xenofobia, Religião Africana e Afrodescendente, Escola, Ensino

Resumo

A emergência de discussões sociais sobre temáticas que englobam pessoas e populações em algum estado e/ou processo de vulnerabilidade social faz-se necessária nos espaços coletivos, tais como a escola. O presente estudo toma como centro de análise a Xenofobia motivada pelo racismo religioso às religiões de matrizes africanas e afrodescendentes. Este estudo tem como objetivo avaliar se as formulações epistemológicas da Educação Intercultural Alemã, poderiam ser transplantadas e aplicadas, como instrumento preventivo-pedagógico de enfrentamento as ações de racismo religioso, as quais estão presentes no cotidiano das políticas em currículo no ensino brasileiro. Os procedimentos metodológicos de base qualitativa, aconteceram em três momentos, a saber: 1) revisão de literatura; 2) levantamento de dados hemerográficos; e, 3) análise do conteúdo e escrita do relatório da investigação. Ao término desses processos, é possível apontar principalmente que: o tratamento da xenofobia (aversão ao estranho), conforme ocorre na realidade europeia, não deve ser equiparado à realidade brasileira, uma vez que os motivos da interculturalidade na Alemanha (dialogo com a diferença advinda da migração), são distintos da razão de ser que levam a sua implementação no Brasil (diálogo com povos e comunidades tradicionais); e que, há uma urgência de se refletir sobre a xenofobia, como exemplo, as ações de racismo religioso direcionadas às comunidades tradicionais (povos de terreiro) dentro e fora do ambiente escolar. 

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Miguel Melo Ifadireo, Universidade de Pernambuco, Brasil.

Doutor em Sociologia pela Universidade Federal de Pernambuco e Professor efetivo da Universidade de Pernambuco.

Referências

ALAVI, Bettina. Plädoyer für neue geschichtsdidaktische Überlegungen bezüglich der Methodik eines inklusiven Geschichtsunterrichts, S. 102-140. In: Bettina Alavi; Martin Lücke (Hrsg.): Geschichtsunterricht ohne Verlierer!? Inklusion als Herausforderung der Geschichtsdidaktik. Schwalbach.: Wochenschau 2016.

ARAÚJO-OLIVEIRA, Sonia Stella. Lendo pegadas para construir o futuro, p. 103 – 114. In: GOMES, Nilma Lino; SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves. Experiências étnico-culturais para a formação de professores. 3 ed. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2011 (Coleção Cultura Negra e Identidades).

ARENDT, Hannah. Origens do Totalitarismo. Tradução Roberto Raposo. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

ARENDT, Hannah. Homens em tempos sombrios. Tradução Denise Botmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

ARENDT, Hannah. Eichmman em Jerusalém. Um relato sobre a Banalidade do mal. Tradução José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

AUERNHEIMER, Georg. Einführung in die Interkulturelle Pädagogik. 3. Neu bearbeitete u. erweiterte Auflage. Stuttgart – Darmstadt: Wissenschaftliche Buchgesellschaft, 2006.

BAUMAN, Zygmunt. Unbehagen in der Postmoderne. Hamburg: Hamburger Verlag, 1999a.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade e Ambivalência. Tradução Marcus Penchel. RJ: Jorge Zahar Editora, 1999b.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade e Holocausto. Tradução Marcus Penchel. RJ: Jorge Zahar Editora, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução de nº. 05, de 22 de junho de 2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Indígena na Educação Básica. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?optioon=com_docman.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assunto Jurídicos. Decreto Federal nº. 26, de 04 de fevereiro de 1991. Dispõe sobre a Educação Indígena no Brasil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1990-1994/D0026.htm.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assunto Jurídicos. Lei nº. 11.645, de 10 de março de 2008. Inclui no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena". Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assunto Jurídicos. Decreto de nº. 6861, de 27 de maio de 2009. Dispõe sobre a Educação Escolar Indígena, define sua organização em territórios etnoeducacionais, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6861.htm.

BREITLING, Petra; REESE-SCHÄFER, Walter (Hg.). Universalismus, Nationalismus und die neue Einheit der Deutschen. Frankfurt am Main: Suhrkamp Verlag, 1994.

CARVALHO, Rómulo de. História do ensino em Portugal. Lisboa: Fundação Calouste Gulbekian, 1986.

CAVALCANTI, Maria Juraci Maia; VASCONCELOS, Raimundo Elmo de Paula; ARAUJO, José Edvar Costa de; QUEIROZ, Zuleide Fernandes de (Org.). Escolas e Culturas: Políticas, tempos e territórios de ações educacionais. Fortaleza: Edições UFC., 2009.

CUNHA Jr., Henrique. Pesquisas educacionais em temas de interesses dos afro-brasileiros. In: Lima, Ivan Costa et. Alii. (Orgs) Os negros e a escola brasileira. Florianópolis, nº 6, Núcleo de Estudos Negros (NEN), 1999.

DUALA-M’BEDY, Léopold-Joseph Bonny. Die Genese und Anwendungsmöglichkeiten der Xenologie. Betrachtung im Kontext der Xenophophie, S. 127-180. In: Irene Etzerdorfer; Michael Ley (Hrsg.). Menschenangst. Die Angst vor dem Fremden. Berlin/ Bodenheim: Philo Verlagsgesellschaft, 1999.

FAUSTINO, Rosângela Célia. Política educacional nos anos de 1990: o multiculturalismo e a interculturalidade na educação escolar indígena. 2006. 334 f. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

FLICK, Uwe. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009a.

FLICK, Uwe. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009b.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. 23ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

FÜLÖP-MILLER, René. Os jesuítas e o segredo de seu poder. Porto Alegre: Globo, 1935.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

GOMES FILHO, Antoniel dos Santos. Experiências sociais e educacionais de travestis no Ceará: um estudo comparado em Juazeiro do Norte e Canindé. Dissertação (Metrado em Educação). Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Educação, Salvador, 2017.

GOMES, Nilma Lino. Apresentação, p. 7 – 10. In: GOMES, Nilma Lino; SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves. 3ª Edição. Experiências étnico-culturais para a formação de professores Belo Horizonte: Autêntica editora, 2011 (Coleção Cultura Negra e Identidades).

HEIDEGGER, Martin. A caminho da linguagem. Tradução de Marcia Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis, RJ: Vozes; Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2003.

HEIDEGGER. Ser e Tempo. Parte I. Tradução de Marcia de Sá Cavalcante Schuback. 15ª Edição. Petrópolis: Editora Vozes; Bragança Paulista: Editora Universidade São Francisco, 2005.

HOHENDORFF, Jean Von. Como escrever um artigo de revisão sistemática. In: KOLLER, S. H.; COUTO, M. C. P. P.; HOHENDORFF, J. V. (Orgs.). Manual de produção científica. Porto Alegre: Penso, 2014.

LANDMANN, Michael. Das Fremde und die Entfremdung, S. 180-219. In: Heinz-Horst Schrey (Hrsg.). Entfremdung. Verlag Freies Gestesleben: Stuttgart, 1999.

LENZEN, Dieter. Multikulturalität als Monokultur, S. 147-157. In: Ottfried Schäffter (Hrsg.). Das Fremde. Erfahrungsmöglichkeiten zwischen Fazination und Bedrohung. Westdeutschland Verlag: Opladen 1991.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia científica: ciência e conhecimento científico, métodos científicos, teoria, hipóteses e variáveis, metodologia jurídica. 7 ed. São Paulo: Atlas, 2017.

MBEMBE, Achillie. Crítica a razão negra. Tradução Marta Lança.3ª ed., Lisboa: Antígona Editores, 2014.

MELO, Miguel Ângelo Silva de. Crimes de Ódio e violência contra LGBT no Brasil: um estudo a partir do Nordeste brasileiro. Alexa Cultural: São Paulo, 2018.

MELO, Miguel Ângelo Silva de. Deutschsprachige Einwanderung im Rio Grande do Sul. Integration, Sprache und kulturelle Identitaet im Spanunngsfeld von Politik und Schulwesen. 2005. 156f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação), Universität Hamburg, Hamburg, 2005

MIRANDA, Carlos Alberto Cunha. A arte de curar nos tempos da colônia. Limites e espaços da cura. 2ª. Edição. Recife: Editora Uniersitária, 2011.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil. Identidade Nacional versus identidade negra. 3. Ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

NUNES, Cícera. Reisado Cearense. Uma proposta para o Ensino das Africanidades. Fortaleza: Editora Conhecimento, 2011.

OBERNDÖRFER, Dieter. Das Ende des Nationalstaates als Chance für die offene europäische Republik, p. 199-213. In: BUTTERWEGGE, C.; HENTGES, G. (Hrsg.). Zuwanderung im Zeichen der Globalisierung: Migrations-, Integrations- und Minderheitenpolitik. Wiesbaden: Verlag für Sozialwissenschaften, 2006.

PÖGGELER, Franz. Fremde und Fremheit im Schulbuch und der Wandel der Pädagogik. München: Opladen Verlag, 2004.

RICOEUR, Paul. Tempo e Narrativa. Tomo 1. Tradução Constança Marcondes Cesar. Campinas: Editora Papirus, 1994.

SAVIANI, Dermeval. História das ideias pedagógicas no Brasil. 4ª Edição. Campinas, SP: Autores Associados, 2013 (Coleção memória da educação).

SCHÄFFTER, Ottfried (Hrsg.). Das Fremde. Erfahrungsmöglichkeiten zwischen Fazination und Bedrohung. Westdeutschland Verlag: Opladen 1991.

SILVA, Paulo Vinícios Baptista da. Racismo em livros didáticos: estudo sobre negros e brancos em livros de língua portuguesa. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2008 (Coleção Cultura Negra e Identidades).

SIMMEL, Georg. Exkurs über den Fremden. Soziologie. Untersuchungen über die Formen der Vergesellschaftung. Berlin: Duncker & Humblot, S. 509-512, 1908 APUD. SIMMEL, Georg. Exkurs über den Fremden. In: LOCKE, A. (Hrsg.). Der Gast, der bleibt. Dimensionen von Georg Simmels Analyse des Frendseins. Frankfurt am Main: Frankfurter Verlag, 1992.

SOUZA, Veríssimo; SOUZA, Lourenço. Pontos de nossa história. Curityba: Livraria Moderna de Rocha & Veloso, 1912 apud. SILVA, Paulo Vinícios Baptista da. Racismo em livros didáticos: estudo sobre negros e brancos em livros de língua portuguesa. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2008 (Coleção Cultura Negra).

Downloads

Publicado

2021-07-31

Como Citar

IFADIREO, M. M. DESAFIOS DA EDUCAÇÃO INTERCULTURAL PARA AS POLÍTICAS EM CURRÍCULO: uma análise da xenofobia motivada pelo racismo religioso . Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 14, n. 2, p. 1–14, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14n2.44939. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/44939. Acesso em: 18 set. 2021.