DIREITO À EDUCAÇÃO NA PANDEMIA

defender a vida e não as prescrições curriculares da BNCC

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14n2.58060

Palavras-chave:

Pandemia, Currículo, Direito à Educação, Educação do Campo

Resumo

As orientações dos órgãos de gestão pública e de controle social das políticas educacionais para o período emergencial da pandemia, tem apresentado soluções burocráticas e padronizadas para dar seguimento ao ano letivo e ao currículo nas redes e sistemas de educação. O presente artigo traz uma análise do cenário da educação com base nas reflexões de coletivos da Educação e do Campo, objetivando colocar em debate como o Estado brasileiro vem negligenciando o direito à educação, tendo em vista a centralidade dada à BNCC e a legitimação do ensino remoto, que enfraquecem a formação humana integral dos estudantes e colaboram, de forma expressiva, para a desresponsabilização do Estado para com as políticas estruturantes que viabilizam a oferta da educação com qualidade, durante e depois da pandemia. Conclui-se que para superar tais contradições, é fundamental que o Estado brasileiro e órgãos de controle social, aprofundem a análise sobre as condições efetivas da ofertada da educação na pandemia e ampliem os canais de diálogos com as comunidades e escolas, visando conhecer as diferentes realidades e, assim, construir saídas concretas que assegurem o direito à educação para todos e todas.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Salomão Antônio Hage, Universidade Federal do Pará, Brasil.

Doutor em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e Professor Associado da Universidade Federal do Pará.

Ivânia Paula Freitas de Souza Sena, Universidade do Estado da Bahia, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia e Professora Assistente da Universidade do Estado da Bahia,

Referências

AGÊNCIA BRASIL. Pesquisa Tic Kids online 2019. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/tags/tic-kids-online. Acesso em: 10 nov. 2020.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 05 de outubro de 1988. Brasília: Imprensa Oficial, 1988.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Câmara Federal, 1996.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Educação é a Base. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2017.

CARTA ABERTA EM DEFESA DA EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (CONTRA PROJETOS DE CENSURA À EDUCAÇÃO NACIONAL), Disponível em: http://www.anfope.org.br/wp-content/uploads/2018/07/CARTA-Aberta-em-defesa-da-EDUCA%C3%87%C3%83O-DEMOCR%C3%81TICA-.pdf. Acesso em: 13 fev. 2021.

CETIC.BR - CENTRO REGIONAL DE ESTUDOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO (CETIC.BR). Disponível em: https://www.cetic.br/pesquisa/domicilios/. Acesso em 09 abr. 2020.

CRISPIN, Crisleine da Silva. FACCI, Marilda Gonçalves Dias. Significado Social, sentido pessoal e readaptação docente: reflexões à luz da psicologia histórico – cultural. In: FACCI, Marilda Gonçalves Dias; URT, Sônia da Cunha. (Orgs.) Quando os professores adoecem: demandas para a psicologia da educação. Campo Grande, MS: Ed. UFMS, 2020.

FELIPE, Eliana da Silva. Do SAEB à BNCC: padronizar para avaliar. In: UCHÔA, Antônio Marcos da Conceição. LIMA, Átila de Menezes; SENA, Ivânia Paula Freitas de Souza. (Orgs.). Reformas educacionais: avanço ou precarização da educação pública? Diálogos Críticos. Volume 2. Porto Alegre, RS: Editora Fi, 2020. Disponível em: https://www.editorafi.org/793dialogos. Acesso em: 03 mar. 2021.

FONEC – FÓRUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO. Carta do Fórum Nacional de Educação do Campo - FONEC, Articulações, Comitês e Fóruns Estaduais de Educação do Campo e Apoiadores/as. Brasília. 2020. (digitalizado).

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Brasília. 42 Edição. Paz e Terra. 2005.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Básica. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/julho-2013-pdf/13677-diretrizes-educacao-basica-2013-pdf/file. Acesso em: 11 fev. 2021.

SANTOS, Clarice Aparecida dos, MOLINA, Mônica Castagna; HAGE, Salomão Antônio Mufarrej. Ensino Remoto e à Distância aprofunda as Desigualdades e não garante o Direito à Educação dos Povos Tradicionais e Camponeses em Tempos de Pandemia, Dez. 2020. Disponível em: https://anped.org.br/news/ensino-remoto-e-distancia-aprofunda-desigualdades-e-nao-garante-o-direito-educacao-dos-povos. Acesso em: 20 de fev. 2021.

SAVIANI, Demerval. MARSÍGLIA, Ana Carolina Galvão. Educação na Pandemia: a “falácia” do ensino remoto. COVID-19. Trabalho e saúde docente. In: ANDES-SN. Universidade e Sociedade 67. Pandemia da Covid-19 - Trabalho e saúde docente, Jan.2021. Disponível em: https://issuu.com/andessn/docs/revista_us_67_web. Acesso em: 05 mar. 2021.

TAFFAREL, Celi Nelza Zulke. SOUSA, Érica Cordeiro Cruz (orgs). Dossiê: contribuição ao debate sobre o que fazer em educação em meio à pandemia do coronavirus. (COVID-19). LEPEL, GEPEC, UFBA – FACED, ANFOPE. Salvador. Julho de 2020. Disponível em: http://www.anfope.org.br/wp-content/uploads/2020/07/DOSSI%C3%8A-CONTRIBUI%C3%87%C3%83O-AO-DEBATE-SOBRE-O-QUE-FAZER-EM-EDUCA%C3%87%C3%83O-vs-11-07-20-compactado.pdf. Acesso em: 05 mar.2021.

Downloads

Publicado

2021-06-09

Como Citar

HAGE, S. A.; SENA, I. P. F. de S. . DIREITO À EDUCAÇÃO NA PANDEMIA: defender a vida e não as prescrições curriculares da BNCC. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 14, n. 2, p. 1–14, 2021. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14n2.58060. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/58060. Acesso em: 18 set. 2021.