OS DOCUMENTOS CURRICULARES E SUAS INFLUÊNCIAS NO CURRÍCULO DE MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL

uma análise em uma perspectiva sociocultural

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v14iEspecial.60795

Palavras-chave:

Princípios., Currículo., Matemática.

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar uma discussão sobre as influências da Base Nacional Comum Curricular - BNCC e o Documento Curricular de Roraima – DCR, no currículo de Matemática do Ensino Fundamental, a partir de uma perspectiva sociocultural, tomando como subsídios os princípios que orientam esses documentos. Metodologicamente, o trabalho foi desenvolvido sob uma abordagem qualitativa e as informações foram obtidas por meio de uma análise documental, tomando como referência a BNCC e o DCR. Os resultados apontam que os documentos analisados, trazem orientações importantes para o que se propõe para o desenvolvimento do currículo na perspectiva sociocultural, especialmente sob a ótica dos seus princípios orientadores, pois sustentam novas visões de ensino e aprendizagem da Matemática, pautando-o no desenvolvimento dos estudantes em suas diferentes dimensões, garantindo a sua formação integral, com respeito à diversidade, singularidade e pluralidade,  para a inclusão social, o exercício da cidadania, do trabalho, da autonomia e da formação de uma sociedade baseada em conhecimentos e justiça social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Luzia Voltolini, Universidade Estadual de Roraima, Brasil.

Doutora em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Luterana do Brasil e Professora da Universidade Estadual de Roraima.

Carmen Teresa Kaiber, Universidade Luterana do Brasil, Brasil.

Doutora em Ciências da Educação pela Universidade Pontifícia de Salamanca, Espanha. Professora da Universidade Luterana do Brasil.

Referências

ALSINA, Ângel; ESCALADA, Cristina. Educación matemática en las primeras edades desde un enfoque sociocultural. Revista Aula de Infantil, Barcelona, n. 44, p. 26-30, jul. ago. 2008. Disponível em: http://www.grao.com/revistas/aula-infantil/044-proyectos-y-actividades-para-cambiar-el-entorno/educacion-matematica-en-las-primeras-edades-desde-un-enfoque-sociocultural. Acesso em: 30 ago. 2021.

BRASIL. Senado Federal. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 2020a. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/566968/CF88_EC105_livro.pdf. Acesso em: 30 abr. 2021.

BRASIL. Senado Federal. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: LDB 9.393/96. 4. ed. Brasília, DF, 2020b. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/572694/Lei_diretrizes_bases_4ed.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 30 ago. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Base Nacional Comum Curricular. A Base: perguntas e respostas. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 10 maio 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília, DF, 2013a. http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=13448-diretrizes-curiculares-nacionais-2013-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 10 maio 2021.

BRASIL. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Educação em Direitos Humanos: Diretrizes Nacionais. Brasília, DF, 2013b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=32131-educacao-dh-diretrizesnacionais-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 10 abr. 2021.

CANTORAL, Ricardo. Teoria Socioepistemológica de la Matemática Educativa. Estudios sobre construcción social del conocimiento. DME – Cinvestav: Gedisa editorial, 2013.

CANTORAL, Ricardo; REYES-GASPERINI, Daniela; MONTIEL, Gisela. Socioepistemología, Matemáticas y Realidad. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, v. 7, n. 3, out. 2014 - jan. 2015. Disponível em:

<http://www.revista.etnomatematica.org/index.php/RLE/article/view/149/161>. Acesso em: 12 ago. 2021.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Las bases conceptuales del Programa Etnomatemática. Revista Latinoamericana de Etnomatemática. v. 7, n. 2, jun./set. 2014. Disponível em: <http://www.revista.etnomatematica.org/index.php/RevLatEm>. Acesso em: 26 abr. 2021.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Educação para uma sociedade em transição. 2. ed. Natal: EDUFRN, 2011.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

MOREIRA, Antonio Flavio Barbosa; CANDAU, Vera Maria. (Orgs). Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

PASSOS Cármen Lúcia Brancaglion; NACARATO Adir Mendes. Trajetória e perspectivas para o ensino de matemática nos anos iniciais. Estudos Avançados, vol. 32, n. 94. p. 119-135. São Paulo, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ea/a/VqMq5VmXSk45CKXtvFmZZrN/?format=pdf&lang=pt. Acesso: 10 maio 2021.

RORAIMA. Estado. Documento Curricular de Roraima. 3ª versão. 2019a. Disponível em:

http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/implementacao/curriculos_estados/documento_curricular_rr.pdf. Acesso em: 10 mar. 2021.

RORAIMA . Estado. Resolução n. 01.2019. 2019b. Disponível em: Disponível em: http://www.cee.rr.gov.br/index.php/videos/send/22-resolucoes-2019/267-resolucao-n-01-2019. Acesso em: 30 abr. 2021.

SAMPIERI, Roberto Hernández; COLLADO, Carlos Fernández; LUCIO. María del Pilar Baptista. Metodologia de pesquisa. 5. ed. Porto Alegre: Penso, 2013.

SKOVSMOSE, Ole et al. A aprendizagem matemática em uma posição de fronteira: foregrounds e intencionalidade de estudantes de uma favela brasileira. Bolema, v. 26, n. 42A, p. 231-260, abr. 2012. Rio Claro. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/bolema/v26n42a/11.pdf>. Acesso em: 12 ago. 2021.

SKOVSMOSE, Ole et al. Antes de dividir temos que somar: ‘entre-vistando’ foregrounds de estudantes indígenas. Bolema, ano 22, n.º 34, p. 237 a 262. Rio Claro, 2009. Disponível em: <http://www2.rc.unesp.br/bolema/?q=bolema/34>. Acesso em: 12 ago. 2021.

SILVA, Neivaldo. Ensino de matemática, ética e sociedade: A etnomatemática e a modelagem como possibilidades. Amazônia: Revista de Educação em Ciências e Matemática, vol. 1, n. 2, jan. jun. 2005. Disponível em: https://periodicos.ufpa.br/index.php/revistaamazonia/article/view/1474/0. Acesso em: 30 abr. 2021.

SOARES DA SILVA, Rossieli. Ministério da Educação e Cultura. Base Nacional Comum Curricular. A Base: perguntas e respostas.. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 10 maio 2021.

SOTO, Daniela; CANTORAL, Ricardo. Discurso Matemático Escolar y Exclusión. Una Visión Socioepistemológica. Bolema, v. 28, n. 50, p. 1525-1544, dez. 2014. Rio Claro, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/bolema/a/xWGQpR9xVwBBKN3BWVz6bTL/?lang=es. Acesso em: 04 set. 2021.

VOLTOLINI, Luzia; KAIBER, Carmen Teresa. Etnomatemática e Socioepistemologia: uma Reflexão sobre o Ensino e Aprendizagem da Matemática em uma Perspectiva Sociocultural. In: KAIBER, Teresa Kaiber; Groenwald Claudia Lisete Oliveira (Orgs.). Ensino e aprendizagem em ciências e matemática: referenciais, práticas e perspectivas. Canoas: ULBRA, 2020. Disponível em: http://ppgecim.ulbra.br/laboratorio/index.php/literaturas/livros/. Acesso em: 15 ago. 2021.

Downloads

Publicado

13-02-2022

Como Citar

VOLTOLINI, L.; KAIBER, C. T. OS DOCUMENTOS CURRICULARES E SUAS INFLUÊNCIAS NO CURRÍCULO DE MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: uma análise em uma perspectiva sociocultural. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 14, n. Especial, p. 1–21, 2022. DOI: 10.15687/rec.v14iEspecial.60795. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/60795. Acesso em: 23 jul. 2024.