CONCEPÇÕES DOCENTES NORTEADORAS DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS COM BEBÊS EM CRECHE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15687/rec.v16i2.64205

Palavras-chave:

Currículo, Bebês, Concepções docentes

Resumo

Este artigo tem como mote central o currículo para bebês no espaço coletivo da creche, tomando como foco as concepções docentes acerca de bebês, creche, currículo e professora de bebês. Resulta de uma pesquisa qualitativa mais ampla com características de um estudo de caso, que analisou o currículo em desenvolvimento em turmas de berçário sob a responsabilidade de duas docentes em uma instituição pública municipal. Os principais instrumentos de geração de dados foram observações e entrevistas. Seus aportes teóricos fundamentais foram os estudos de pesquisadores que: explicitam e diferenciam os conceitos de criança, infância e bebês, notadamente, oriundos da Sociologia da Infância e da Psicologia do desenvolvimento; consideram o currículo como instrumento que contempla a integralidade da criança; que a respeita e a enfatiza; e inclui as práticas sociais cotidianas (BARBOSA, 2010; GOBBATO; BARBOSA, 2017; BARBOSA; RICHTER, 2009). Seus resultados evidenciaram práticas docentes marcadas por concepções bastante sedimentadas, originadas, provavelmente, de vivências pessoais e do senso comum. Assim, tratam-se de fazeres pedagógicos assentados na compreensão de bebês como pouco competentes e sem agência; de creche como lugar exclusivo de “guarda”; de currículo como instrumento desnecessário às turmas de berçário; e de professora que atua nesses agrupamentos como alguém que precisa gostar de crianças e possuir saberes “naturais” da maternidade. Considerando a relação entre formação docente e qualidade das oportunidades de aprendizagem e desenvolvimento criadas para e com as crianças nas creches, constata-se a necessidade de formação inicial e continuada específica para pedagogos que pretendem exercer a docência com bebês.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rosimeire Cruz, Universidade Federal do Ceará, Brasil

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Ceará e Professora da mesma instituição. 

Maria Crélia Carneiro, Secretaria Municipal de Educação de Fortaleza, Brasil

Mestre em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará e Técnica formadora de professores na Rede Municipal de Fortaleza. 

Referências

ANDRADE, Rosimeire Costa de. A rotina da pré-escola na visão das professoras, das crianças e de suas famílias. 2007. 300 f. Tese (Doutorado) - Curso de Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2007. Disponível em: https://repositorio.ufc.br/handle/riufc/3276#:~:text=Na%20perspectiva%20das%20fam%C3%ADlias%2C%20o,tornaria%20a%20rotina%20ainda%20melhor. Acesso em: 18 ago. 2022..

ARCE, Alexandra. Documento oficial e o mito da educadora nata na Educação Infantil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 113, p. 167-184, jul. 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/n113/a09n113.pdf. Acesso em: 13 de maio 2021.

ARRUDA, Glacione Ribeiro da Silva; NASCIMENTO, Anelise Monteiro do. Quem são os bebês?: perspectivas e possibilidades para a construção de um conceito. Educação em Foco, Juiz de Fora, v. 24, n. 3, p. 981-1018, 2 dez. 2019. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/edufoco/article/view/29156. Acesso em: 24 nov. 2021.

BARBOSA, Maria Carmem S. As especificidades da ação pedagógica com os bebês. Consulta pública sobre orientações curriculares nacionais da Educação Infantil. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2010-pdf/7154-2-2-artigo-mec-acao-pedagogica-bebes-mcarmem/file#:~:text=Como%20vimos%20anteriormente%2C%20uma%20especificidade,se%20estabelecem%20entre%20as%20pessoas. Acesso em: 3 set. 2021.

BARBOSA, Maria Carmem S.; RICHTER, Sandra Regina S. Desenvolvimento da criança de 0 a 3 anos: qual o currículo para bebês e crianças bem pequenas? In: BRASIL. (org.). Educação de Crianças em Creche: Salto para o Futuro. TV Escola. XIX, n. 15, p. 85-95, out. 2009. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2009. p. 25-30. Disponível em: http://www.diversidadeducainfantil.org.br/PDF/Educa%C3%A7%C3%A3o%20de%20crian%C3%A7as%20em%20creche%20-%20Salto%20para%20o%20futuro.PDF. Acesso em: 3 set. 2021.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BOGDAN, Robert C. e BIKLEN, Sari K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Portugal: Porto Editora, 1994.

BONDIOLI, Anna; MANTOVANI, Susanna (org.). Manual de Educação Infantil de 0 a 3 anos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 9.394/1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF: Casa Civil, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 3 ago. 2021.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP Nº 1/2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Brasília: MEC, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf. Acesso em: 7 abr. 2021

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CEB Nº 5/2009. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF: CNE, 2009a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb005_09.pdf. Acesso em: 3 set. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Práticas Cotidianas na Educação Infantil: bases para a Reflexão sobre as Orientações Curriculares. Projeto de Cooperação Técnica MEC/UFRGS para a Construção de Orientações Curriculares para a Educação Infantil. Brasília, DF: MEC, 2009b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/relat_seb_praticas_cotidianas.pdf. Acesso em: 3 set. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Critérios para um atendimento em creches que respeite os direitos fundamentais das crianças. 2. ed. Brasília, DF: MEC, 2009c. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/direitosfundamentais.pdf. Acesso em: 21 abr. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular: Proposta Preliminar. Brasília, DF: MEC, 2016. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/maio-2016-pdf/40791-bncc-proposta-preliminar-segunda-versao-pdf/file. Acesso em: 25 jun. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular: Educação é a base. Brasília, DF: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 3 set. 2021.

CARNEIRO, Maria Crélia Mendes. Currículo para bebês no contexto da creche: concepções, práticas e participação das crianças. 2017. 299 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2017. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=5085426. Acesso em: 08 out. 2022.

CARONI, Cybelle. Conhecendo a rotina da classe bebê. In: CAIRUGA, Rosana Rego; CASTRO, Marilene Costa de; COSTA, Márcia Rosa da (org.). Bebês na escola, observação, sensibilidade e experiências essenciais. Porto Alegre: Editora Mediação, 2. ed. 2015, p.173-201.

COUTINHO, Angela Maria Scalabrin. A ação social dos bebês: um estudo etnográfico no contexto da creche. 2010. 291f. Tese (Doutorado em Estudos da Criança) – Instituto de Educação, Universidade do Minho, Braga, 2010.

CRUZ, Silvia Helena Vieira. A formação inicial e continuada e a profissionalidade específica dos docentes que atuam na Educação Infantil. In: FRADE, Isabel Cristina A. da Silva et al. (org.). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. p. 351-369. (Didática e prática de ensino).

DAHLBERG, Gunilla; MOSS, Peter; PENCE, Alan R. Qualidade na educação da primeira infância: perspectivas pós-modernas. Trad. Magda França Lopes Porto Alegre: Artmed, 2003.

FOCHI, Paulo Sergio. A complexa sutileza da ação pedagógica com bebês. In: PEREIRA, Ana Cristina Carvalho (org.). Atravessamentos: Ensino – Aprendizagem de arte, formação do professor e educação infantil. Belo Horizonte: Escola de Belas Artes; UFMG, 2015. p.47-54.

FREIRE, Madalena. Aspectos Pedagógicos do construtivismo pós-piagetiano – II. In: GOSSI, Esther Pillar; BORDIN, Jussara (org.). Construtivismo pós-piagetiano: um novo paradigma sobre aprendizagem. Petrópolis: Vozes, 1993, p. 162-167.

GARCEZ, Andrea; DUARTE, Rosalia; EISENBERG, Zena. Produção e análise de videogravações em pesquisas qualitativas. Educação e Pesquisa [S. l.], v. 37, n. 2, p. 249-261, 2011. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1517-97022011000200003. Acesso em: 21 jun. 2021.

GOBBATO, Carolina; BARBOSA, Maria Carmen Silveira. A (dupla) invisibilidade dos bebês e das crianças bem pequenas na educação infantil: tão perto, tão longe. Revista Humanidades e Inovação, [S. l.], v. 4, n. 1, p. 21- 36, 2017. Disponível em: https://revista.unitins.br/index.php/humanidadeseinovacao/article/view/289. Acesso em: 24 nov. 2021.

GOTTLIEB, Alma. Para onde foram os bebês? Em busca de uma Antropologia de bebês (e de seus cuidadores). Revista de Psicologia da USP, São Paulo, v. 20, n. 3, p.313-336, jul./set. 2009. Disponível em: file:///C:/Users/Maria%20Cr%C3%A9lia%20Mendes/Downloads/42002-50155-1-PB.pdf. Acesso em: 27 jul. 2021.

GUIMARÃES, Daniela. Relações entre bebês e adultos na creche: o cuidado como ética. São Paulo: Cortez, 2011.

HADDAD, Lenira. A creche em busca de identidade: perspectivas e conflitos na construção de um projeto educativo. São Paulo: Loyola, 1991.

HARMS, Thelma; CRYER, Debby R.; CLIFFORD, Richard M. Infant/Toddler environment Rating Scale –Revised edition. New York: Teachers College Press, 2003. Tradução e adaptação para o português (Brasil): Escala de Avaliação de Ambientes Coletivos para crianças de 0 a 30 meses –ESAC. Tradutores: Mara Campos de Carvalho e Eliana Behring, 2003.

KUHLMANN JR., Moysés. Infância e Educação Infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 2015.

MALAGUZZI, Loris. Ao contrário, as cem existem. In: EDWARDS, Carolyn; GANDINI, Lella; FORMAN, George. (org.). As cem linguagens da criança: a abordagem de Reggio Emilia na educação da primeira infância. Porto Alegre: Artes Médicas Sul Ltda., 1999. p. vi.

MARTINS FILHO, Altino José; DELGADO, Ana Cristina Coll. A construção da docência com bebês e crianças bem pequenas em creches. In: MARTINS FILHO, Altino José (org.). Educar na creche: uma prática construída com os bebês e para os bebês. Porto Alegre: Mediação, 2016. p. 09-22.

MOSS, Peter. Reconceitualizando a infância: crianças, instituições e profissionais. In: MACHADO, Maria Lucia de A. (org.). Encontros e desencontros em educação infantil. São Paulo: Cortez, 2002. p. 235-247.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, Júlia. O desenvolvimento profissional das educadoras de infância: entre os saberes e os afetos, entre a sala e o mundo. In: OLIVEIRA-FORMOSINHO, Júlia; KISHIMOTO, Tizuko Morchida (org.). Formação em contexto: uma estratégia de integração. São Paulo: Pioneira/Thomson Learning, 2002. p. 41-88.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, Júlia Oliveira; FORMOSINHO, João. A formação como pedagogia da relação. Revista da FAEEBA-Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 27, n. 51, p. 19-28, 2018.

ORTIZ, Cisele; CARVALHO, Maria Teresa Venceslau de. Interações: ser professor de bebês - cuidar, educar e brincar, uma única ação. São Paulo: Blücher, 2012. (Coleção Interações).

PERDIGÃO, A. L. R. V. Concepções pessoais de futuros professores sobre processos de aprendizagem e de ensino. In: REALI, A. M. M. R.; MIZUKAMI, M. G. N. (org.). Formação de professores: práticas pedagógicas e escola. São Carlos: UFSCar, 2002. p. 265-291.

PROUT, Alan. Reconsiderar a nova Sociologia da Infância: para um estudo multidisciplinar das crianças. In: CICLO DE CONFERÊNCIAS EM SOCIOLOGIA DA INFÂNCIA, 1., 2004, Braga. Anais [...]. Braga: IEC, 2004.

RAMOS, Tacyana Karla Gomes. Possibilidades de organização de práticas educativas na creche em parceria com os bebês: o que “dizem” as crianças? In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, GT 07 -EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS DE 0 A 6 ANOS, 34., 2011, Natal. Anais [...]. Natal: ANPED, 2011. Disponível em: http://34reuniao.anped.org.br/images/trabalhos/GT07/GT07-1092%20int.pdf. Acesso em: 5 nov. 2021.

RIBEIRO, Alessandra Gondim. As influências da formação inicial universitária no curso de Pedagogia da FACED/UFC para as práticas de cuidado/educação na creche. 2020. 276f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2020. Disponível em: https://repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/57371/5/2020_dis_agribeiro.pdf. Acesso em: 7 fev 2022.

RICHTER, Sandra Regina S; BARBOSA, Maria Carmem S. Os bebês interrogam o currículo: as múltiplas linguagens na creche. Santa Maria, v. 35, n. 1, p. 85-96, jan./abr 2010. Disponível em: http://www.ufsm.br/revistaeducacao. Acesso em: 25 jul. 2021.

ROCHA, Eloisa Acires Candal. A pedagogia e a Educação Infantil. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 16, p. 27-34, jan./abr., 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n16/n16a03.pdf. Acesso em: 22 jun. 2021.

ROSEMBERG, Fúlvia. Creches Domiciliares: Argumentos ou falácias. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 56, p. 73-81, fev. 1986.

ROSEMBERG, Fúlvia. A cidadania dos bebês e os direitos de pais e mães trabalhadoras. In: FINCO, Daniela; GOBBI, Marcia Aparecida; FARIA Ana Lúcia Goulart de. (org.). Creche e feminismo: desafios atuais para uma educação descolonizadora. Campinas: Edições Leitura Crítica. Associação de Leitura do Brasil – ALB; São Paulo: Fundação Carlos Chagas - FCC, 2015. p. 163-183. Disponível em: https://www.fcc.org.br/livros/CRECHE_E_FEMINISMO_Donwload_pedro_menor.pdf. Acesso em: 7 set. 2021.

RUSSO, Danilo. De como ser professor sem dar aulas na escola da infância. In: FARIA, Ana Lucia Goulart (org.). O coletivo infantil em creches e pré-escolas: falares e saberes. São Paulo: Cortez, 2007. p. 67-93.

SANTOS, Aurea Raquel Fernades M. dos; OSTETTO, Luciana. Arte, crianças, educação infantil: diálogos com Anna Marie Holm. In: MORO, Catarina; Gizele de SOUZA (org.) Educação infantil: construção de sentidos e formação. Curitiba: NEPIE/UFPR, 2018. p.101-116.

SARMENTO, Manoel Jacinto. Visibilidade social e estudo da infância. In: VASCONCELLOS, Vera Maria Ramos de; SARMENTO, Manoel Jacinto. (org.). Infância (in)visível. Araraquara: Juqueira & Marin, 2007. p.25-49.

STROZZI, Paola. Um dia na escola, um cotidiano extraordinário. In: ZERO, Project. (org.). Tornando visível a aprendizagem: crianças que aprendem individual e em grupo. São Paulo: Phorte, 2014. p. 60-69.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação, São Paulo: Atlas, 1987.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ. Faculdade de Educação. Roteiro de caracterização da Educação Infantil em uma Fortaleza-CE [Instrumento de apoio à disciplina Educação Infantil, lecionada no Curso de Pedagogia da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Ceará]. Fortaleza: UFC, 2017. Mimeografado.

WALLON, Henri. A evolução psicológica da criança. Trad. Claudia Berliner. São Paulo: Martins Fontes, 2007. (Coleção psicologia e pedagogia).

WINNICOTT, Donald W. A criança e o seu mundo. Rio de Janeiro: LTC, 2014.

Downloads

Publicado

01-02-2023 — Atualizado em 06-06-2023

Como Citar

CRUZ, R. .; CARNEIRO, M. C. . CONCEPÇÕES DOCENTES NORTEADORAS DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS COM BEBÊS EM CRECHE . Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 16, n. 2, p. 1–16, 2023. DOI: 10.15687/rec.v16i2.64205. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/64205. Acesso em: 20 jun. 2024.