PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS E FAMILIARES DE CRIANÇAS DE CRECHES QUANTO AO TRABALHO DESENVOLVIDO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Resumo

A polêmica sobre o cuidar e o educar tem constituído o panorama de fundo sobre o qual se constroem as propostas em Educação Infantil. Nas últimas décadas, os debates enfatizam a necessidade das funções do educar e cuidar estarem integradas nessa etapa do ensino. O presente estudo investigou os sentidos que profissionais e familiares de crianças atribuíram ao trabalho desenvolvido em suas instituições de Educação Infantil. Foi utilizada a metodologia de grupos focais. A análise considerou as falas de cada grupo focal e procurou identificar regularidades que indicassem sentidos consensuados mas também discrepâncias e diferenças nos grupos e entre os grupos. De forma geral, as falas dos familiares e das profissionais não foram dissonantes e apontaram uma visão positiva da Educação Infantil e das vivências das crianças nas creches que foram associadas ao seu desenvolvimento integral e a um melhor desempenho na sua vida familiar e escolar, no entanto há muitos desafios mencionados, afirmando a importância da existência das instituições da Educação Infantil com atendimento educacional de qualidade. Pretende-se que esse estudo contribua na discussão sobre o papel e as funções do atendimento educacional da primeira infância, a partir da análise das falas dos atores envolvidos, família e profissionais.

Biografia do Autor

Karla Cabral Barroca, Secretaria Municipal de Educação de Recife/PE
Pedagoga, Mestre em Educação, Culturas e Identidades pela UFRPE, gestora e professora de Educação Infantil da rede pública municipal de Recife. E-mail: kakabarroc@hotmail.com.
Patricia Maria Uchôa Simões, Fundação Joaquim Nabuco
Doutora em Psicologia Cognitiva pela Universidade Federal de Pernambuco. Professora Permanente do Programa de Pós-graduação em Educação, Culturas e Identidades da FUNDAJ/UFRPE. Pesquisadora da área de Educação e Infâncias da FUNDAJ. Coordenadora do Grupo de Pesquisa Infâncias e Educação na Contemporaneidade.

Referências

AMORIM, Adenice; BRITO, Mônica; BARROS, Siriene. Pare! Respeite-me, também sou cidadão! Revista Criança do Professor de Educação Infantil, Brasília, DF: MEC, n. 39, p. 15-17, abr. 2005.

ANDRADE, Lucimary Bernabé Pedrosa de. Educação Infantil: discurso, legislação e práticas institucionais. São Paulo: Editora Unesp, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Referencial Curricular para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998.

______. Política Nacional de Educação Infantil: pelo direito das crianças de zero a seis anos à Educação. Brasília: MEC, SEB, 2006.

______. Ministério de Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF: MEC, 2009.

CAMPOS, Maria Malta. et al. A contribuição da educação infantil de qualidade e seus impactos no início do ensino fundamental. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 1, p.15-33, jan./abr. 2011.

CORSINO, Patrícia. (org.). Educação Infantil: cotidiano e políticas. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

KRAMER, Sônia. As crianças de 0 a 6 anos nas políticas educacionais no Brasil: Educação Infantil e/é fundamental. Educação e Sociedade, Campinas, v. 27, n. 96 - Especial, p. 797-818, out. 2006.

______. A política do pré-escolar no Brasil: a arte do disfarce - 9. ed. São Paulo, Cortez Editora, 2011.

______. Formação de profissionais de Educação Infantil: questões e tensões. In: MACHADO, Maria Lúcia de A. Encontros e desencontros em Educação Infantil. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

NUNES, M. F. R.; CORSINO, P.; KRAMER, S. (Coord.). Educação Infantil e formação de profissionais no Estado do Rio de Janeiro (1999-2009). Rio de Janeiro: Traço e Cultura, 2011.

KUHLMANN JR., Moisés. Histórias da educação infantil brasileira. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n.14, p. 5-18, mai./ago. 2000.

______. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 2011.

MACHADO, Laêda B.; SANTIAGO, Eliete. (Org.). Política e Gestão da Educação Básica. Recife: Ed Universitária UFPE, 2009.

MICARELLO, Hilda Aparecida Linhares da Silva. Formação de profissionais da Educação Infantil: “sair da teoria e entrar na prática?” In KRAMER, Sônia. Profissionais de Educação Infantil: gestão e formação. São Paulo, Ática, 2005.

OLIVEIRA, Zilma de Moraes Ramos. A creche no Brasil: mapeamento de uma trajetória. Revista da Faculdade de Educação, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 43-52, jan./jun. 1988.

RECIFE. Resolução nº 14/2004, de 22 de junho de 2004. Estabelece normas para credenciamento das Instituições de Educação Básica, integrantes do Sistema Municipal de Ensino do Recife – SMER pela Secretaria de Educação do Recife. Conselho Municipal de Educação, Recife, PE, 22 jun. 2004.

ROSEMBERG, Fúlvia. Educar e cuidar como funções da educação infantil no Brasil: Perspectiva histórica. São Paulo: Faculdade de Ciências Sociais, Pontifícia Universidade de Campinas, 1999.

______. Organizações multilaterais, estado e políticas de educação infantil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 115, p. 25-63, mar. 2002.

ZANNINI, Célia Cabanelas. Educação Infantil enquanto direito. In: MOVIMENTO INTERFÓRUNS DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO BRASIL. Educação infantil: construindo o presente - Movimento Interfóruns de Educação Infantil do Brasil. Campo Grande, MS: UFMS, 2002.

Publicado
2019-09-03
Seção
DOSSIÊ SOBRE EDUCAÇÃO INTERCULTURAL: EPISTEMOLOGIAS E NOVAS FERRAMENTAS