O CURRÍCULO DE FÍSICA

análise, compreensão e crítica dos professores.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2018v1n11.36176

Palavras-chave:

Currículo de física, Currículo Oficial, Professores de Física, Prática Escolar, São Paulo

Resumo

O texto em tela tem como objetivo apresentar a perspectiva que professores da disciplina de física, que trabalham na rede estadual de ensino de São Paulo, possuem sobre o currículo oficial, implementado a partir de 2008, como parte do Programa São Paulo Faz Escola. Nosso intento é relatar como esse grupo de professores compreendem as demandas postas pelo currículo oficial e quais impactos produziram em seu trabalho. Na construção desse processo definimos um grupo de professores de física e realizamos um conjunto de entrevistas. As entrevistas foram estruturadas a partir de quatro blocos que trataram de formação, carreira, trabalho e prática em sala de aula.  Os professores criticam o fato de não terem participado do processo de elaboração do currículo, argumentam que foram desconsideradas as peculiaridades dos contextos escolares, o que ampliou a distância entre o que estabelecia os objetivos do currículo e as condições dos alunos. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Celso do Prado Ferraz Carvalho, Universidade Nove de Julho, Brasil.

Doutor em Educação e Professor do Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Nove de Julho.

Alexandre Afranio Hokama Silva, Secretaria de Estado da Educação de São Paulo, Brasil.

Doutor em Educação pela Universidade Nove de Julho e Professor da Rede Estadual de Ensino de São Paulo.

Referências

CARVALHO, Celso. A reforma da educação no Estado de São Paulo e sua objetivação na prática escolar: dimensões curricular, avaliativa, gestionária e laboral. CNPQ/Projeto de Pesquisa. São Paulo, 2011, mimeo.

DUARTE. Newton. A rendição pós-moderna à individualidade alienada e a perspectiva marxista da individualidade livre e universal. In: DUARTE, Newton. Crítica ao fetichismo da individualidade. Campinas: Autores Associados. 2004. P. 197-217.

FAUSTINO, R. C. Política Educacional nos anos 1990: o multiculturalismo e a interculturalidade na educação escolar indígena. 2006. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2006.

GRUPO DE REELABORAÇÃO DO ENSINO DE FÍSICA (GREF). São Paulo: Edusp,4ª edição, 1998, vol 1.

GRUPO DE REELABORAÇÃO DO ENSINO DE FÍSICA (GREF). São Paulo: Edusp, 4ª edição, 1998, vol 2.

GRUPO DE REELABORAÇÃO DO ENSINO DE FÍSICA (GREF). São Paulo: Edusp, 4ª edição, 1998, vol 3.

SÃO PAULO/SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Proposta Curricular do Estado de São Paulo – São Paulo faz escola. São Paulo: SEE, 2008a.

SÃO PAULO/SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Caderno do Gestor. Gestão do currículo na escola. São Paulo: SEE, 2008b.

Downloads

Publicado

26-04-2018

Como Citar

CARVALHO, C. do P. F.; SILVA, A. A. H. O CURRÍCULO DE FÍSICA: análise, compreensão e crítica dos professores. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 1, n. 11, p. 109–120, 2018. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2018v1n11.36176. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rec/article/view/ufpb.1983-1579.2018v1n11.36176. Acesso em: 17 abr. 2024.