CONCEPÇÕES DE LEITURA NOS PLANOS NACIONAIS DE LEITURA DO BRASIL E DE MOÇAMBIQUE

READING CONCEPTIONS IN BRAZILIAN AND MOZAMBICAN NATIONAL READING PLANS

Autores

  • Ana Paula dos Santos de Sá Pesquisadora do Departamento de Educação da Universidade Federal de São Carlos (DEd-UFSCar) https://orcid.org/0000-0001-8967-8595
  • Carlinda Leite Professora Emérita da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto (FPCEUP) http://orcid.org/0000-0001-9960-2519

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2359-7003.2020v29n2.53326

Palavras-chave:

Ensino de leitura, Litercia, Políticas públicas de leitura

Resumo

É importante conhecer concepções de leitura que fundamentam a sua prática. Para isso, foram analisados os planos nacionais de leitura do Brasil e de Moçambique com o objetivo de identificar concepções de leitura que os fundamentam, e eventuais pontos de convergência e de divergência entre eles. O estudo recorreu a uma análise documental das cartilhas oficiais de apresentação dessas políticas. Essa análise permitiu perceber que nenhum dos planos refere de forma aprofundada conceitualizações de leitura, embora o plano brasileiro anuncie explicitamente uma visão de leitura como prática social e o plano moçambicano oscile entre distintas percepções do ato de ler. Ademais, o primeiro privilegia o acesso ao livro na qualidade de bem cultural, enquanto o segundo dirige especial atenção à promoção da leitura na esfera escolar. Apesar de tais dissonâncias, em ambos os planos a competência leitora é apontada como uma condição e/ou um instrumento para o exercício da cidadania e para a afirmação da diversidade cultural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula dos Santos de Sá, Pesquisadora do Departamento de Educação da Universidade Federal de São Carlos (DEd-UFSCar)

Ana Paula dos Santos de Sá é Doutora em Linguística Aplicada e Mestra em Teoria e História Literária pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Suas publicações e seus interesses de pesquisa centram-se no ensino de literatura na educação básica, com atenção especial ao papel dos livros didáticos e ao lugar assumido pela interculturalidade e pelo leitor no processo ensino-aprendizagem da leitura. Tanto no mestrado, quanto no doutorado, realizou estágios de investigação junto à Universidade do Porto (UP), em Portugal. Participa de grupos de pesquisa de diferentes universidades nacionais e está a desenvolver, no ano de 2020, um projeto de Pós-Doutorado junto à Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Lattes: http://lattes.cnpq.br/5638920766454454

Carlinda Leite, Professora Emérita da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto (FPCEUP)

Carlinda Leite é professora na Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto (FPCEUP) desde 1987, professora catedrática nesta Faculdade desde 2008, investigadora sénior no Centro de Investigação e Intervenção Educativas (CIIE), onde coordena a comunidade CAFTE (Currículo, Avaliação, Formação e Tecnologias educativas), presidente da Comissão de Ética da FPCEUP desde 2018/19, professora emérita da UPorto desde 2019, e avaliadora, desde 2009, da Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES). Ao longo da carreira profissional desempenhou vários cargos em instituições de educação e de formação, assim como em vários órgãos da administração educacional.

Os seus focos principais de investigação são: Políticas de educação e de currículo; Educação e diversidade cultural; Formação de professores; Avaliação de instituições, de cursos, de projetos e da aprendizagem; Currículo e modos de trabalho pedagógico no ensino superior. Tem coordenado vários projetos e é autora de inúmeros artigos publicados em revistas internacionais e nacionais.

Referências

ANJOS, G. dos; PASSIANI, E.; SALOM, J. S. “Para um país de leitores: uma análise uma análise uma análise do Plano o Plano Nacional do Livro e da Leitura (PNLL)”. Indic. Econ. FEE, Porto Alegre, v. 43, n. 3, 2016, pp. 97-110.
BRASIL/MinC/MEC. PNLL - Plano Nacional do Livro e Leitura. MinC/MEC: Brasília-DF, 2007. Disponível em: <https://www.oei.es/historico/fomentolectura/pnll_brasil.pdf>. Acesso em: 20/05/2020.
DUARTE, S. M. X.; MARCUSCHI, B. “Documentos oficiais do Ensino Médio e formação do leitor”. DLCV - João Pessoa, v.8, n.1, jan/jun 2011, pp. 39-56.
IBGE. Censo 2010: população indígena é de 896,9 mil, tem 305 etnias e fala 274 idiomas, 2012. Disponível em: <https://censo2010.ibge.gov.br/noticias-censo?busca=1&id=3&idnoticia=2194&t=censo-2010-poblacao-indigena-896-9-mil-tem-305-etnias-fala-274&view=noticia>. Acesso em: 20/05/2020.
INE. IV Recenseamento geral da população e habitação 2017 - resultados definitivos. INE: Maputo, 2019. Disponível em: <http://www.ine.gov.mz/iv-rgph-2017/mocambique/censo-2017-brochura-dos-resultados-definitivos-do-iv-rgph-nacional.pdf>. Acesso em: 20/05/2020.
MOÇAMBIQUE/MINEDH. Plano Nacional de Acção de Leitura e Escrita (PNALE) - Ler e escrever em casa, Ler e escrever na escola, Ler e escrever na comunidade. MINEDH: Maputo, 2017. Disponível em: <https://www.joint.org.mz/public/assets/documentos/c2a6e333919693b508262e599a2a0b4b.pdf>. Acesso em: 20/05/2020.
NÓVOA, A. “Tempos da escola no espaço Portugal-Brasil-Moçambique: Dez digressões sobre um programa de investigação”, Revista Brasileira de História da Educação, n° 1, jan./jun. 2001, pp. 161-186.
SOARES, M. “Leitura e democracia cultural”, in. PAIVA, A.; MARTINS, A.; PAULINO, G.; VERSIANI, Z. (Orgs.). Democratizando a leitura: pesquisas e práticas, Belo Horizonte: Ceale - Autêntica, 2008, pp. 17-34.
VILAR, M. I. G. M. V. O Plano Nacional de Leitura: fundamentos e resultados. Tese de Doutoramento - Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, UNL: Lisboa, 2016.

Downloads

Publicado

2020-07-30

Como Citar

DE SÁ, A. P. dos S.; LEITE, C. CONCEPÇÕES DE LEITURA NOS PLANOS NACIONAIS DE LEITURA DO BRASIL E DE MOÇAMBIQUE: READING CONCEPTIONS IN BRAZILIAN AND MOZAMBICAN NATIONAL READING PLANS. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 29, n. 2, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.2359-7003.2020v29n2.53326. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rteo/article/view/53326. Acesso em: 17 jan. 2022.

Edição

Seção

ARTIGO DE REVISÃO