Aspectos históricos da OCDE e suas relações com a organização do ensino da matemática no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2359-7003.2023v32n1.56467

Palavras-chave:

Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômicos (OCDE). Organização do Ensino de Matemática. Perspectiva Histórico-Cultural. Materialismo Histórico-Dialético.

Resumo

Neste artigo analisa-se a relação inicial da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e a organização do ensino de Matemática. Parte de uma pesquisa teórica, cuja orientação é a Perspectiva Histórico-Cultural em consonância com o Materialismo Histórico-Dialético. Defende que a compreensão dos interesses dos Organismos Multilaterais (OM) ao influenciar as políticas educacionais, não visa a formação e desenvolvimento humano de maneira igualitária. Conclui que a Organização Europeia para a Cooperação Econômica (OECE) cerne da OCDE, foi a responsável pela organização do Seminário de Royaumont em 1959, contando com a participação de dezoito países, favorecendo a elaboração de um documento intitulado “Um Programa Moderno de Matemática para o ensino Secundário”, publicado em 1961 e que chegou no Brasil em 1965, por meio do GEEM (Grupo de Estudos do Ensino de Matemática). O Programa é concebido pelo organismo como um instrumento para os países redigir novos livros didáticos e manuais visando a formação de capital humano e foi a primeira tentativa da OECE, portanto, da OCDE em influenciar à organização do ensino de matemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Susimeire Vivien Rosotti de Andrade, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Licenciada em Matemática pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE (2001), Mestre em Educação para a Ciência e a Matemática pela Universidade Estadual de Maringá - UEM (2012) e Doutora em Educação Matemática pela Universidade Federal do Mato Grosso do Sul - UFMS (2020). Foi professora da Rede Estadual de Ensino, vinculada ao Núcleo regional de Educação de Foz do Iguaçu/PR, e da Rede Municipal de Ensino. Atualmente é Professora da Área de Educação Matemática, do Centro de Engenharias e Ciências Exatas-Campus Foz do Iguaçu da UNIOESTE, do curso de Licenciatura em Matemática no qual, sou membro do colegiado e coordenadora do Estágio Supervisionado obrigatório do curso. Atua em ações de extensão voltadas a formação de professores de matemática sendo coordenadora do Programa de extensão integrando os alunos do curso em Licenciatura em Matemática à comunidade. Tem experiência na área de Educação, com destaque em Educação Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio, Processos de ensino-aprendizagem-desenvolvimento, Trabalho docente, Formação de professores de matemática e Políticas educacionais. Participante do FOPECIM/ UNIOESTE e FORMEM/UFMS como pesquisadora. Membro da Sociedade Brasileira de Educação Matemática-SBEM e da Associação Nacional de Pós-Graduação em Educação-ANPED.

Patricia Sandalo Pereira, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Possui graduação em Ciências Habilitação Plena Em Matemática pela Universidade Federal de Uberlândia (1985), mestrado em Educação Matemática (1997) e doutorado em Educação Matemática (2005) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Rio Claro. Atualmente é Diretora do Instituto de Matemática, Docente do curso de Licenciatura em Matemática e do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática e Docente do Doutorado em Ensino de Ciências da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da UFMS (2011/2013). Chefe do Departamento de Matemática da UFMS (2009/2010). Avaliadora CAPES de Projetos PIBID (2013). Editora-Chefe do Periódico Perspectivas da Educação Matemática da UFMS (2010-2013).Revisora e membro do corpo editorial de inúmeros periódicos.Coordenadora do Projeto CNPq Estado da arte das pesquisas em educação Matemática que tratam da formação de professores produzidas nos Programas de Pós-Graduação das regiões norte, nordeste e centro-oeste no Brasil a partir de 2005 (2011-2013). Coordenadora do projeto em rede Trabalho colaborativo com professores que ensinam Matemática na Educação Básica em escolas públicas das regiões Nordeste e Centro-Oeste, financiado pelo Programa Observatório da Educação - CAPES na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS (Instituição sede) (2013-2016). Colaboradora do Projeto Universal CNPq Mapeamento e estado da arte da pesquisa brasileira sobre o professor que ensina Matemática (2013-2016). Coordenadora adjunta do Grupo de Trabalho Formação de Professores que ensinam Matemática (GT 7) da Sociedade Brasileira de Educação Matemática (2015-2018). Membro do GT7 - Formação de professores que ensinam Matemática da SBEM. Líder do Grupo de Pesquisa FORMEM - Formação e Educação Matemática. Atualmente desenvolve estudos e pesquisas na área de Educação Matemática e Ensino de Ciências com base nos princípios do Materialismo Histórico Dialético e da Pesquisa Colaborativa, atuando principalmente com Formação de Professores (formação inicial, formação continuada e desenvolvimento profissional).

Referências

ANDRADE, S.V. R. As manifestações de coletividade no processo de formação continuada de professores de matemática. 2020. 319 p. Tese (Doutorado em Educação Matemática) - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, MS, 2020.

BARALDI, M. I.; GAERTNER. R. Contribuições da CADES para a Educação (Matemática) Secundária no Brasil: uma Descrição da Produção Bibliográfica (1953-1971). Bolema, Rio Claro – SP, v. 23, n. 35A, abr. 2010. Disponível em: https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/bolema/article/view/10812. Acesso em: 12 jan. 2018.

CURY, C. R. J. et al. Base Nacional Comum Curricular: dilemas e perspectivas. São Paulo: Cortez, 2018.

CHARLOT, B. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2013.

FALEIROS, P. V. O Que é Política Social. São Paulo: Brasiliense, 2006.

FREITAS, C. L. Três teses sobre as reformas empresariais da educação: perdendo a ingenuidade. Cadernos Cedes, Campinas, v. 36, n. 99, p. 137-153, maio-ago., 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v36n99/1678-7110-ccedes-36-99-00137.pdf. Acesso em: 20 jun. 2017.

FREITAS, C. L. Crítica da organização do trabalho pedagógico e da didática. 3. ed. Campinas: Papirus, 1995.

FRIGOTTO, G. A produtividade da escola improdutiva: um (re)exame das relações entre a educação e a estrutura econômico-social capitalista. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 49. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

GUIMARÃES, H. M. Por uma matemática nova nas escolas secundárias: perspectivas e orientações curriculares da matemática moderna. In: MATOS, J. M.; VALENTE, W. R. (orgs.). A Matemática Moderna nas escolas do Brasil e de Portugal: primeiros estudos. São Paulo: Capes/Da Vinci Editora, 2007.

KOSIK. K. A Dialética do Concreto. 2. ed. Tradução de Célia Neves e Alderico Toríbio. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

KOPNIN, P. V. A dialética como lógica e teoria do conhecimento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira,1978.

LEONTIEV, A. N. Desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Livros Horizonte, 1978.

LIBÂNEO, J. C. Políticas educacionais no Brasil: desfiguramento da escola e do conhecimento escolar. Cadernos de Pesquisa, v. 46 n. 159, p. 38-62 jan./mar. 2016.

MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto do Partido Comunista. São Paulo: Escala, 2008.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã: Crítica da mais recente filosofia alemã em seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stirner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas 1845-1846. São Paulo: Boitempo, 2007.

ORGANIZAÇÃO EUROPÉIA PARA A COOPERAÇÃO ECONÔMICA - OECE. Um programa moderno de matemática para o ensino secundário. São Paulo: GEEM – Grupo de Estudos do Ensino da Matemática, Série Professor, no 2, 1965.

PARO, V. H. Educação como exercício do poder: crítica ao senso comum em educação. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2014.

PINTO, N. B. Na sala de aula com Osvaldo Sangiorgi: Uma estrela-guia da Matemática Moderna no Brasil. In: VALENTE, W. R. (org.). Osvaldo Sangiorgi – um professor moderno. São Paulo: Editora Annablume; Brasília: CNPq; Osasco: GHEMAT, p.119 - 144, 2008.

PINTO, D. F. S. OCDE: uma visão brasileira. Brasília: IRBr; FUNAG, 2000.

PETITAT, A. Produção da escola/produção da sociedade: análises sócio-históricas de alguns momentos decisivos da evolução escolar no Ocidente. Porto Alegre, RS: Artes Médicas, 1994.

PEREIRA, G. A. M. O PISA como parâmetro de qualidade para as políticas educacionais: um estudo comparado entre Brasil e Espanha. 296 f. Doutorado em Educação). Universidade Federal do Paraná, Curitiba – PR, 2016, Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/43505. Acesso em: 12 jun. 2018.

VALENTE, W. R. Osvaldo Sangiorgi e o Movimento da Matemática Moderna no Brasil. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 8, n. 25, p. 583-613, set./dez. 2008. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/160507. Acesso em: 12 maio 2018.

Downloads

Publicado

2023-03-03

Como Citar

ROSOTTI DE ANDRADE, S. V.; SANDALO PEREIRA, P. . Aspectos históricos da OCDE e suas relações com a organização do ensino da matemática no Brasil. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 32, n. 1, p. e-rte321202322, 2023. DOI: 10.22478/ufpb.2359-7003.2023v32n1.56467. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rteo/article/view/56467. Acesso em: 24 fev. 2024.