Quais currículos querem jovens trabalhadores?

um estudo acerca da permanência de estudantes em um curso de Licenciatura em Química

Autores

  • Renata Aparecida Braz Garcia Universidade Tecnológica Federal do Paraná
  • Bruna Jamila de Castro Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Campus de Ourinhos https://orcid.org/0000-0003-3073-0330
  • CRISTIANE BEATRIZ DAL BOSCO REZZADORI UTFPR - LONDRINA

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2359-7003.2024v33n1.68627

Palavras-chave:

Formação inicial de professores. Histórias de vida. Estudantes-trabalhadores

Resumo

A escolha por um curso de graduação está relacionada ao contexto histórico e sociocultural em que o sujeito está envolvido. Uma vez realizada esta escolha, e adentrado o espaço da universidade, a permanência no curso nem sempre é fácil e garantida, em especial para estudantes-trabalhadores. A fim de investigar este contexto, toma-se como objetivo de pesquisa analisar a trajetória formativa de licenciandas-trabalhadoras no âmbito de curso de licenciatura em Química, quanto aos fatores que influenciam na permanência no curso e, consequentemente, na construção de sua identidade docente, em especial o papel do currículo neste contexto. Para tanto, esta investigação fez uso da pesquisa narrativa com enfoque em histórias de vida. As narrativas produzidas foram analisadas com base na análise de conteúdo, proposta por Bardin, e discutidas a partir de referencial teórico do campo da formação de professores no que toca a construção da identidade docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BIASE, E. G. Motivos de escolha do curso de graduação: uma análise da produção cientifica nacional. 2008. 130p. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, 2008.

BRAGANÇA, I. F. S. Histórias de vida e formação de professores: diálogos entre Brasil e Portugal. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2012.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo Escolar da Educação Básica 2022: Resumo Técnico. Brasília: INEP, 2023.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior 2021: Resumo Técnico. Brasília: INEP,2022.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Resultados do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE). Brasília: INEP,2021.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 jun 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. PIBID: apresentação. 2018. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/pibid/pibid>. Acesso em: 21 nov. 2021.

BRASIL. Resolução nº. 7, de 18 de dezembro de 2018. Estabelece diretrizes para a Extensão na Educação Superior Brasileira e regimenta o disposto na meta 12.7 da Lei nº 13.005/2014 e da outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 dez. 2018.

BRASIL. Tribunal de Contas da União. Relatório Sistêmico de Fiscalização da Educação: exercício 2014. Brasília: TCU, Secretaria de Controle Externo da Educação, da Cultura e do Desporto, 2015.

CECHET, A. G. S. O Ingresso na Universidade Pública: análise dos sentidos atribuídos por um grupo de estudantes atendidos pela assistência estudantil. 2013. 90 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2013.

CONNELLY, F. M.; CLANDININ, D. J. On narrative method, personal philosophy, and narrative unities in the story of teaching. Journal of research in science teaching, v. 23, n. 4, p. 293-310, 1986.

FRANCISCHETT, M. N.; GIROTTO, E. D.; MORMUL, N. Mehanna. O PIBID como política pública de permanência no ensino superior e de formação de professores: um estudo de caso. Revista Educere Et Educare, Francisco Beltrão, v. 7, n. 13, p. 82-102, jun. 2012.

FREITAS, H. C. L. O trabalho como princípio articulador na prática de ensino nos estágios. Campinas: Papirus, 2022.

GALVÃO, Cecília. Narrativas em educação. Ciência & Educação (Bauru), v. 11, p. 327-345, 2005.

GARCIA, M. M. Identidade docente. In: OLIVEIRA, D. A.; DUARTE, A. M. C.; VIEIRA, L. M. F. DICIONÁRIO: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

GATTI, B. et al. A Atratividade da Carreira Docente no Brasil. Relatório de pesquisa – versão preliminar. São Paulo: Fundação Carlos Chagas/Fundação Vitor Civita, 2009.

GOMES, K. A. Indicadores de permanência na educação superior: o caso da disciplina Cálculo Diferencial e Integral I. 2015. 217 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Centro Universitário La Salle, Canoas, 2015.

GONDIM, S. M. G. Perfil profissional e mercado de trabalho: relação com a formação acadêmica pela perspectiva de estudantes universitários. Revista Estudos de Psicologia, Campinas, v. 7, n. 2, p. 299-309, jul-dez. 2002

LIMA, M. S. L. Reflexões sobre o estágio/prática de ensino na formação de professores. Rev. Diálogo Educ, p. 195-205, 2008.

LIMA, M. S. L.; PIMENTA, S. G. Estágio e docência: diferentes concepções. Poíesis pedagógica, Catalão, v. 3, n. 3 e 4, p. 5-24, 2006.

LOCATELLI, C.; DINIZ-PEREIRA, J. E. Quem são os atuais estudantes das licenciaturas no Brasil? Perfil socioeconômico e relação com o magistério. Cadernos de Pesquisa, v.26, n.3, p.225–243, 2019.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MACHADO, R. C.; CAVALCANTI, E. L. D. Dificuldades de Aprendizagem versus desempenho acadêmico dos estudantes do curso de química: Relatos Possíveis. REDEQUIM, v.1, n.1, p. 48-61, outubro, 2015.

MARANHÃO, J. D.; VERAS, R. M. O ensino noturno na Universidade Federal da Bahia: percepções dos estudantes. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v. 25, p. 553-584, 2017.

MORAES, A. A. A. Histórias de vida e autoformação de professores: alternativa de investigaçãodo trabalho docente. Pro-posições, v. 15, n. 2, p. 165-173, 2004.

NASCIMENTO, M. A. V. Dimensões da identidade profissional docente na formação inicial. Revista Portuguesa de Pedagogia, Coimbra, v. 41, n. 2, p. 207-218, jan. 2007

NERI, A. A. M.; SOUSA JÚNIOR, A. R. PIBID E PRP: políticas públicas necessárias na formação inicial docente. Boletim de Conjuntura (Boca), Boa Vista, v. 1, n. 1, p. 42-47, 2020.

NÓVOA, A. Os professores e as histórias da sua vida. In: NÓVOA, A. (Org.). Vida de professores. 2. ed. Porto: Porto Ed. 1992, p. 11-30.

PIMENTA, S. G. Formação de professores: identidade e saberes da docência. In: PIMENTA, S. G. (Org.) Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez, 1999.

PIMENTA, S. G.; ANASTASIOU, L. G. C. Docência no ensino superior. São Paulo: Cortez, 2002.

PRETI, D (org). O discurso oral culto. 2a. ed. São Paulo: Humanitas Publicações/USP, 1999.

RITTER, G. F. Estudo sobre Condições de Permanência no Curso de Licenciatura em Química UFRGS. 2014. 61 f. TCC (Graduação em Química) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

SILVA, K. N.; FIGUEIREDO, M. C. Curso de licenciatura em química: motivações para a evasão discente. Actio: Docência em Ciências, v. 3, n. 2, p. 237-254, 2018.

SILVA, T. T. Documentos de identidade; uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

SOUZA, E. C. A arte de contar e trocar experiências: reflexões teórico-metodológicas sobre história de vida em formação. Revista educação em questão, v. 25, n. 11, p. 22-39, 2006.

SOUZA, E. C. Territórios das escritas do eu: pensar a profissão - narrar a vida. Educação, Porto Alegre, v. 34, n. 2, p. 213-220, mai/ago. 2011.

SOUZA, E. C.; SOUSA, R. C. Pesquisa (Auto) Biográfica, Educação e Saúde Docente: escritas de formação e refiguração identitária. Cadernos CERU, São Paulo, v. 32, n. 1, p. 99-126, 2021.

TEIXEIRA, M. A. P. et al. Adaptação à universidade em jovens calouros. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 185-202, jan./jun. 2008.

TERRIBILI FILHO, A. Educação superior no período noturno: impacto do entorno educacional no cotidiano do estudante. 2007. 186 f. Tese (doutorado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências, 2007.

TERRIBILI FILHO, A. Ensino superior noturno: problemas, perspectivas e propostas. Marília: FUNDEPE, 2009.

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Química, Londrina, 2017.

VALLE, I. R. Carreira do magistério: uma escolha profissional deliberada? Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 87, n. 216, 2006.

ZAGO, N. Do acesso à permanência no ensino superior: percursos de estudantes universitários de camadas populares. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 11, n. 32, p. 226-370, mai./ago. 2006.

Downloads

Publicado

2024-05-21

Como Citar

BRAZ GARCIA, R. A.; DE CASTRO , B. J. .; DAL BOSCO REZZADORI, C. B. Quais currículos querem jovens trabalhadores? : um estudo acerca da permanência de estudantes em um curso de Licenciatura em Química. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 33, n. 1, p. e-rte331202442, 2024. DOI: 10.22478/ufpb.2359-7003.2024v33n1.68627. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rteo/article/view/68627. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Quais juventudes querem os currículos? Quais currículos querem as juventudes?