Abominável reforma do Ensino Médio:

entre a privatização do ensino público e a negação de futuros possíveis

Autores

  • João Eudes Alexandre Sousa Júnior SEDUC-CE

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2359-7003.2024v33n1.68682

Palavras-chave:

Ensino Médio, Projeto de Vida, Empreendedorismo

Resumo

O objetivo desse artigo é analisar, comparativamente, os ideais de projeto de futuro no campo dos mundos do trabalho que manifestam jovens adolescentes do Ensino Médio em escolas das redes pública do Ceará, em contraste com o Projeto de Vida enquanto disciplina sistematizada por currículo autoritariamente imposto pela Reforma de 2017. A metodologia adotada se fundamenta em um conjunto sistematizado de ações que orientaram a pesquisa documental e exploratória, contando ainda com a aplicação de um questionário semiestruturado, respondido por estudantes de nível médio de escolas públicas do Estado do Ceará, situadas em Fortaleza. Buscou-se evidenciar, conforme Freire (1996), Certeau (2003), Bondia (2013) e Han (2017) quais interesses e forças políticas atuam para tosar as juventudes de ambições que tangenciem a “cartilha” hiperliberal da precarização do trabalho, operacionalizada por agendas políticas que fazem avançar a privatização do ensino público no Brasil, segundo. Concluiu-se que o dito “Novo” Ensino Médio incorporou, ainda mais, a lógica da educação-mercadoria, pavimentando as “trilhas” do empresariamento privatista da educação pública, processo que envolve desde a dessubjetivação do trabalho docente de modo geral, até ataques diretos à construção do conhecimento escolar, predominantemente reacionário, pois reconfigurador do dualismo escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANTUNES, R. (org.). Uberização, trabalho digital e Indústria 4.0. São Paulo: Boitempo, 2020.

ARAÚJO, U. F.; ARANTES, V.; PINHEIRO, V. Projetos de Vida: fundamentos psicológicos, éticos e práticas educacionais. São Paulo: Summus, 2020.

AUGUSTO, A. G. A dessubjetivação do trabalho: o homem como objeto da tecnologia. Rev. Econ. Comtemp., 2009, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. 309-328.

BARROS, I. C. A emergência da população como problema político: o conceito de governamentalidade em Michel Foucault. Existência e Arte – Rev. Elet. do Grupo PET – Ciências Humanas, Estética da Universidade Federal de São João Del-Rei, a. XI, n. XI, 2019.

BEJARANO, A. F. H.; CHURAMPI, G. L. O. Estudio cualitativo de la nomofobia en adolescentes de la I.E. Francisco Mostajo de Tiabaya Arequipa 2018. 189p. (Mestrado): Escuela Profesional de Psicología, Universidad Nacional de San Agustín, Arequipa, 2018. Disponível em: http://bibliotecas.unsa.edu.pe/handle/UNSA/7632. Acesso em: 10 mai. 2020.

BEY, Hakim. TAZ: zona autônoma temporária. Tradução: Renato Rezende. 2. ed. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2004.

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 17 fev. 2017.

BRASIL. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, Casa Civil [1996]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 12 ago. 2023.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018a. Disponível em: http://download.basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 10 out. 2023.

BRASIL. Resolução CNE/CEB nº 3/2018. Atualiza as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília, 21 de novembro de 2018b. Disponível em: https://normativasconselhos.mec.gov.br/normativa/view/CNE_RES_CNECEBN32018.pdf. Acesso em: 10 out. 2023.

CAETANO, M. R. A proposta do Instituto Ayrton Senna para educar no século 21 ou uma velha proposta com nova roupagem. Rev. Faculdade de Educação. – Universidade do Estado de Mato Grosso, v. 24, a. 13, n. 2, p. 113-133, jul./dez. 2015.

C MARA dos Deputados. PL 5.230/2023. Poder Executivo 26/10/2023. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=2401091. Acesso em: 12 nov. 2023.

CAPPELLI, Paulo. Contas do impeachment de Dilma deverão ser aprovadas pelo Congresso. Metrópolis, nov. 2022 [online]. Disponível em: https://www.metropoles.com/colunas/paulo-cappelli/contas-do-impeachment-de-dilma-deverao-ser-aprovadas-pelo-congresso. Acesso em: 31 jan. 2023.

CARA, Daniel. Contra a barbárie, o direito à educação. In: CÁSSIO, Fernando. (org.). Educação contra a barbárie: por escolas democráticas e pela liberdade de ensinar. São Paulo: Boitempo, 2019.

CARNEIRO, Silvio. Vivendo ou aprendendo... A “ideologia da aprendizagem” contra a vida escolar. In: CÁSSIO, Fernando. (Org.). Educação contra a barbárie: por escolas democráticas e pela liberdade de ensinar. São Paulo: Boitempo, 2019.

CEARÁ. Secretaria da Educação. E o que é NTPPS? [online]. Disponível em: https://www.seduc.ce.gov.br/e-o-que-e-o-ntpps/. Acesso em: 23 out. 2023.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Tradução: Efharaim Ferreira Alves. v. 1, 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

CHAUÍ, Marilena. A ideologia da competência. Organizador: André Rocha. Belo Horizonte: Autêntica Editora; São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2014.

DAMON, W. O que o jovem quer da vida? Como pais e professores podem orientar e motivar os adolescentes. São Paulo: Summus, 2009.

DARLING-HAMMOND, L.; BRANSFORD, J. Preparando os professores para um mundo em transformação. Tradução: Cristina F. Mantovani. Porto Alegre: Penso, 2019.

DUARTE, Newton. As pedagogias do “aprender a aprender” e algumas ilusões da assim chamada sociedade do conhecimento. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro: ANPEd, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n18/n18a04.pdf. Acesso em: 14 jan. 2024.

EXAME. Após reforma do ensino médio, alunos têm aulas de 'O que rola por aí', 'RPG' e 'Brigadeiro caseiro'. [Online]. Agência O Globo, 2023. Disponível em: https://exame.com/brasil/apos-reforma-do-ensino-medio-alunos-tem-aulas-de-o-que-rola-por-ai-rpg-e-brigadeiro-caseiro/. Acesso em: 12 nov. 2023.

FERRETI, C. J. A reforma do Ensino Médio e sua questionável concepção de qualidade da educação. Estudos Avançados. São Paulo, v. 32, n. 93, p. 25-42, 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142018000200025&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 10 nov. 2023.

FESTINGER, Leon. Teoria da dissonância cognitiva. Tradução: Eduardo Almeida. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

FOLHA de S. Paulo. ‘Entregador Antifascista' critica precarização do trabalho e omissão de veículos da imprensa. Entrevista com Paulo Galo. YouTube, 26 fev. 2021. Disponível em:https://www.youtube.com/watch?v=ttciccleoIg. Acesso em: 12 out. 2023.

FONSENCA, F. C. P. da. O consenso forjado: a grande imprensa e a formação da agenda ultraliberal no Brasil. São Paulo: Editora Hucitec, 2005.

FORTE, L. C. de Q. O lugar da sociologia na educação integral sob a perspectiva de professores de escolas de ensino médio em tempo integral - Eemtis, de Fortaleza-CE. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Ceará, Centro de Humanidades, Fortaleza, 2021.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução: Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1987.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 22. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Universidade para poucos: o ministro da Educação e o preconceito de classe. Brasil de Fato, Rio de Janeiro, 17 mar. 2021. Disponíve em: https://www.brasildefato.com.br/2021/08/17/artigo-universidade-para-poucos-o-ministro-da-educacao-e-o-preconceito-de-classe. Acesso em: 31 set. 2023.

GINZBURG, C.; CASTELNUOVO, E.; PONI, C. A micro-história e outros ensaios. Tradução: António Narino. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1991.

GOLEMAN, Daniel. Inteligência emocional. Tradução: Marcos Santarrita. Rio de Janeiro: Objetiva, 2011.

HAN, Byung-Chul. Hiperculturalidade: cultura e globalização. Tradução: Gabriel Salvi Philipson. Petrópolis: Vozes, 2019.

HAN, Byung-Chul. Sociedade do cansaço. Tradução: Enio Paulo Giachini. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2017.

HAN, Byung-Chul. Sociedade paliativa: a dor hoje. Tradução: Lucas Machado. Petrópolis: Vozes, 2021.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua 2019. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento. Rio de Janeiro: Agência IBGE Notícias, 2020.

INSTITUTO Ayrton Senna. Competências Socioemocionais dos Estudantes. Disponível em: https://institutoayrtonsenna.org.br/o-que-defendemos/competencias-socioemocionais-estudantes. Acesso em: 13 out. 2023.

LARROSA, Jorge. Desafios da Educação - Jorge Larrosa Bondia / Espanha. In: UnivespTv. YouTube, 15 mai. 2013. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=AzI2CVa7my4. Acesso em: 11 nov. 2023.

LUCENA, C.; SANTOS, A. C. O.; LUCENA, L.; FRANÇA, R. L. O neoliberalismo de F. A. Hayek: uma análise crítica. Cadernos da Fucamp, v.19, n.42, 2020, p.122-133. Disponível em: https://revistas.fucamp.edu.br/index.php/cadernos/article/view/2290/1420. Acesso em: 13 fev. 2024.

MARX, K. O Capital: crítica da economia política: livro I: o processo de produção do capital [recurso eletrônico]. Tradução: Rubens Enderle. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2013.

MENDONÇA, R. F. Singularidade e identidade nas manifestações de 2013. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros [online], n. 66, p. 130-159. 2017, Disponível em: Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i66p130-159. Acesso em: 07 ago. 2022.

MOTTA, V. C.; ANDRADE, M. C. P. O empresariamento da educação de novo tipo e suas dimensões. Educação & Sociedade, v. 41, e. 224423, Campinas, 2020.

OCDE. Competências para o progresso social: o poder das competências socioemocionais. OCDE — Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômicos. São Paulo: Fundação Santillana, 2015. Disponível em: https://www.oecd.org/education/skills-for-social-progress-9789264249837-pt.htm. Acesso em: 18 nov. 2023.

PERONI, V. M. V. Implicações da Relação Público-Privada para a Democratização da Educação. 2015. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015.

PIAGET, Jean. Psicologia e pedagogia. Tradução: Dirceu Accioly Lindoso e Rosa Maria Ribeiro da Silva. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1976.

PIMENTA, C. A. M. Juventude, violência e políticas públicas. In: Revista Espaço Acadêmico. Ano VII, nº 75, ago. 2007.

PINTO JUNIOR, A.; SILVA, F. D. de O.; CUNHA, A. V. C. S. da. (Orgs.). A BNCC de História: entre prescrições e práticas [recurso eletrônico]. Recife: Editora Universidade de Pernambuco, 2022.

PINTO, C. R. J. A trajetória discursiva das manifestações de rua no Brasil (2013-2015). Lua Nova: Revista de Cultura e Política [online], n. 100, p. 119-153, 2017, Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-119153/100. Acesso em: 08 ago. 2022.

PINTO, C. R. J. A trajetória discursiva das manifestações de rua no Brasil (2013-2015). Lua Nova: Revista de Cultura e Política [online], n. 100, p. 119-153, 2017, Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-119153/100. Acesso em: 08 ago. 2022.

PIOLLI, Evaldo; SALA, Mauro. A reforma do ensino médio e as reformas empresariais na educação. EccoS – Revista Científica, [online], n. 62, p. e23197, 2022. Disponível em: https://periodicos.uninove.br/eccos/article/view/23197. Acesso em: 12 nov. 2023.

ROMEYER-DHERBEY, Gilbert. Os sofistas. Tradução: João Amado. Lisboa: Ed. 70, 1986.

SEDUC. Desenvolvimento das competências socioemocionais ganha espaço no Ceará e fortalece perspectiva da educação integral. Publicado em: 12 dez. 2018. Disponível em: https://www.seduc.ce.gov.br/2018/12/12/desenvolvimento-das-competencias-socioemocionais-ganha-espaco-no-ceara-e-fortalece-perspectiva-da-educacao-integral/. Acesso em: 13 out. 2023.

ZANIN, M.; RATIER, R. 'Chorei sem saber o que ensinar' In: ECOA UOL, 18 jan. 2024 [online]. Disponível em: https://www.uol.com.br/ecoa/colunas/rodrigo-ratier/2024/01/17/chorei-sem-saber-o-que-ensinar-diz-professora-sobre-novo-ensino-medio.htm. Acesso em: 13 fev. 2024.

Downloads

Publicado

2024-05-16

Como Citar

SOUSA JÚNIOR, J. E. A. Abominável reforma do Ensino Médio: : entre a privatização do ensino público e a negação de futuros possíveis . Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 33, n. 1, p. e-rte331202431, 2024. DOI: 10.22478/ufpb.2359-7003.2024v33n1.68682. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rteo/article/view/68682. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Quais juventudes querem os currículos? Quais currículos querem as juventudes?