Análise de uma proposta de estratégia de ensino baseada em uma metodologia ativa na formação de professores de Química, Física e Biologia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2359-7003.2024v33n1.69536

Palavras-chave:

Metodologias ativas, Formação de professores, Estratégia de ensino

Resumo

Objetivou-se, nesse estudo, analisar a percepção de professores em formação em relação a estratégia de ensino fundamentada em metodologias ativas. Realizou-se uma pesquisa qualitativa, desenvolvida em três etapas em uma universidade federal, em que foram analisadas as percepções de 42 estudantes de três cursos de licenciatura (Química, Física e Biologia). Os relatos evidenciaram que os estudantes expressaram percepções positivas sobre a experiência e reconheceram que as metodologias ativas estimulam o protagonismo do estudante, promovendo uma aprendizagem contextualizada e a interação entre pares. Vislumbra-se a importância de estimular e capacitar os futuros professores quanto ao uso de metodologias ativas em suas áreas de conhecimento, de modo a favorecer sua práxis e oportunizar uma aprendizagem mais significativa na área de formação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Silva Leite, UFRPE

Professor de Química e de Tecnologias no Ensino de Química da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Licenciado em Química (2008) e mestre no Ensino de Ciências (2011) pela UFRPE e Doutor em Química Computacional (2016) pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Coordenador do Curso de Licenciatura em Química da UFRPE. Docente do programa de mestrado profissional em Química (PROFQUI). Docente permanente do programa de pós-graduação em Ensino das Ciências da UFRPE. Vice-diretor da divisão de ensino de Química da Sociedade Brasileira de Química. Coordenador do Laboratório para Elaboração e Utilização de Tecnologias no Ensino de Química (LEUTEQ) e do Grupo de pesquisa InPraMEQ (Investigação de Práticas Metodológicas no Ensino de Química) da UFRPE. Tem experiência na área de Química e Ensino de Química: Em Química desenvolve pesquisas em Astroquímica e Química Computacional; Em Ensino de Química atua principalmente nas seguintes temáticas: (1) Tecnologias no Ensino de Química; (2) Metodologias Ativas, Aprendizagem Tecnológica Ativa, Gamificação e Ensino Híbrido; (3) processos e materiais educativos no Ensino de Ciências/Química; (4) Experimentação, divulgação científica e formação de professores. 

Referências

BARELL, John F. Problem-Based Learning. An Inquiry Approach. Thousand Oaks: Corwin Press. 2007.

BENDER, Willian N. Aprendizagem baseada em projetos: Educação diferenciada para o século XXI. Porto Alegre: Penso, 2014.

BERBEL, Neusi Aparecida Navas. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, v. 32, n. 1, p. 25-40, 2011.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação Qualitativa em Educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

BONDIOLI, Ana Cristina Cristina Vigliar; VIANNA, Simone Cristina Gonçalves; SALGADO, Maria Helena Veloso. Metodologias Ativas de Aprendizagem no Ensino de Ciências: práticas pedagógicas e autonomia discente. Caleidoscópio, v. 10, n. 1, p. 23-26, 2018.

DELISLE, Robert; OLIVEIRA, Vitor. Como realizar a Aprendizagem Baseada em Problemas. Porto: ASA, 2000.

DEWEY, John. Vida e Educação. São Paulo: Nacional. 1950.

DIESEL, Aline; BALDEZ, Alda Leila Santos; MARTINS, Silvana Neumann. Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Revista Thema, v. 14, n. 1, p. 268-288, 2017.

FRANÇA JUNIOR, Raimundo Rodrigues de; MAKNAMARA, Marlécio. Metodologias ativas como significado transcendental de currículos de formação médica. Educação em Revista, v. 36, p. e219263, 2020.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. 36. ed, São Paulo: Paz e Terra, 1999

GEMIGNANI, Elizabeth Yu Me Yut. Formação de professores e metodologias ativas de ensino aprendizagem: ensinar para a compreensão. Revista Fronteira da Educação, v. 1, n. 2, 2012, p. 1-27.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GROSSI, Márcia Gorett Ribeiro; CHAMON, Camila Macedo. O potencial educativo do ensino híbrido enquanto uma metodologia ativa: um estudo de caso. Revista Temas em Educação, v. 29, n. 3, p. 93-117, 2020.

GUIMARÃES, Cleidson Carneiro. Experimentação no ensino de química: caminhos e descaminhos rumo à aprendizagem significativa. Química nova na escola, v. 31, n. 3, p. 198-202, 2009.

HAYDT, Regina Célia C. Curso de didática geral. 8.ed. São Paulo: Ática, 2006.

LEITE, Bruno Silva. Tecnologias digitais e metodologias ativas: quais são conhecidas pelos professores e quais são possíveis na educação?. VIDYA, v. 41, n. 1, p. 185-202, 2021.

LEITE, Bruno Silva. Tecnologias digitais na educação: da formação à aplicação​. São Paulo: Livraria da Física, 2022.

LOVATO, Fabricio Luís; MICHELOTTI, Angela; LORETO, Elgion Lucio da Silva. Metodologias ativas de aprendizagem: uma breve revisão. Acta Scientiae, v. 20, n. 2, p. 154-171, 2018.

MARQUES, Humberto Rodrigues; CAMPOS, Alyce Cardoso; ANDRADE, Daniela Meirelles; ZAMBALDE, André Luiz. Inovação no ensino: uma revisão sistemática das metodologias ativas de ensino-aprendizagem. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior (Campinas), v. 26, p. 718-741, 2021.

MARTINS, Jorge S. Situações práticas de ensino e aprendizagem significativa. Campinas: Autores Associados, 2009.

MERCADO, Luis Paulo Leopoldo. Estratégias didáticas em aulas online no ensino superior. In: LINHARES, Ronaldo N.; PORTO, Cristiane; FREIRE, Valéria (Org.). Mídia e educação: espaços e (co)relações de conhecimentos. Aracaju: Edunet, 2014, p. 61-95.

MORAN, José Manuel. A educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. Campinas, São Paulo: Papirus, 2013. 174 p.

OLISKOVICZ, Katiucia; PIVA, Carla Dal. As estratégias didáticas no ensino superior. Revista de Educação, v. 15, n. 19, p. 111-127, 2012.

OLIVEIRA, Diana Clementino de; AMORIM, Samuel Ilo Fernandes de; TAUCEDA, Karen Cavalcanti; MOREIRA, Maria Rosilene Cândido. Metodologias ativas no ensino de ciências da natureza: significados e formas de aplicação na prática docente. Tear: Revista de Educação, Ciência e Tecnologia, Canoas, v. 9, n. 2, p. 1-15, 2020.

REIS, Rafaela da Silva; LEITE, Bruno Silva; LEÃO, Marcelo Brito Carneiro. Estratégias Didáticas envolvidas no uso das TIC: o que os professores dizem sobre seu uso em sala de aula?. ETD - Educação Temática Digital, v. 23, n. 2, p. 551-571, 2021.

ROGERS, Carl Ransom. Liberdade para Aprender. Belo Horizonte: Ed. Interlivros, 1973.

RYAN, Richard M.; STILLER, Jerome. The social contexts of internalization: Parent and teacher influences on autonomy, motivation and learning. Advances in motivation and achievement, v. 7, p. 115-149, 1991.

SANTOS, José Carlos dos; DICKMAN, Adriana Gomes. Experimentos reais e virtuais: proposta para o ensino de eletricidade para o nível médio. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 41, p. e20180161, 2019.

STACCIARINI, Jeanne Marie R.; ESPERIDIÃO, Elizabeth. Repensando estratégias de ensino no processo de aprendizagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 7, n. 5, p. 59-66, 1999.

Downloads

Publicado

2024-06-11

Como Citar

RIBEIRO JÚNIOR, M. dos S.; LEITE, B. S. Análise de uma proposta de estratégia de ensino baseada em uma metodologia ativa na formação de professores de Química, Física e Biologia. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 33, n. 1, p. e-rte331202452, 2024. DOI: 10.22478/ufpb.2359-7003.2024v33n1.69536. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rteo/article/view/69536. Acesso em: 14 jul. 2024.