RESISTIR AOS CONHECIMENTOS CRISTALIZADOS PARA PRODUZIR OUTRAMENTOS NO CURRÍCULO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n1.50417

Palavras-chave:

Currículo, Resistência, Outramento, Homossexualidade

Resumo

Neste texto, inspirados na perspectiva pós-crítica de currículo e em autoras/es pós-estruturalistas, buscamos explorar o funcionamento do currículo do grupo LGBTQI+ Resistência pela democracia, organizado no Facebook. Considerando a trama discursiva desse currículo e suas relações de saber-poder em torno das homossexualidades, mostramos que há uma convocação para pensar de outra forma para se tornar um sujeito, outro de si mesmo. Mobilizamos os ditos curriculares para evidenciar que há um investimento no outramento, na insistência do questionamento, sendo essa a dinâmica mais comum a esse currículo, ou seja, apostar muito mais nas perguntas que nas respostas, como uma forma de problematização, de levar os sujeitos a pensar e a agir de outra forma. Assim, o argumento principal desenvolvido no artigo é que as resistências, nesse currículo, acontecem quando se pode interpelar e mover o pensamento para conhecer de outra forma aquilo que já está posto, dado e na ordem do verdadeiro, o que, como efeito, possibilita o outramento. Dizemos então que nesse currículo não apenas se produz formas de conhecimento que implicam na demanda por um certo tipo de sujeito, mas, imediatamente, importa que esse sujeito esteja disposto a desconhecer.

 

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Danilo Araujo de Oliveira, Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil.

Doutorando em Educação pelo Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Federal de Minas Gerais e membro do grupo de pesquisa Educação, Formação, Processo de Trabalho e Relações de Gênero, da Universidade Federal de Sergipe.

Anderson Ferrari, Universidade Federal de Juiz de Fora, Brasil.

Professor adjunto da Faculdade de Educação e  do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora.

Referências

BARROSO, Renato Regis. Pajubá: o código linguístico da comunidade LGBT. PPGLA Dissertação. Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras e Artes. Manaus. Amazonas. 2017.

BENTO, Thaizy Cristhine Salles. Fernando Pessoa: alteridade e outramento. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, São Paulo: Universidade de São Paulo, 2013.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

BUTLER, Judith. Undoing gender. New York: Routledge, 2004b.

BRITZMAN, Deborah. O que é essa coisa chamada amor – identidade homossexual, educação e currículo. Educação e Realidade, vol, 21, nº1, jan./jun. p.71-96, 1996

CORAZZA, Sandra Mara. O que quer um currículo? Pesquisas pós-críticas em educação. São Paulo: Vozes, 2001.

EVANGELISTA, Gislene Rangel. #CurrículodoFacebook: denúncia da crise e demanda pela reforma do Ensino Médio na linha do tempo da escola. 2016. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pós-graduação em Educação: Conhecimento e Inclusão Social. Universidade Federal de Minas Gerais. 188f.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade II. O uso dos prazeres. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984.

______. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

______. Polêmica, Política e Problematizações. In: FOUCAULT, Michel. Ética, sexualidade, política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

______. "Sexo, poder e a política da identidade". Verve - Revista do Nu-Sol, nº 5, p. 260-277, 2004.

NETTO JUNIOR, Neurivan Gonçalves. O percurso semântico de alguns vocábulos do pajubá: gírias faladas pelas bichas. 2018. 17 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Letras - Português)—Universidade de Brasília, Brasília, 2018.

PARAÍSO, Marlucy Alves. Currículo e mídia educativa brasileira: poder, saber e subjetivação. Chapecó: Argos, 2007.

______. Currículo, desejo e experiência. Educação e Realidade. Mai/Ago. 2009.

______. Gênero, sexualidade e heterotopia: entre esgotamentos e possibilidades nos currículos. In: RIBEIRO, Paula Regina Costa (et al.). Corpo, gênero e sexualidade: resistência e ocupa(ações) nos espaços de educação. Rio Grande: Ed. FURG, 2018, p. 7-28.

PELÚCIO, Larissa. Um flerte com a normalidade. In: MISKOLCI, Richard. Desejos digitais: uma análise sociológica da busca por parceiros on-line. Belo Horizonte: Autêntica. 2017.

OLIVEIRA, Danilo Araujo de.; FERRARI, Anderson.; MACHADO, Nathalye Nallon. “Ninguém solta a mão de ninguém”: conectados/as em rede, resistimos. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 14, n. 2, p. 659 -677, maio/ago. 2019. DOI: https://doi.org/10.5212/praxeduc.v.14n2.014

SEDGWICK, Eve Kosofsky. The Epistemology of The Closet. Berkeley: The University of California Press, 1990.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Terminais: as transformações na política da pedagogia e na pedagogia da política. Petrópolis: Vozes, 1996.

SILVA, Tomaz Tadeu da. O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte: Autêntica, 2001

ZAGO, Luiz Felipe. Gênero, sexualidade e corpo-currículo na sociabilidade de um site de relacionamentos gay. Em Aberto, Brasília, v. 29, n. 95, p. 109-120, jan./abr. 2016.

Downloads

Publicado

14-04-2020

Como Citar

ARAUJO DE OLIVEIRA, D.; FERRARI, A. RESISTIR AOS CONHECIMENTOS CRISTALIZADOS PARA PRODUZIR OUTRAMENTOS NO CURRÍCULO. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 13, n. 1, p. 110–122, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n1.50417. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/50417. Acesso em: 9 fev. 2023.