SENTIDOS DE PROFESSOR NAS POLÍTICAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA A ALFABETIZAÇÃO

o contexto discursivo de sua emergência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n1.50695

Palavras-chave:

Perfil docente, Currículo, Formação docente

Resumo

Nesse artigo reflito sobre as contribuições dos aportes teóricos pós-fundacionais nas pesquisas sobre o professor e sua formação, compartilhando, assim, outras possibilidades epistemológicas de investigação desses objetos. Trago resultados parciais de uma investigação, orientada pela Teoria do Discurso de Ernesto Laclau e Chantal Mouffe e por suas apropriações no campo do currículo por Lopes & Macedo e Oliveira, dos sentidos de professor alfabetizador sedimentados no Programa Nacional de Alfabetização na Idade Certa (PNAIC). Dessa forma, problematizo as perspectivas fundacionais que vêm orientando as políticas de formação de professores. Apropriando-se das produções do campo da Alfabetização e da Formação de Professores, essas políticas definem conhecimentos, habilidades e atitudes consideradas necessárias à constituição do perfil docente suposto como ideal para superar o desafio de alfabetizar a totalidade da população escolar, oferecendo um modelo de formação que irá constituir, de forma inequívoca, o perfil docente desejado. Tenciono, assim, desestabilizar sentidos hegemônicos no campo da formação de professores: a busca por uma racionalidade para possibilitar a constituição do perfil docente projetado nessas políticas, significado como expressão transparente de uma essência de professor para atender à totalidade das demandas da alfabetização, colocando a formação de professores como espaço de controle da docência.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marize Peixoto da Silva Figueiredo, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil.

Professora Adjunta da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e líder do grupo de pesquisa Currículo, Conhecimento & Cultura, da UERJ/FEBF. Pesquisadora dos grupos de pesquisa da UERJ/EDU: Políticas de Currículo e Cultura, bem como Currículo, Formação e Educação em Direitos Humanos. 

Referências

ANDRÉ, Marli. A produção acadêmica sobre formação de professores: um estudo comparativo das dissertações e teses defendidas nos anos 1990 e 2000. Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação Docente, Belo Horizonte, v. 01, n. 01, p. 41-56, ago/dez, 2009.

________ . A pesquisa sobre formação de professores: contribuições à delimitação do campo. In: DALBEN, A. I. L. de F. (org.). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2010, p. 273-287.

BORGES, Veronica. Espectros da profissionalização docente nas políticas curriculares para formação de professores: um self para o futuro professor. Tese (Doutorado em Educação). Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: . Acesso em: 30/03/2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 826, de 7 de julho de 2017. Dispõe sobre o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa - PNAIC, suas ações, diretrizes gerais e a ação de formação no âmbito do Programa Novo Mais Educação - PNME. Disponível em: <https://www.fnde.gov.br/index.php/acesso-a-informacao/institucional/legislacao/item/10937-portaria-mec-n%C2%BA-823,-de-7-de-julho-de-2017>. Acesso em: 13/02/2019

_______ . Ministério da Educação. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Interdisciplinaridade no ciclo de alfabetização. Caderno de Apresentação. Brasília: MEC, SEB, 2015.

________. Ministério da Educação. Portaria nº 867, de 4 de julho de 2012a. Institui o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa e as ações do Pacto e define suas diretrizes gerais. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 5 jul. 2012a. Seção 1, p. 22-23

________. Ministério da Educação. Elementos conceituais e metodológicos para definição dos direitos de aprendizagem e desenvolvimento do ciclo de alfabetização (1º, 2º e 3º anos) do ensino fundamental. Brasília, 2012b.

CRAVEIRO, Clarissa Bastos. Políticas curriculares para formação de professores: processos de identificação docente (1995-2010). Tese (Doutorado em Educação). Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: . Acesso em: 29/03/2015.

DIAS, Rosanne Evangelista. Ciclo de políticas curriculares na formação de professores no Brasil (1996-2006). Tese (Doutorado em Educação). Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: . Acesso em: 18/05/2013.

EVANGELISTA, Olinda; SHIROMA, Eneida Oto. Professor: protagonista e obstáculo da reforma. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 33, n.3, p. 531-541, set/dez, 2007.

FIGUEIREDO, M. P. S. Discursos do perfil docente nas políticas de formação de professores. Tese (Doutorado em Educação), Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 139 p., Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2017.

GLYNOS, Jason, HOWARTH, David. Explicação crítica em Ciências Sociais: a abordagem das lógicas. In: LOPES, Alice Casimiro, OLIVEIRA, Anna Luíza Araújo Ramos Martins de, OLIVEIRA, Gustavo Gilson Sousa de (orgs). A Teoria do Discurso na Pesquisa em Educação. Recife: Ed. UFPE, 2018. p. 53-104.

LACLAU, Ernesto.Emancipação e Diferença. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2011.

LACLAU, Ernesto; MOUFFE, Chantal. Hegemonia e estratégia socialista: por uma política democrática radical. Tradução de Joanildo Albuquerque Burity, Josias de Paula Júnior e Aécio Amaral. São Paulo: Intermeios, 2015.

LOPES, Alice Casimiro. Políticas de currículo em um enfoque discursivo: notas de pesquisa. In: LOPES, Alice Casimiro, OLIVEIRA, Anna Luíza Araújo Ramos Martins de, OLIVEIRA, Gustavo Gilson Sousa de (orgs). A Teoria do Discurso na Pesquisa em Educação. Recife: Ed. UFPE, 2018. p. 133-168.

________. Por um currículo sem fundamentos. Linhas Críticas, v. 21, n. 45, p. 445-466, mai/ago 2015.

________ . Democracia nas políticas de currículo. Cadernos de Pesquisa, v. 42, n. 147, p. 700-715, set/dez 2012.

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth Fernandes de. Teorias de Currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

MACEDO, Elizabeth Fernandes de. Currículo e conhecimento: aproximações entre educação e ensino. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 42, n. 147, p. 716-737, set./dez., 2012.

OLIVEIRA, Gustavo Gilson Sousa de. Provocações para aguçar a imaginação/invenção analítica: aproximações entre a Teoria Política do Discurso e Análise do Discurso em Educação. In: LOPES, Alice Casimiro, OLIVEIRA, Anna Luíza Araújo Ramos Martins de, OLIVEIRA, Gustavo Gilson Sousa de (orgs). A Teoria do Discurso na Pesquisa em Educação. Recife: Ed. UFPE, 2018. p.169-216.

OLIVEIRA, Gustavo Gilson Sousa de, OLIVEIRA, Anna Luíza Araújo Ramos Martins de, MESQUITA, Rui Gomes de. A Teoria do Discurso de Laclau e Mouffe e a Pesquisa em Educação. Educação & Realidade, Porto Alegre, v.38, n.4, p. 1327-1349, out/dez 2013.

SAVIANI, Demerval. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, v. 14, n. 40, p. 143-155, jan/abr, 2009.

SILVA, Rute da. Educação das crianças no contexto da reforma educacional brasileira dos anos 90: uma perspectiva para além do capital. In: ENCONTRO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO E MARXISMO, 5., 2011, Florianópolis. Anais do V Encontro Brasileiro de Educação e Marxismo. Florianópolis, 2011. Disponível em: <http://www.5ebem.ufsc.br/trabalhos/eixo_05/e05f_t001.pdf>. Acesso em: 03/04/2014.

TANURI, Leonor Maria. História da Formação de Professores. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, n. 14, p. 61-88, mai/jun/jul/ago, 2000.

Downloads

Publicado

14-04-2020

Como Citar

PEIXOTO DA SILVA FIGUEIREDO, . M. . SENTIDOS DE PROFESSOR NAS POLÍTICAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA A ALFABETIZAÇÃO: o contexto discursivo de sua emergência. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 13, n. 1, p. 98–109, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n1.50695. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/50695. Acesso em: 9 fev. 2023.