A EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL NO CURRÍCULO DO ENSINO MÉDIO INTEGRADO DO IFMG

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n1.50698

Palavras-chave:

Currículo, Ensino Médio, Educação Profissional, Educação em Tempo Integral

Resumo

O presente estudo transita na fronteira entre as políticas curriculares e o currículo do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG), problematizando as conexões entre a educação profissional de nível médio e a educação em tempo integral (ETI). A seleção e a organização dos saberes curriculares devem realizar-se a partir do direito dos estudantes à formação plena. Contudo, imagens reducionistas e mercantilizadas do currículo pairam sobre a educação profissional tecnológica e ameaçam esse direito. Em tal contexto, analisou-se o currículo do ensino médio integrado do IFMG e suas conexões com a ETI, a fim de contribuir para a construção de propostas que considerem as especificidades das juventudes, dialoguem com os diversos tempos da vida e que problematizem as finalidades da jornada escolar ampliada. A metodologia da pesquisa incluiu a análise dos dados descritivos sobre o texto curricular expressos nas normativas institucionais e nos Projetos Pedagógicos de Cursos (PPCs) de 4 campi do IFMG. Os resultados apontam que os Institutos Federais apresentam em suas normativas interessantes contribuições para a ETI, contudo, os códigos presentes nos seus PPCs contêm as marcas do produtivismo e denotam truncamentos que invisibilizam as múltiplas dimensões da formação humana e as concepções pedagógicas que fundamentam tais projetos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Katia Regina de Sá, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Minas Gerais, Brasil.

Professora do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Instituto Federal Minas Gerais. Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (2019) e membro do Grupo de pesquisas em Educação Física escolar da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.

Marcos Garcia Neira, Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo - FEUSP

Professor Titular da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, atua nos cursos de graduação e pós-graduação e coordena o Grupo de Pesquisas em Educação Física escolar. 

Referências

ARROYO, M. G. Educandos e Educadores: seus Direitos e o Currículo. Indagações sobre currículo. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007.

BARRETO; E. S. S.; SÁ, K. R. Educação em tempo integral: contribuições oriundas das pesquisas de pós-graduação. Cadernos Cenpec, São Paulo, v.6, n.1, p.23-46, jan./jun. 2016.

BEZERRA, D. S. Ensino médio (des)integrado: história, fundamentos, políticas e planejamento curricular. Natal (RN): Editora IFRN, 2013.

BRASIL. CNE/CP. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Conselho Pleno. Parecer nº. 11 de 30 de junho de 2009. Apreciação da Proposta de Experiência Curricular Inovadora no Ensino Médio. Brasília: CNE/CP 2009c. 21p. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2015.

BRASIL. CNE. Câmara da Educação Básica. Resolução n. 2 CNE/CEB, de 30/01/2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 31 de janeiro de 2012. Seção 1, p. 20.

BRESCI, M. S. Origem e evolução do IFSULDEMINAS Campus Inconfidentes: qual o princípio pedagógico?152f. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, graduação, Universidade Nove de Julho (UNINOVE), São Paulo, 2017.

CAVALIERE, A. M. Escola pública de tempo integral no Brasil: Filantropia ou política de estado? Educ. Soc., Campinas, v. 35, nº. 129, p. 1205-1222, out.-dez., 2014.

FLICK, Uwe. Introdução à pesquisa qualitativa. 3ª. Ed. – Porto Alegre: Artmed, 2009.

GADOTTI, Moacir. Educação Integral no Brasil: inovações em processo. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2009.

GALIAN, Cláudia V. A.; SAMPAIO, Maria das Mercês F. Educação em tempo integral: implicações para o currículo da escola básica. Currículo sem Fronteiras, v. 12, n. 2, p. 403-422, maio/ago. 2012.

GARIGLIO, J. A. Educação Física no currículo de uma escola profissionalizante: um caso sui generis. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, v. 23. n. 2. p. 69-88, janeiro, 2002.

IFMG. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais. Pró-Reitoria de Ensino. Orientações para elaboração e atualização de projetos pedagógicos dos cursos técnicos do IFMG, 2012. Disponível em: <https://www2.ifmg.edu.br/portal/ensino/OrientaesElaboraoAtualizaoPPCCursosTcnicos.pdf>. Acesso em 04 jan. 2018.

______. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais. Conselho Superior. Plano de Desenvolvimento Institucional 2014-2018. Documento integrante da Resolução IFMG 019 de 09 de julho de 2014.

______ . Pró-Reitoria de Ensino. Análise e perfil curricular dos cursos da educação profissional técnica de nível médio do IFMG, 2018.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sinopses Estatísticas da Educação Básica, 2014 - 2019. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-basica>. Acesso em: 15 fev. 2020.

KRAWCZYK, N. Ensino Médio: empresários dão as cartas na escola pública. Educação & Sociedade, Campinas, v. 35, n. 126, p. 21-41, jan.-mar. 2014.

LOPES, A. Políticas de integração curricular. Rio de Janeiro: Eduerj, Faperj, 2008.

LOPES, A. C.; MACEDO, E. F. Disciplinas e integração curricular: história e políticas.Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

LOPES, A. C.; MACEDO, E. F. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

LORENZONI, I. Educação Básica. Ensino Médio Inovador receberá adesão de escolas em fevereiro. Portal MEC, Brasília, 21 jan. 2014. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=20164:ensino-medio-inovadorrecebera-adesao-de-escolas-emfevereiro&catid=389&itemid=86> Acesso em 27 dez. 2016.

MAURÍCIO, L. V. Escritos, representações e pressupostos da escola pública de horário integral. Em Aberto, Brasília, v. 22, n. 80, p. 15-31, abr., 2009.

MOREIRA, A. F. B.; CANDAU, V.M. Indagações sobre currículo: currículo, conhecimento e cultura.Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007.

MOURA, D. H. Políticas públicas para a educação profissional técnica de nível médio nos anos 1990 e 2000: Limites e possibilidades. In OLIVEIRA, R. (Org.). Jovens, Ensino médio e educação profissional: políticas públicas em debate. Campinas, SP: Papirus, 2012.

NEIRA, M. G.; NUNES, M.L. F. Educação Física, currículo e cultura. São Paulo: Phorte, 2009.

QVORTRUP, Jens. Visibilidades das crianças e da infância. Linhas Críticas, Brasília, v. 20, n. 41, p. 23-42, jan./abr. 2014.

QVORTRUP, Jens. A dialética entre a proteção e a participação. Currículo sem Fronteiras, v. 15, n. 1, p. 11-30, jan./abr. 2015.

SACRISTÁN, J. G. O que significa o currículo? In SACRISTÁN, J. G. (Org). Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto Alegre: Penso, 2013.

SILVA, M. R.. O programa ensino médio inovador como política de indução a mudanças curriculares: da proposta enunciada a experiências relatadas. Educação em Revista. Belo Horizonte v.32, n.2, p. 91-110, abr.-jun. 2016a.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias de currículo. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

SILVA, M. A.; SILVA, L. O.; MOLINA NETO, V. Possibilidades da Educação Física no Ensino Médio técnico. Movimento, Porto Alegre, v. 22, n. 1, p. 325-336, jan./mar. de 2016.

SILVEIRA, A. G. Marcas do tempo integral nas juventudes: um estudo de caso em um Instituto Federal do Espírito Santo. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade federal do Espírito Santo, Vitória-ES, 2017.

Downloads

Publicado

29-03-2020

Como Citar

DE SÁ, K. R.; GARCIA NEIRA, M. A EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL NO CURRÍCULO DO ENSINO MÉDIO INTEGRADO DO IFMG. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 13, n. 1, p. 84–97, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n1.50698. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/50698. Acesso em: 9 fev. 2023.