EDUCAÇÃO DO CAMPO E CURRÍCULO

território em disputa em uma escola de Campo Novo do Parecis-MT

Autores

  • Ronaldo Eustáquio Feitoza Senra Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Mato Grosso, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-0801-1970
  • Elane da Silva Matos Vilela Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia e Secretaria de Estado de Educação e Mato Grosso, Brasil https://orcid.org/0000-0003-4696-5337

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n3.52181

Palavras-chave:

Escola, Educação do campo, Currículo

Resumo

Neste artigo, com base nos preceitos da Educação do Campo, defendemos a importância da elaboração coletiva do currículo no ensino-aprendizagem, considerando os processos culturais e as especificidades dos sujeitos. Sendo assim, investigamos o currículo da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Marechal Cândido Rondon, localizada no município de Campo Novo do Parecis, estado de Mato Grosso. O objetivo principal foi o de interpretar e descrever, pelo viés da Educação do Campo, o currículo dessa escola. Optamos pela abordagem qualitativa e realizamos um estudo de caso para descrever tal currículo numa perspectiva crítica, com base nos seguintes procedimentos metodológicos: (1) observação in loco; e (2) interpretação do Projeto Político-Pedagógico (PPP). Ao descrevermos o currículo, percebemos que ele está construído sob a lógica do agronegócio e de um modelo de campo preconizado pela hegemonia neoliberal. Apesar disso, a escola afirma acreditar na importância da educação libertadora. Verifica-se a necessidade de a instituição articular o PPP às políticas públicas da Educação do Campo, desenvolvendo novas propostas curriculares que contemplem a diversidade a que a escola atende. Há um currículo em disputa, que enraizado no agronegócio, domínio esse que pode ser contestado.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ronaldo Eustáquio Feitoza Senra, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Mato Grosso, Brasil.

Doutor em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso e Docente permanente do Programa de Pós-graduação em Ensino do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Mato Grosso.

Elane da Silva Matos Vilela, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia e Secretaria de Estado de Educação e Mato Grosso, Brasil

Mestranda em Ensino pelo Programa de Pós-graduação em Ensino do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Mato Grosso e e professora da Secretaria de Estado de Educação e Mato Grosso.

Referências

ARROYO, Miguel Gonzalez; FERNANDES, Bernardo Mançano. A educação básica e o movimento social do campo. Brasília: articulação nacional por uma educação básica do campo, v. 2, 1999.

______. Políticas de formação de educadores(as) do campo. Cad. Cedes, Campinas, v. 27, n. 72, p. 157-176, 2007.

______. Reinventar a política - reinventar o sistema de educação. Educação & Sociedade, v. 34, n. 124, 2013.

AZEVEDO, F. de et al. Manifestos dos pioneiros da Educação Nova (1932) e dos educadores 1959. Recife: Fundação Joaquim Nabuco; Massangana, 2010. Disponível em: <https://bit.ly/2ttcvIV>. Acesso em: 19 abr. 2018.

BRASIL. Lei n.º 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm>. Acesso em: 05 jan. 2018.

______.MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC). Conferência Nacional Por Uma Educação Básica do Campo 1998: Desafios e propostas de ação. Brasília, Centro de Treinamento Educacional da CNTI, de 27 a 31 de julho de 1998.

Disponível em: <https://bit.ly/2Fv7okT>. Acesso em: 20 out. 2018.

______. Lei n.º 11.645/2008, de 10 de março de 2008. Altera a Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei n.º 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena". Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, 11 mar. 2008.

______. Decreto n.º 7.352, de 4 de novembro de 2010. Dispõe sobre a política de educação do campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária - PRONERA. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 05 nov. 2010. Disponível em: <https://bit.ly/2C6sJiU>. Acesso em: 01 nov. 2017.

_______. Ministério da Educação. Portaria n.° 1.570. Homologação do Parecer CNE/CP n.º 15/2017 sobre a Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 21 de dezembro de 2017, seção 1, p. 146.

BENJAMIN, C.; CALDART, R. S. Projeto popular e escolas do campo. Brasília, DF: Articulação Nacional Por uma Educação Básica do Campo, 2000. Disponível em: <https://bit.ly/2S17WkR>. Acesso em: 15 jul. 2018.

CALAZANS, M. J. C. Para compreender a educação do Estado no meio rural – traços de uma trajetória. In: THERRIEN, J.; DAMASCENO, M. N. (Org.). Educação e escola no campo. Campinas: Papirus, 1993.

CHASSOT, Attico. Alfabetização científica: questões e desafios para a educação / Attico Chassot - 7. Ed. – Ijuí, 2016.

FERNANDES, B. M. Contribuição ao estudo do campesinato brasileiro formação e territorialização do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra - MST (1979–1999). 1999. Tese (Doutorado em Geografia) – Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.

______. A formação do MST no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

______. Diretriz de uma caminhada. In: ARROYO, M. G.; CALDART, R. S.; MOLINA, M. C. (Org.). Por uma educação do campo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

FOUCAULT, M. Microfísica do Poder. 11. ed., Rio de Janeiro: Graal, 1997.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática docente. São Paulo: Paz e Terra, p. 25, 1996.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

______. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Campo Novo dos Parecis – Panorama. 2014. Disponível em: <https://goo.gl/2paHvx>. Acesso em: 31 ago. 2017.

______. Conheça cidades e estados do Brasil. 2017. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/>. Acesso em: 31 ago. 2017.

JABER, M. Mapeamento dos conflitos socioambientais de Mato Grosso: escala de resistência. Cuiabá, MT: UFMT, 2012.

KOLTERMANN, S. A identidade da escola pública laica e a significação das práticas pedagógicas. XXI Jornada de Pesquisa, Salão do Conhecimento, Unijuí, 2016.

MATO GROSSO. Secretaria de Estado de Educação. Orientações Curriculares para a Educação do Campo no Estado de Mato Grosso. Cuiabá, MT: SEDUC, 2010.

______. Lei n.º 10.232, de 29 de dezembro de 2014. Torna defeso, para fins não pedagógicos, o uso de aparelhos eletrônicos em sala de aula do ensino fundamental e médio do Estado de Mato Grosso. Diário Oficial do Estado do Mato Grosso, 29 dez. 2014.

______. Secretaria de Estado de Educação. Orientações Curriculares: Diversidades Educacionais. Cuiabá: Defanti, 2012. Disponível em: <https://bit.ly/2OI5gFN>. Acesso em: 26 jun. 2018.

MINAYO, M. C. S.; MINAYO-GOMÉZ, C. Difíceis e possíveis relações entre métodos quantitativos e qualitativos nos estudos de problemas de saúde. In: GOLDENBERG, P.; MARSIGLIA, R. M. G.; GOMES, M. H. A. (Org.). O clássico e o novo: tendências, objetos e abordagens em ciências sociais e saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2003.

MOLINA, M. C.; JESUS, S. M. S. A. de. Contribuições para a construção de um projeto de educação do campo. Brasília, DF: Articulação Nacional Por uma Educação do Campo, 2004, v. 8.

______. Educação do Campo e Pesquisa: questões para reflexão. Brasília, DF: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2006.

______. A educação do campo e o enfrentamento das tendências das atuais políticas públicas. Educação em Perspectiva, Viçosa, v. 6, n. 2, p. 378-400, jul./dez., 2015.

PASSOS, L. A. Educação Popular: um projeto de rebeldia e alteridade. Revista de Educação Pública, v. 16, n. 31, p. 105-118, 2017.

PIGNATI, W. A. et al. Distribuição espacial do uso de agrotóxicos no Brasil: uma ferramenta para a Vigilância em Saúde. Ciênc. saúde coletiva. 2017, vol. 22, n. 10, p. 3281-3293. Disponível em: <https://bit.ly/2R3oZBl>. Acesso em: 01 jun. 2018.

RIBEIRO, E. M. A Base Nacional Comum Curricular no Contexto da Educação do Campo: Desencontros e Contradições / Eduardo Ribeiro Mueller. 2018. Tese (Doutorado em Educação em Ciências e Matemática) – Universidade Federal do Mato Grosso, Rede Amazônica em Educação em Ciências e Matemática/REAMEC. Cuiabá, 2018.

SATO, M. et al. Jogo de luzes: sombras e cores de uma pesquisa em educação ambiental. Revista de Educação Pública, v. 13, n. 23, p. 31-55, 2004.

SILVA, T. T. da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias de currículo. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

SILVA, R.; SATO, M. Territórios e identidades: mapeamento dos grupos sociais do Estado de Mato Grosso-Brasil. Ambiente & Sociedade, v. 13, n. 2, 2010.

STAKE, R. E. Investigación con estudio de casos. Madrid, Espanha: Ediciones Morata, 1998.

VEIGA, I. P. A. Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. Campinas, SP: Papirus, 1995.

______. Projeto político-pedagógico: novas trilhas para a escola. In: ______.; FONSECA, M. (Org.). Dimensões do projeto político-pedagógico: novos desafios para a escola. Campinas: Papirus, 2001.

VENDRAMINI, C. R. Educação e trabalho: reflexões em torno dos movimentos sociais do campo. Cad. Cedes, Campinas, v. 27, n. 72, p. 121-135, 2007.

WALSH, C. Interculturalidad crítica y educación intercultural. Construyendo interculturalidad crítica, p. 75-96, 2010.

YIN, R. K. Applications of case study research. Beverly Hills, CA: Sage Publishing, 1993.

______. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

Downloads

Publicado

2020-11-09

Como Citar

EUSTÁQUIO FEITOZA SENRA, R. .; VILELA, E. da S. M. . EDUCAÇÃO DO CAMPO E CURRÍCULO: território em disputa em uma escola de Campo Novo do Parecis-MT. Revista Espaço do Currículo, [S. l.], v. 13, n. 3, p. 517–530, 2020. DOI: 10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n3.52181. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/52181. Acesso em: 27 set. 2021.